EM FUNÇÃO DO AMOR – Joana de Ângelis


Em Função do Amor
Mensagem de Joana de Ângelis
   
Convidado ao banquete do amor, esquece as mágoas e as ofensas, rompe o rol das queixas e dulcifica-te, deixando-te arrastar pelas sugestivas mensagens da ternura.
Abre-te à renovação íntima e, por momentos, reflexiona em torno da realidade que te aflige, reconsiderando as posições mental e moral.
Refaze a situação em que te encontras no lar, e recompõe a família, ofertando a fórmula do pão nutriente do amor.
Na oficina do trabalho, medita em torno da dificuldade dos companheiros e desculpa-os, quando te firam, amando-os mais.
Na vida social perceberás os felizes na aparência, que te desprezam sem dar-se conta, todavia possuindo o élan do amor, entenderás que eles estão doentes e tão aflitos, que se não apercebem da gravidade do mal que os mina em silêncio.
Na comunidade religiosa a que te filias, gostarias de haurir forças; muitas vezes, porém, descobres, ali, que aqueles companheiros vivem carentes e aflitos, apresentando dramas e amarguras que te causam desencanto. 
Se estiveres, no entanto, afeito à mensagem do amor, supri-los-ás de alento e te reconfortarás. Eles estão cansados e sofrem da mesma solidão que tu, não sendo diferentes de ti.
Em todo lugar, há lugar para o amor.
Melhor que sejas tu aquele que ama, irrigando os corações com esse licor poderoso da vida.
Ninguém anda e cresce, sem o estímulo do amor.
Dirás que também necessitas de receber, criatura sofrida que és.
Tens razão, sem embargo, se meditares mais, tu, que conheces Jesus, poderás esquecer de ti mesmo e oferecer, com entusiasmo, o que gostaria de receber.
Observa por um instante:
A roseira apoiada no estrume transforma o adubo desprezível em perfume que esparze no ar;

A semente aprisionada no solo que a esmaga retribui o próprio sofrimento com o verde com que embeleza o chão, transformando-se em árvore frondosa a doar bênçãos;

A pedra arrancada a explosivo e trabalhada a martelo, sem queixumes desvela a estátua que lhe dormia inerme na intimidade;

O charco abandonado, ao receber a drenagem que o fere, veste-se de vida e se torna abençoado jardim.
Ouve a lição sem palavras da laranjeira apedrejada, reproduzindo galhos e abrindo-se em flores que balsamizam o ar…
Disputa a honra de amar, aceitando agora o convite que se te faz para que te transformes em vexilário do bem, amando.
Jesus, por amor, tudo sofreu, a tudo renunciou, experimentando rudes injunções climatéricas, políticas, sociais e humanas para conferir-nos a honra da liberdade real e plena, que somente através d’Ele podemos encontrar.
Como Deus é Amor, não te esqueças, filho do Amor, que gerado pelo bem, a tua é a fatalidade do próprio amor.
Joana de Ângelis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s