QUANDO O AMOR ACABA E O OUTRO VAI EMBORA…

O que fazer com a dor?
Uma dor que parece insuportável, interminável, inexplicável… Uma dor que insiste em se fazer notar, que traz ao pensamento, minuto a minuto, a pessoa amada, o amor acabado, a relação falida… 
O que fazer? Como superar essa situação que parece definitiva, que parece insuperável?
Vejo muitas e muitas pessoas sofrendo e se destruindo por um amor desgastado, desenganado e, muitas vezes, morto! Pessoas que não se conformam com o final de seu romance, que seriam capazes de arrastar por anos e anos um relacionamento sem confiança, sem reciprocidade, sem companheirismo, coagido pelas discussões, críticas e falta de compreensão… 
Simplesmente para não assumirem o fim!
Por incrível que pareça, por mais difícil que seja admitir que o brilho se apagou, que a paixão esfriou e que as expectativas cansaram de se frustrar, é muito melhor abrir mão de uma relação morta do que se autocondenar a viver num mundo que, na verdade, não existe mais!
Existem muitas razões para que um amor morra: falta de diálogo, medo de se entregar, desconfianças, ciúme excessivo, egoísmo exagerado, diferenças morais, religiosas ou até uma terceira pessoa – que já existia ou chegou depois… 
Mas a verdade é que nunca há somente um motivo.
Inconscientemente ou não, propositadamente ou não, o fato é que há sempre uma lição a ser aprendida, mesmo por aquele que está sofrendo, mesmo por aquele que não quer abrir mão do amor, independentemente de sua condição.
Então, a pergunta seria: por que manter uma relação que já não traz felicidade, que transforma cada dia numa batalha, que faz com que o outro se sinta pequeno, constrangido, decepcionado, angustiado e até sem vontade de viver?
Medo de começar de novo, sozinho, sem a muleta que lhe colocava no lugar de vítima? 
Medo de encarar a família, a sociedade e a sua própria consciência? 
Medo da solidão, da sensação de derrota, do vazio que inunda o coração? 
Medo do que mais? 
O que pode ser mais doloroso do que um amor pisoteado, abandonado, esquecido, destruído? 
O que pode doer mais do que a mentira, a indiferença, a ausência de corpo presente, a crítica constante, o desafeto, a traição (em todos os sentidos)?
Então, se você sente dentro de si um vazio que perturba, que dói, que faz com que tudo perca a graça e que tira a sua alegria de viver, eu sugiro: pare de tentar preencher esse vazio com qualquer coisa, com qualquer um, com um amor que já não tem mais condições de preencher nada… 
Olhe para esse cantinho frio e triste que existe dentro de você e convença-se de que para preenche-lo você precisa torná-lo atraente e saudável!
Aprenda com a dor. Cresça com o sofrimento. Evolua e se torne uma pessoa melhor toda vez que perceber um erro que cometeu, uma participação sua na destruição dessa relação. 
Essa é a missão de todo ser humano! Esse é o segredo do amor.
E assim, amadurecido, mais consciente e preenchido de um amor-próprio que até então você não conhecia, você estará se preparando para o novo, para um recomeço com muito mais chances de dar certo! 
E, quem sabe, até para reconquistar, de fato (com atitudes e um novo jeito de amar) a pessoa que foi embora…
Realmente não é fácil, mas é absolutamente possível. Por isso, ao invés de massacrar o seu coração insistindo num amor que já acabou, cultive a sua auto-estima, veja-se como merecedor de um grande amor e abra-se para uma nova oportunidade de amar, mais preparada e mais você!
Publicado em: amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s