SOU AQUELE A QUEM CHAMAIS DE JUDAS

foto ilustrativa

Irmãos e amigos, a paz do Nosso Senhor Jesus seja conosco!

Por muito tempo, permaneci oculto de mim mesmo, entregue ao remorso por uma ação menos digna contra Aquele que representa o Amor.
Por muito tempo, o próprio Mestre Jesus e Seus Emissários trabalharam pelo meu despertamento, nas regiões sombrias a que me lancei, com o gesto impensado do suicídio.
Sofri por não ter conseguido entender que só o amor liberta a criatura do atraso espiritual que foi levada a ele devido aos atos impensados de rebeldia às Leis de Deus. 
Não compreendi que o sofrimento da humanidade é apenas a consequência de suas ações, é a colheita da semeadura imprevidente.
Despertei do sono letárgico, sentindo-me inundado de Luz e de amor por aqueles que traí. Devia, eu mesmo, perdoar-me pela minha ignorância; e assim eu o fiz, para retomar o caminho abandonado.
Ainda hoje, os meus irmãos de humanidade me açoitam pelo erro, que julgam imperdoável; não importa, porque os seus chistes não mais me atingem, pois me reergui perante a Consciência Divina e trabalho nas Hostes da Luz, para que também o meu irmão de humanidade se erga frente às Leis de Deus. 

Mergulhados em tamanha ignorância, a humanidade fica a mercê dos Seres Trevosos, das Forças do Mal.
Se, um dia, entreguei-me ao equívoco de não compreender a verdadeira Missão de Jesus, não havia ódio nem qualquer outro sentimento inferior em meu coração; apenas a minha condição de ser humano limitado, imperfeito e ainda repleto de preconceitos, estigmas e dogmas antigos, que não me permitiram caminhar e evoluir como meus companheiros de jornada o fizeram.
Irmãos de humanidade! Atentai para vossa cegueira espiritual! 
A matéria transitória exige de cada um o esforço de auto burilamento, pois não há nenhuma Força Superior que poderá transformar aquele que não o deseja. 
É necessário que a Luz do arrependimento brilhe no coração empedernido pela ignorância, para que possa ser alçado acima da escuridão em que voluntariamente permanece.
Atentai para os ensinamentos de Jesus: perdoai os inimigos, amai ao próximo como a si mesmo!
Não há outro caminho de redenção que não seja Jesus. Ele, nosso Mestre, nosso Guia, o Médico de nossas almas, o único que poderá vos conduzir às claridades sublimes da Nova Terra que se avizinha.
Vinde irmãos, lutar no Exército do Cristo Jesus, cujas armas são o perdão, o amor e a fraternidade.
Abandonai as trincheiras da revolta!
Sede humildes, bondosos, fraternos e auxiliai o irmão de jornada para que juntos alcanceis a regeneração.
Que Deus nos abençoe e que ilumine a humanidade, fortalecendo as almas para o porvir de Luz, tornando-as capazes de enfrentar as tormentas com coragem, resignação e fé.
Salve, Jesus!

Sou aquele que chamais Judas. Pensai em mim como Irmão.

Salve, Jesus!


Judas Iscariotes
GESH – Vigília Abrigo Servos de Jesus – Vila Velha, ES – Brasil
Fonte: http://www.extraseintras.com.br/

A HUMANIDADE NÃO PERCEBE O PERIGO QUE A RONDA

Vidência – Vi o Exército do Abismo marchando a passos firmes para a superfície. Notei que, conforme marchava, do solo do abismo subia um pó negro que chegava à superfície terrena.
Caso não encontrasse uma barreira vibratória, esse pó era inalado e absorvido pelo corpo dos seres humanos, que passavam a desenvolver doenças de difícil tratamento no plano físico.
Em seguida, uma Extraterrena de Vênus endereçou-nos a seguinte mensagem:
Irmãs, a Luz vos envolve nas horas supremas de provação.
As forças telúricas negativas envolvem a humanidade, que vivendo na ignorância que acalma a consciência, não percebe o perigo que a ronda.
A camada de pó negro que sobe do Abismo, em decorrência das movimentações dos “exércitos das trevas” na preparação das batalhas, turva o brilho do Sol, que se esforça, mas não é capaz de queimar todos os miasmas que se disseminam no ar durante as manobras dos exércitos das Trevas.

Com isso, ocorre um aumento na variedade de doenças, as quais as indústrias farmacêuticas não conseguem debelar com a mesma rapidez com que surgem.

Porém, outra consequência da inalação pelo corpo astral dessa poeira que sobe do Abismo à superfície, é a cegueira espiritual crescente.

Essa poeira, por sua natureza sutil, atua na mente que não aplica a dose curativa do Evangelho no dia a dia.

Portanto, os comportamentos tresloucados e violentos dos homens crescem, à medida que diminuem a fé e a fraternidade entre os filhos de Deus.

Coragem, irmãs, filhas de Deus, pois as informações e os alertas que vos chegam são um fator a mais para somar aos compromissos que assumistes.

Sois sabedoras das lutas acerbas que enfrentaríeis nos combates às negatividades que vos envolveram em tantas quedas em outras existências.

Sede destemidas e fortes, irmãs.
A Luz vos conduz.
Ariadne

Extraterrestre de Vênus
Fonte: http://www.extraseintras.com.br/

http://despertardegaia.blogspot.com/

ONDE HÁ AUSÊNCIA DE AMOR, HÁ AUSÊNCIA DE LUZ

Queridos Irmãos!

A escuta de nossas orientações deve ser feita com os corações limpos, simples, corajosos e repletos de fé no Altíssimo.
Revelações nunca foram fáceis de serem transmitidas a humanidade presente ou passada, descrente, destituída de um mínimo de fé, para reconhecer o caos que habita ao seu redor.

Se fosse possível cada um enxergar a realidade do plano espiritual que envolve essa mesma humanidade, suplicaria ao PAI a aplicação das medidas extremas para solução e saneamento dos diversos planos de vida. 

Entretanto, quando nos aproximamos, trazendo-vos orientações, causamos dúvidas às vossas mentes e angústias aos vossos corações.

Na verdade não são nossas revelações e nós que dão origem a tais desconfortos; vossa pouca fé é que vos coloca em situação de difícil acesso a realidade espiritual e a verdade mais pura.

Por que é tão difícil para vós, humanidade terrena, enxergar a verdade que se acerca de vós?

Seria, de fato, necessário nossa presença para mostrar-vos, a todo instante, a ausência do amor?

Onde há ausência de amor, há ausência da Luz e se não há Luz o que há então?

Até quando será preciso dizer-vos o que ocorre, para que não duvideis de nossas palavras?

Até quando ficareis cegos diante das Verdades Superiores?
Quando, enfim, cada um de vós, filho do mesmo PAI, criaturas humanas fruto de longa evolução, levantarão vossos olhos para o Alto em busca de dias mais felizes, deixando para trás vossos hábitos primitivos, vossos sentimentos primários?
Se não vos estendermos as mãos, estacionam; e se as dirigimos em vossa direção como resultado de um ato sincero de amor, brotando em profusão de nossos corações, recusai-vos a acreditar em nossas palavras e igualmente estacionam.
Quando acordarão irmãos, quando despertarão deste sonho, desta ilusão em que jazem mergulhados todos vós? 

Quando deixarão para trás todas as vossas mesquinharias? 

Quando tudo estiver acontecendo com maior ou menor intensidade em todo o Mundo? 

Aí então, reconhecereis que estavam certas as profecias e que não deram ouvidos. Talvez, naquele momento, seja tarde para retornardes ao ponto de onde deveríeis ter reconhecido as previsões.

Refleti, todos vós, sobre estas palavras.

Tivestes convosco, há dois mil anos, um Ser de Suprema Beleza Espiritual, que espalhou a doce mensagem do Amor e do Amar uns aos outros, como o PAI vos amou; entretanto, o que disto empreendestes em vossa vida cotidiana?

Não espereis que o sofrimento vos bata à porta para, enfim, enxergardes o óbvio. Não espereis que o vizinho acredite, para que possais acreditar. Procurai reconhecer em vosso coração a veracidade dos acontecimentos presentes anunciando os acontecimentos futuros.
Refleti nessas palavras de aviso, de conforto e orientação que vos chegam, pois quando os acontecimentos desenrolarem o véu triste da dor sobre a Terra, então, neste momento será tarde demais para recuardes e tomar o tempo perdido.
Novo tempo se instalará de colheita da semeadura realizada. A loucura estará solta entre vós, não haverá sanidade entre os homens que, animalizados pela presença do Astro Higienizador, retornarão às posturas primitivas atacando-se uns aos outros, dilacerando-se se necessário for, não mais por motivo de natureza tradicional, como disputa de alimento, território ou companheira.
Seria necessário que os humanos retornassem a esse ponto?!
Não é por determinismo divino que o sofrimento há de temporariamente imperar sobre este Planeta e sim, por escolha dessa humanidade adormecida.
A escolha é vossa, irmão!
Recordai, através destas palavras, os caminhos que vindes percorrendo ao longo de vossas encarnações e percebei que já é hora de modificar vossas atitudes em favor da Luz, da Harmonia e da Paz neste Planeta.
Não penseis que o que ocorre entre vós, terrícolas, é de consciência restrita ao vosso Mundo. Todo o vosso Sistema Planetário é influenciado pela grossa camada de vibrações perniciosas que, dia após dia, envolve a Terra. Sois, como coletividade, responsáveis pelo efeito dessas emanações deletérias ao redor do vosso Sistema Solar. Estejais preparados para suportardes o efeito das quedas e dos desequilíbrios de vossos corpos emocionais.
Que possam tais palavras alcançarem o maior número de indivíduos e que saibam que estamos entre vós enviando nossas mensagens e orientações por este e outros Grupos de Trabalho.

A influência do Astro Higienizador já se faz sentir na crosta terrestre. Seu magnetismo inferior já influencia individualidades, cujas vibrações não alcançaram o mínimo desejado para serem elevadas acima da influência deste Astro. 

Tais seres estão abaixo da nossa capacidade de proteção e dessa forma encontram-se a mercê de suas próprias vibrações. Do mesmo modo, os seres a eles ligados estão igualmente sob a influência de suas vibrações negativas e inferiores.

É necessário, nessa fase, manterem-se distintamente em níveis vibratórios diferenciados. Aqueles que desejam a Luz devem esforçar-se para manter nível vibratório suficiente a fim de se tornarem imunes à influenciação do magnetismo inferior do Astro Higienizador.

Aqueles que na dúvida se encontram, experimentem manter-se em níveis vibratórios superiores para fazerem, de verdade, suas escolhas. Para os que não acreditam, convidamos a uma reflexão no sentido de descobrirem onde se encontram, em que faixa vibratória estão sintonizados.
Vossa medida são os valores cristãos, nem mais, nem menos.
Aquele que observar os Mandamentos da Lei de Deus, procurando agir de acordo com a Espiritualidade Maior e suas orientações, que observa o Amor ao seu próximo, encontra-se em conformidade com a Lei.
Aquele que só em si pensa deve buscar um sentido maior para sua vida, e esteja certo de que, com maior intensidade, o PAI que tudo pode, pensa nele.
Deixai de pensar tanto em vós mesmos.
Deixai esta tarefa ao encargo de Alguém, tão Superior. Procurai agir em favor do próximo. Servir como instrumento do PAI na modificação do destino do seu semelhante, interferindo positivamente, auxiliando, prestando o socorro necessário seja de ordem afetiva, psicológica ou material. Observância na prática da Caridade seja ela de que tipo for.
Esta consiste a 1ª Fase da Grande Seleção que já está ocorrendo entre vós embora muitos não percebam e sequer aceitem os acontecimentos.
Muito nos preocupa a incredulidade das pessoas, não porque queiramos que nos acreditem, mas porque, em nosso campo de trabalho, a preocupação maior é pelo sofrimento que cada um enfrentará.
O momento seguinte, 2ª fase, serão os três dias de escuridão (trevas) externa e que representarão para cada ser o retorno ao seu mundo interno para um confronto das Trevas com a Luz.

Enquanto o mundo externo estiver escurecido pela ação direta e indireta do próprio homem, ele também estará em contato com o seu mundo interior e verificará se este se encontra às escuras ou iluminado pelas ações caridosas e amorosas que acometeram seu espírito.

Muitos, nessa 2ª fase, não suportarão a realidade que terão de enfrentar e mergulhados nas trevas que enfeitam o egoísmo em que viveram, buscarão a morte, como tentativa de abreviar a dor lancinante da triste descoberta de si mesmos, envoltos na escuridão; porém, rapidamente, esta certeza de alívio será substituída por aflição, muitas vezes maior, e por uma escuridão muito mais perene, do que seria necessário.

Que a humildade possa estar presente em vossos corações no momento em que defrontardes vossas mazelas e vossa pouca Luz.
Que tenhais humildade suficiente para reconhecer as falhas e os erros cometidos, suplicando ao Alto, uma vez mais, nova oportunidade de progresso e estejais certos, onde estiverdes, ali ocorrerá a Luz e sereis resgatados por Ela.
Aqueles que conseguirem transpor este período já estarão adiantados no processo de seleção. Que sejais vós, nesse instante que escutais ou ledes estas palavras, espíritos beneficiados pelo esclarecimento, a ascender para mundos mais felizes, deixando para trás um passado de erros e equívocos.
A Misericórdia Divina vos alcançará onde quer que estiverdes mesmo que tenhais cometido quaisquer delitos.
Acreditai e confiai, pois a Misericórdia Divina, decorrente do Amor Infinito do PAI por todas as criaturas, é a força mais poderosa deste, de outros e de todos os Universos.

Só a força poderosa desse Amor Misericordioso é capaz de elevar-vos, resgatando-vos de vós mesmos, pois os resgates ocorrerão e nada mais representam do que vosso próprio resgate. 

Após este período o confronto entre as Trevas e a Luz irá se materializar na terra, no mundo físico.

Batalhas serão travadas entre os Grupos de Trabalho da Seara do Mestre Jesus e os vândalos em grupos, espalhados por locais, diferentes dos pontos de resgate, que estão sendo estabelecidos previamente. Para este momento deverão estar preparados, com tudo que for necessário para o socorro das almas, que através do sofrimento, façam jus a este atendimento. E assim mais uma vez, por meio da dor intensa, estejam sendo colocados em condições propícias, para nova oportunidade de escolha.

Muitos de vós, que agora me escutais ou que estão a ler estas palavras, necessitarão para nossa tristeza, sentir na pele, na matéria carnal, a dor e o sofrimento para que possais enfim entender o que estamos a vos dizer.
Respeitamos o momento de vossa humanidade. Respeitamos vosso momento. Que cada um faça a sua escolha conforme o que dita o seu coração.
É nossa tarefa que todos sejam informados dos acontecimentos.

Finalmente, após as fases onde a dor física e moral imperarão entre os homens, haverá o caos aparentemente total, quando até mesmo, aqueles mergulhados na Luz, pensarão que tudo está perdido. 

Naquele momento, nossas Naves Espaciais que estão em volta da Terra, com bilhões de tripulantes treinados, preparados debaixo de séria orientação das Hierarquias Espirituais Superiores, alçarão as almas que enfim tiverem conseguido elevar-se vibratoriamente; seja através da própria vontade, o que ocorreu ou está ocorrendo na 1ª fase, seja através do confronto com o seu mundo interior, o que ocorreu e ocorrerá na 2ª fase, seja através da dor física ou moral, que ocorreu e ocorrerá na 3ª fase.

Entendei queridos irmãos, nós não estamos a difundir o medo, o horror e o pânico. Qual adulto orientando criança desprevenida, apenas estamos a indicar-vos as consequências dos vossos atos pautados no egoísmo, orgulho, na falta de caridade e na ausência de Amor.
Tendes em vossas mãos o vosso destino; modifica-lo é tarefa vossa, auxiliar-vos é tarefa nossa e aqui estamos presentes entre vós para cumpri-la, sendo esta vossa vontade ou não, pois seguimos orientações muito superiores que possais sequer imaginar.
Que fiquem na Paz do Cristo Planetário e que ESTE possa envolver vosso Planeta nas vibrações do mais puro amor, tocando o coração de cada um de vós.
Povo da Terra! Despertai, abandonai vossos vícios e sejais puros e limpos de coração.

Eu vos saúdo em nome da GFBU (Grande Fraternidade Branca Universal).
Eu vos saúdo em nome do Mestre Jesus Sananda.

 
Mestres Ramatis – Kuthumi

OS 9 VÉUS COLOCADOS EM CADA ALMA HUMANA

Quase uma década atrás, antes da morte prematura de um querido amigo e colega meu chamado Don Harkins autor de uma peça maravilhosamente instigante intitulada “A escravidão e os Oito Véus” discutimos essa “teoria dos oito véus” por literalmente horas e no final, Don me pediu para escrever um artigo sobre isso para o seu jornal, ele fez isso, porque no “O Observador de Idaho” eu tinha compartilhado muito de minha pesquisa com Don, e juntos chegamos à conclusão de que na realidade, havia realmente NOVE véus colocados sobre a alma humana (ou seja, a inteligência), e que a progressão espiritual e, portanto, um pleno conhecimento da VERDADE exigiria a perfuração destes nove Véus.

Eu brinquei com Don que para este tema seria necessário uma edição inteira de “O Observador de Idaho”, e mesmo assim estaria apenas arranhando a superfície.

Esse foi um dos talentos editoriais do Don, pegando uma história complexa e comprimindo-a para um formato mais legível. Em memória à Don Harkins, aqui está o texto que discutimos, em um formato o mais comprimido possível.

Porque Nove Véus em Vez de Oito

Qualquer candidato dedicado a verdade em algum momento se depara com a simetria incrível e a estrutura da matemática, o que é especialmente verdadeiro na geometria fractal envolvendo os números inteiros de 1 a 9.

Para um exemplo mais básico, basta dar uma olhada nestas nove equações:

(1 x 8) + 1 = 9

(12 x 8) + 2 = 98

(123 x 8) 3 + = 987

(1234 x 8) + 4 = 9876

(12345 x 8) + 5 = 98765

(123456 x 8) + 6 = 987654

(1234567 x 8) + 7 = 9876543

(12345678 x 8) + 8 = 98765432

(123456789 x 8) + 9 = 987654321
Incrível, não é ? Acho que é muito interessante, além disso, todos os grandes filósofos da história, como Arquimedes, Copérnico, Sócrates e Leonardo Da Vinci eram matemáticos em primeiro lugar.

Sugerindo que tudo, desde a profecia bíblica das fitas de DNA são construídos com base em padrões e fórmulas matemáticas bastante simples, mas eu estou me adiantando a história, a compreensão do papel da matemática é em si mesmo um dos nove véus ocultos.

Considere também as chamadas “escolas de mistério” da antiguidade. Nos templos sombrios na Suméria e Babilônia, a Kabbalah mostrou o caminho para o “Santo dos Santos” final, as re-véu-la-ções (revelação, ou seja, a separação dos véus) da vida, da criação, de Deus, e quando abraçado na honra e na verdade das próprias origens do ser humano.

Isto envolve a perfuração de forma sistemática e abraçar os 9 níveis de compreensão ou “Platôs da Verdade” antes de finalmente entrar no “Nirvana” (ou a última unidade com Deus).

Como um tabuleiro gigante do quebra cabeça Sudoku, a experiência humana que chamamos de vida verdadeiramente gira em torno dos números 1 a 9 de maneiras notáveis. Tudo tem um lugar no sistema, tudo se encaixa perfeitamente e precisamente na grade eterna do tempo e do espaço.

Isto então é apenas uma definição da verdade, conhecimento arcano escondido que se encaixa completamente na grade da matemática chamada lógica. Yeshua (Jesus de Nazaré) declarou aos seus discípulos: “Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará”.

Por Que as Pessoas Não Conseguem Enxergar a Verdade ?

Esta questão é melhor respondida pelas palavras sábias de Don Harkins escritas em 2001:
“Ao longo dos últimos anos, tenho evoluído e descartado diversas teorias na tentativa de explicar porque a maioria das pessoas não consegue ver a verdade, mesmo quando elas estão cheirando-a em frente do seu rosto. Aqueles de nós que conseguem ver a “conspiração“, participaram de inúmeras conversas ou pesquisas que abordam a frustração da incapacidade da maioria dos povos compreenderem os argumentos extremamente bem documentados usados para descrever o processo da nossa escravidão e à exploração coletiva. A explicação mais comum a ser alcançada é que a maioria das pessoas apenas “Não querem ver” o que realmente está acontecendo. Homens e mulheres extremamente maus que compõem a chamada “elite no poder” têm habilmente cultivado um pasto virtual com uma grama verde onde poucas pessoas raramente, ou nunca, se deram ao trabalho de olhar para cima de onde eles estão pastando por um tempo suficiente para perceberem as etiquetas coloridas grampeadas nas suas orelhas. As mesmas pessoas que não conseguem ver sua escravidão ao pastarem o capim têm uma tendência de considerar como insanos os “teóricos da conspiração” aqueles de nós que conseguem ver o pasto da fazenda e a sala de estar no castelo feudal dos senhores das “ovelhas”.

Finalmente, Eu Entendo o Porquê.

Não é que eles não percebem que a sua liberdade está desaparecendo sob a liderança da elite no poder, eles “não conseguem ver”, eles simplesmente não podem ver o que está acontecendo com eles por causa dos véus não perfurados que bloqueiam a sua visão.
Todos os empreendimentos humanos são um processo de filtragem. O esporte é um dos melhores exemplos. Nós praticamos esportes específicos, desde o início no parque infantil. Os atletas profissionais que pagamos muito dinheiro para assistir apenas nunca foram expulsos do parque infantil.

Onde milhões de “crianças” brincam um pouco nos campeonatos a cada temporada, elas são filtradas até que restem poucas que vão para a série mundial.

Atrás do primeiro véu existem mais de 7 bilhões de pessoas no planeta. A maioria delas vive e morre sem ter contemplado a sério qualquer coisa que não seja o que for preciso para manter sua vida comum. Noventa por cento de toda a humanidade vai viver e morrer sem ter perfurado o primeiro véu“.
Na verdade, pode-se dizer que menos de 1% da população mundial de 7 bilhões de seres humanos perfurou todos os nove véus, e parece que mesmo esta pequena minoria é cada vez menor.

A fim de manter o “pasto virtual” verde, a elite global também suborna com sucesso muitos que perfuraram vários véus, a fim de desviar os outros que podem estar se aproximando da verdade em muitas áreas.

Eu chamo isso simplesmente de prostituição intelectual, vender o direito de primogenitura da Verdade Universal por um prato de caldo inútil. O brilho dourado da riqueza, fama e elevação social têm seduzido muitos intelectuais talentosos.

Com todo o crédito dado a Don Harkins, aqui estão agora os recém-atualizados “Nove Véus”.
O primeiro véu: Dez por cento vai perfurar o primeiro véu e encontrar o mundo da política. Vamos votar, nos tornar ativos e elaborar um parecer. Nossas opiniões serão moldadas pelo mundo físico que nos rodeia, vamos estar “condicionados” pelos nossos dias no ensino de educacional “emburrecedor” aceitando que os funcionários do governo, personalidades da mídia e outros “especialistas” são as vozes principais de autoridade. Noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem ter perfurado o terceiro véu.
O segundo véu: Dez por cento também vai perfurar o segundo véu para explorar o mundo da história, a relação entre o homem e o governo e o sentido do auto-governo através do direito comum e constitucional. Noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem ter perfurado o terceiro véu.
O terceiro véu: Dez por cento dos que perfuraram o segundo véu, acabarão por perfurar o terceiro véu para descobrir conclusivamente que os recursos do mundo, incluindo as pessoas, são controlados por famílias extremamente ricas e poderosas cujos bens foram roubados já no velho mundo, com modernas estratégias de extorsão, tornando-se o alicerce sobre o qual toda a economia mundial está endividada. Noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem ter perfurado o quarto véu.
O quarto véu: Dez por cento vão perfurar o quarto véu para descobrir os illuminati/cabala, a maçonaria e outras sociedades secretas. Essas sociedades usam símbolos e realizam cerimônias que perpetuam a transferência de conhecimentos arcanos entre as gerações que são usados para manter as pessoas comuns em cativeiro político, econômico e espiritual para as linhagens mais antigas da Terra. Noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem ter perfurado o quinto véu.
O quinto véu: Dez por cento vai progredir para perfurar o quinto véu e descobrir que as sociedades secretas são tão avançada tecnologicamente que fazem viagens no tempo, utilizam comunicação interestelar sem fronteiras, controlam até mesmo os pensamentos e as ações das pessoas, o que seus membros fazem é a mesma coisa quando nós dizemos a nossos filhos para eles irem para a cama. Desde os tempos de Noé esta tecnologia ainda está criando formas de vida sintéticas, com o homem tentando imitar Deus. Noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem ter perfurado o sexto véu.
O sexto véu: Dez por cento vão progredir para perfurar o sexto véu onde aprendemos que os dragões, lagartos e alienígenas negativos que pensávamos serem monstros de ficção da literatura infantil de fato são reais, na realidade são as verdadeiras forças controladoras por trás das sociedades secretas descobertas no quarto véu. Noventa por cento das pessoas deste grupo vai viver e morrer sem perfurar o sétimo véu.
O sétimo véu: Dez Por Cento vão progredir para perfurar o sétimo véu, onde o incrível mundo da geometria fractal e da lei universal dos números será plenamente compreendido e abraçado. A força criativa do Universo inteiro será mostrada que é ligada a fórmulas numéricas de código e sequências, todos os “mistérios”, incluindo o próprio tecido do espaço tempo, Uiversos paralelos e acesso a ele é desbloqueado. Aqueles cujos intelectos lhes permitem perfurar o sétimo véu muitas vezes sucumbem à sedução e promessa de uma enorme riqueza oferecida pela elite dominante, e, portanto, mais de noventa por cento das pessoas deste grupo vão viver e morrer sem perfurar o oitavo véu.
O oitavo véu: Perfurar o oitavo véu revela Deus e a energia pura conhecida como AMOR, que é a força da vida em todos os seres vivos, que são UMA e a MESMA coisa. Humildade profundamente arraigada é necessária, a fim de romper para sempre este véu.
O nono véu: Perfurar o nono véu é a maneira de aperfeiçoar a energia pura conhecida como AMOR e tornar-se assim verdadeiramente UM com Deus e as formulações dele/dela. Aperfeiçoar essa energia pura é abraçar totalmente a caridade e nela adquirir conhecimento integral do plano universal de sacrifício, morte e redenção, a própria vida torna-se então perfeita e surge um círculo verdadeiramente completo, olhando o mundo através dos olhos de uma criança inocente, mas com a mais profunda sabedoria que nasce do amor puro a partir do oitavo véu.
Considere o seguinte: 

Se essa teoria estiver correta, existem apenas cerca de 60.000 pessoas no planeta que perfuraram com sucesso o sexto véu. A ironia aqui é muito grande, aqueles que estão presos entre os véus de um a cinco têm pouca escolha, mas as pessoas que perfuraram os véus além deles são consideradas perigosamente insanas.

Com cada véu perfurado, números exponencialmente reduzidos de pessoas cada vez mais esclarecidas são consideradas insanas por aumentar exponencialmente a massa de pessoas menos esclarecidas.

Somando-se a esta ironia, o mais difícil a partir do “sexto véu” é tentar explicar o que ele é capaz de ver para aqueles que não conseguem ver, por mais insano que ele pareça para os outros. Esta verdade é auto evidente.

Além disso, instituições como a venerável “Southern Poverty Law Center” são formadas e financiadas pela elite dominante para rotular efetivamente muitos destes indivíduos despertos como “negociantes do ódio” e “terroristas”.

Nosso Inimigo, O Estado

Atrás dos dois primeiros véus encontramos a grande maioria das pessoas no planeta. Elas são ferramentas do estado. Até o segundo véu são os eleitores ingênuos cuja ignorância justifica e aceita as ações dos políticos que enviam milhões de pessoas que estão nos primeiros véus para morrer em terras estrangeiras como bucha de canhão, sua existência na vida são simplesmente para acreditar que as maquinações de auto-serviço da elite no poder são questões de segurança nacional pela qual vale a pena morrer.
Terceiro, quarto, quinto e sexto véus aumentam cada vez mais a responsabilidade para o estado devido à sua capacidade reduzida de serem utilizados como ferramentas para consolidar o poder e a riqueza de muitos nas mãos de poucos da elite no poder.

É comum também, estas pessoas sacrificarem mais de seus relacionamentos com amigos e familiares, suas carreiras profissionais e liberdade pessoal a cada véu que perfuram.

Albert Jay Nock (1870-1945), autor de “Nosso inimigo, o Estado” (1935), explicou o que acontece com aqueles que encontram e abraçam os dois véus finais: “O que foi que o estado fez quando encontrou Sócrates e Jesus quando eles apareceram ? Simplesmente envenenou um e crucificou o outro, sem razão, porque eles eram insuportavelmente embaraçosos para a elite dominante”.
Conclusões
Como Don Harkins escreveu: “Agora sabemos que a maioria das pessoas é tão comprometida com suas vidas que “elas não querem ver” os mecanismos de sua escravidão e exploração. Elas simplesmente “não podem vê-los”, tão certo como eu não posso ver as notícias do outro lado de uma cortina fechada”.
O objetivo deste ensaio é triplo:

1. Ajudar as pessoas nos últimos véus a entenderem por que as massas têm pouca escolha e porque eles interpretam a sua clareza como insanidade.

2. Ajudar as pessoas por trás dos dois primeiros véus a entender que respiração e pensamento são apenas o começo da vida e:

3. Mostrar às pessoas que a maior aventura da nossa vida está por trás do próximo véu porque ele é um véu a menos entre nós e Deus também conhecido como ‘A vibração superior”.
©A. True Ott, PhD
Fonte: http://in5d.com/the-9-veils-placed-on-every-human-soul/
Tradução: http://portal2013br.wordpress.com
… 

OBSESSÃO

Entendendo a Obsessão – Abordagem Espiritismo
Em todos os locais do planeta existem espíritos: em nossa casa, no trabalho, nos locais de lazer, nos bares, boates, restaurantes, cinema, teatro, templos religiosos de qualquer religião ou filosofia, ou seja, não existe um local onde você esteja que não seja acessível aos espíritos.

Engane-se tremendamente aquele que imagina o centro espírita ou templo de Umbanda como único lugar onde encontram-se espíritos.

A influência positiva (espíritos amigos) ou negativa (espíritos inferiores) dependerá da sua sintonia, por isso o conhecimento sobre a obsessão não é somente para quem se encontra obsediado, mas para todos aqueles que desejam viver de forma harmoniosa e evitar a presença ou ligação espiritual com esses irmãos que ainda não encontraram a paz após o desencarne.

Eles, como todos nós, também retornaram aos braços do Pai, como nos informa a parábola do mestre sobre o Filho Pródigo.

Os únicos locais onde existe restrição para a entrada de espíritos são aqueles onde existe a prece sincera, a leitura edificante, a solidariedade ao próximo, pois eles são protegidos pela própria emanação espiritual desses atos, tornando o ambiente incomodo e às vezes inacessível aos irmãos em desequilíbrio. 

Em um centro espírita sério ou templo de outra filosofia /religião os espíritos protetores erguem barreiras magnéticas que impedem a passagem dos espíritos brincalhões ou obsessores, já que eles poderiam comprometer o trabalho espiritual.

Mas a proteção espiritual dos espíritos elevados dependerá do tipo de trabalho realizado, seus objetivos e a sintonia do grupo responsável pelas atividades.

Um local onde existe cobrança pela ajuda espiritual e sacrifício de animais será freqüentado por espíritos de baixa elevação, podem até ter boa intenção (nem sempre isso acontece, a maioria das vezes são espíritos interesseiros), mas ainda não possuem a elevação necessária para o trabalho anônimo e sacrificial em favor dos encarnados. 

Os espíritos que já possuem um pequeno grau de elevação não aceitam esse tipo de trabalho espiritual, não suportam a emanação das energias degradantes advindas do sofrimento dos animais sacrificados e de forma alguma aceitam como seus pupilos médiuns que recebem pelo atendimento espiritual.

Os mentores espirituais são misericordiosos e compreendem as dificuldades dos seus irmãos encarnados que ainda estão em evolução, contudo, a mediunidade mercenária e a morte de outro ser vivo não são admitidas em hipótese alguma.

Agora que você conhece um pouco mais sobre a presença dos espíritos em nosso planeta poderá perceber que a freqüência em sua residência será de amigos espirituais que a ajudam e protegem o ambiente contra os espíritos inferiores ou uma congregação de desordeiros desequilibrados, tudo vai depender da sua sintonia, dos seus atos, dos pensamentos, das emoções e dos ambientes que freqüenta.
Compreender a integração e convivência dos encarnados e desencarnados é uma ferramenta importantíssima para aquele que deseja viver em paz e harmonia.

Os diversos graus de evolução dos espíritos encarnados e desencarnados também devem ser conhecidos (a escala vale para encarnados e desencarnados). Para maiores informações leia O Livro dos Espíritos, escala espírita e progresso dos espíritos.

Os espíritos chamados de inferiores, imperfeitos, ignorantes ou impuros (você encontrará diferentes títulos em livros e palestras) concentram aqueles que possuem inclinação para o mal, levianos, perturbadores e neutros (influenciáveis).

Embora possuam “diferentes graus de “maldade”, todos podem de alguma forma atuar em prejuízo ao nosso equilíbrio físico-emocional-espiritual, tornando-se então obsessores e vampirizadores de nossas energias vitais.

Os espíritos mais inclinados ao mal, chamados por Allan Kardec de impuros, geralmente atuam em grupo e são os mais perigosos, pois conhecem a obsessão e a realizam com o objetivo de prejudicar o encarnado. Possuem equipes especializadas e trabalham com o objetivo de aumentar o domínio sobre o obsediado.

Iniciam o processo de forma suave para não serem notados e quando obsediado não estranha mais a influencia do desencarnado transformam-na gradualmente na sua expressão mais complexa para depois entrar na fascinação e finalmente subjugar completamente o obsediado.

Esses grupos de obsessores possuem objetivos bem definidos quando escolhem suas vítimas, sendo geralmente reencarnações de espíritos que foram seus parceiros e hoje tentam renovar-se, inimigos do passado que o prejudicaram e que eles desejam punir, médiuns que poderiam ajudar o próximo e comprometer as atividades de obsessão e até pessoas que estão comprometidas com erros na atual encarnação (alguns grupos de obsessores acham-se “justiceiros” da espiritualidade, esse assunto é abordado com profundidade no livro Libertação, psicografado por Chico Xavier, pelo espírito André Luiz).

Os espíritos levianos e perturbadores aproximam-se geralmente por afinidade, são os dependentes químicos, alcoólicos, fumantes inveterados, pervertidos sexuais ou desencarnados que desejam intrometer-se na sua vida simplesmente porque não possuem outra atividade mais interessante para realizar e ainda não conseguiram desligar-se dos vícios que possuíam quando encarnados.

Esse tipo de obsessão acontece pela total falta de vigilância do encarnado, já que os obsessores encontram portas abertas pela completa falta de consciência e vigilância espiritual.

Os espíritos neutros são geralmente aqueles que desencarnaram e ainda estão fortemente ligados as coisas da terra: familiares, cônjuges, amigos, trabalho, bens materiais, poder, etc são geralmente os principais motivos do apego.

Podem ser influenciados de forma muito negativa pelo meio que se encontram ou por espíritos maldosos do astral inferior.

A sua presença no ambiente é nociva, atraindo desequilíbrios emocionais ou espirituais para o ambiente em que vivemos, influenciando de forma negativa nossas vidas, gerando situações desagradáveis, controvérsias e irritando as pessoas que residem, trabalham ou convivem no local.

Essas situações podem ser geradas de forma consciente ou inconsciente, tudo vai depender da situação que o espírito se encontra.

A prece diária, evangelho no lar, leitura edificante, relaxamento ao acordar e a freqüência a locais espiritualmente saudáveis são ferramentas importantíssimas para não entrar em sintonia com o astral inferior. 

Embora pareça sacrificante em alguns momentos, a rotina espiritual de oração, leitura edificante e evangelho semanal no lar revitalizam o seu espírito, ajudando-o gradualmente na recuperação da paz e harmonia.

Uma noite bem dormida, um sorriso descontraído, momentos em que olhamos para o céu e sentimos a paz transbordar de nosso coração… Tudo isso não tem preço e vale qualquer esforço de nossa parte para concretizá-lo.

Por esse motivo persiste, mesmo que tudo pareça caminhar em sentido inverso.
Continua a orar, mesmo quando se imagina abandonado de toda misericórdia.
Leia o evangelho mesmo que o seu dia tenha sido extenuante e parecer que não tenha mais forças.
Levanta 10 minutos mais cedo, mesmo que tenha trabalhado até tarde no dia anterior e faça o seu relaxamento buscando a Jesus, seu amparo e carinho.
Persiste mesmo quando tudo e todos estejam contra você, porque durante o caminho aprenderá o que não se encontra nos livros…
Descobrirá finalmente a esperança nas tuas lágrimas e a fé inabalável edificará a fortaleza que protegerá sua alma contra as investidas do mundo inferior que reside dentro de você mesmo.
A partir desse momento a felicidade inundará o seu coração, a paz espiritual que seu espírito anseia se apresentará como recompensa por tanta luta interior,

10 DOENÇAS ESPIRITUALMENTE TRANSMISSÍVEIS


As seguintes 10 categorizações não se destinam a ser definitivas, mas são oferecidos como uma ferramenta para se tornar consciente de algumas das doenças mais comuns transmitidas espiritualmente.
1. A Espiritualidade Fast-Food:

Misture a espiritualidade com uma cultura que celebra a velocidade, a multitarefa e gratificação instantânea e o resultado é provável que seja a espiritualidade fast-food.

A espiritualidade fast-food é um produto da fantasia comum e compreensível que o alívio do sofrimento da nossa condição humana pode ser rápida e fácil.

Uma coisa é certa, porém: a transformação espiritual não pode ser obtida em uma solução rápida.
2. Falsa Espiritualidade:

A espiritualidade do falso é a tendência de falar, vestir e agir como se imagina que uma pessoa espiritual seja.

É uma espécie de imitação da espiritualidade que imita a realização espiritual da maneira que o tecido estampado de pele de onça imita a pele genuína de uma onça.
3. Motivações Confusas:

Embora o nosso desejo de crescer seja genuíno e puro, muitas vezes ele se confunde com motivações menores, incluindo o desejo de ser amado, o desejo de pertencer, a necessidade de preencher nosso vazio interno, a crença de que o caminho espiritual removerá o nosso sofrimento e ambição espiritual, o desejo de ser especial, de ser melhor do que, para ser “o único”.
4. Identificando-se com Experiências Espirituais:

Nesta doença, o ego se identifica com a nossa experiência espiritual e a toma como sua própria, e nós começamos a acreditar que estamos incorporando insights e idéias que surgiram dentro de nós em determinados momentos.

Na maioria dos casos,isso não dura indefinidamente, embora tenda a perdurar por longos períodos de tempo para aqueles que se julgam iluminados e/ou que trabalham como professores espirituais.
5. O Ego Espiritualizado:

Essa doença ocorre quando a própria estrutura da personalidade egóica se torna profundamente integrada com conceitos espirituais e idéias.

O resultado é uma estrutura egóica, que é “à prova de bala.” Quando o ego se torna espiritualizado, somos invulneráveis a ajudar, uma nova entrada, ou comentários construtivos.

Nos tornamos seres humanos e impenetráveis e estamos tolhidos em nosso crescimento espiritual, tudo em nome da espiritualidade.
6. Produção em Massa de Professores Espirituais:

Há uma série de atuais tradições espirituais da moda , que produzem pessoas que acreditam estar em um nível de iluminação espiritual, ou mestria, que está muito além de seu nível real.

Esta doença funciona como uma correia transportadora espiritual: coloca este brilho, leva àquele insight, e – bam!

Você está iluminado e pronto para iluminar os outros de maneira similar.

O problema não é aquilo que tais professores ensinam, mas que representam a si próprios como tendo realizado a mestria espiritual .
7. Orgulho Espiritual:

O orgulho espiritual surge quando o profissional, através de anos de esforço trabalhado efetivamente alcançou um certo nível de sabedoria e que usa esse conhecimento para se desligar a novas experiências.

Um sentimento de “superioridade espiritual” é outro sintoma desta doença transmitida espiritualmente.

Ela se manifesta como uma sensação sutil de que “Eu sou melhor, mais sábio e acima dos outros porque sou espiritual”.
8. Mente de Grupo:

Também conhecido como o pensamento grupal, mentalidade de culto ou doença ashram.
A mente de grupo é um vírus insidioso que contém muitos elementos tradicionais da co-dependência.

Um grupo espiritual faz acordos sutis e inconscientes sobre as formas corretas de pensar, falar, vestir e agir.
Indivíduos e grupos infectados com o “espírito de grupo” rejeitam indivíduos, atitudes e circunstâncias que não estão em conformidade com as regras, muitas vezes não escritas do grupo.
9. O Complexo de Povo Escolhido:

O complexo de pessoas escolhidas não se limita aos judeus. É a crença de que “O nosso grupo é mais poderoso, iluminado e evoluído espiritualmente, e simplesmente colocado, melhor do que qualquer outro grupo.”

Há uma distinção importante entre o reconhecimento de que alguém encontrou o caminho certo, p professor, ou comunidade para si, e tendo encontrado aquele, O Único.
10. O Vírus Mortal:

“Eu Cheguei”: Esta doença é tão potente que tem a capacidade de ser terminal e mortal para a nossa evolução espiritual.

Esta é a crença de que “Eu cheguei” na meta final do caminho espiritual. Nosso progresso espiritual termina no ponto em que essa crença se cristalizou em nossa psique, no momento em que começamos a acreditar que chegamos ao fim do caminho, um maior crescimento cessa.
“A essência do amor é a percepção”, de acordo com os ensinamentos de Marc Gafni.

“Portanto, a essência do amor próprio é a auto percepção Você só pode se apaixonar por alguém que você pode ver claramente ?

Incluindo a si mesmo.
Amar é ter olhos para ver.
É só quando você se vê claramente que você pode começar a se amar.”
É no espírito dos ensinamentos de Marc que eu acredito que uma parte crítica do discernimento da aprendizagem no caminho espiritual é a descoberta da doença generalizada do ego e auto-engano que está em todos nós.

Ou seja, é quando precisamos de um senso de humor e do apoio de amigos espirituais reais. À medida que enfrentamos nossos obstáculos para o crescimento espiritual, há momentos em que é fácil cair em um sentimento de desespero e auto diminuição e perder nossa confiança no caminho. Precisamos manter a fé em nós mesmos e nos outros, a fim de realmente fazer a diferença neste mundo.
Por Mariana Caplan, Ph.D.

Adaptado de Eyes Wide Open (Olhos Bem Abertos): Cultivando o Discernimento no Caminho Espiritual (True Sounds)

Tradução: Silvia Tognato Magini

http://despertardegaia.blogspot.com/

HAVERÁ FALSOS CRISTOS E FALSOS PROFETAS – Referência Bíblica

Conhece-se a árvore pelo fruto

1. A árvore que produz maus frutos não é boa e a árvore que produz bons frutos não é má; – porquanto, cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto. Não se colhem figos nos espinheiros, nem cachos de uvas nas sarças. – O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira-as más do mau tesouro do seu coração; porquanto, a boca fala do de que está cheio o coração. (S. LUCAS, cap. VI, vv. 43 a 45.)
2. Guardai-vos dos falsos profetas que vêm ter convosco cobertos de peles de ovelha e que por dentro são lobos rapaces. – Conhecê-lo-eis pelos seus frutos. Podem colher-se uvas nos espinheiros ou figos nas sarças? – Assim, toda árvore boa produz bons frutos e toda árvore má produz maus frutos. – Uma árvore boa não pode produzir frutos maus e uma árvore má não pode produzir frutos bons. – Toda árvore que não produz bons frutos será cortada e lançada ao fogo. – Conhecê-la-eis, pois, pelos seus frutos. (S. MATEUS, cap. VII, vv. 15 a 20.)
3. Tende cuidado para que alguém não vos seduza; – porque muitos virão em meu nome, dizendo: “Eu sou o Cristo”, e seduzirão a muitos.
Levantar-se-ão muitos falsos profetas que seduzirão a muitas pessoas; – e porque abundará a iniqüidade, a caridade de muitos esfriará. – Mas aquele que perseverar até o fim se salvará.
Então, se alguém vos disser: O Cristo está aqui, ou está ali, não acrediteis absolutamente; – porquanto falsos Cristos e falsos profetas se levantarão que farão grandes prodígios e coisas de espantar, ao ponto de seduzirem, se fosse possível, os próprios escolhidos. (S. MATEUS, cap. XXIV, vv. 4, 5, 11 a 13, 23, e 24; S. MARCOS, cap. XIII, vv. 5, 6, 21 e 22.)
Missão dos profetas
4. Atribui-se comumente aos profetas o dom de adivinhar o futuro, de sorte que as palavras profecia e predição se tornaram sinônimas. No sentido evangélico, o vocábulo profeta tem mais extensa significação. Diz-se de todo enviado de Deus com a missão de instruir os homens e de lhes revelar as coisas ocultas e os mistérios da vida espiritual. Pode, pois, um homem ser profeta, sem fazer predições. Aquela era a idéia dos judeus, ao tempo de Jesus. Daí vem que, quando o levaram à presença do sumo-sacerdote Caifás, os escribas e os anciães, reunidos, lhe cuspiram no rosto, lhe deram socos e bofetadas, dizendo: “Cristo, profetiza para nós e dize quem foi que te bateu.” 

Entretanto, deu-se o caso de haver profetas que tiveram a presciência do futura, quer por intuição, quer por providencial revelação, a fim de transmitirem avisos aos homens. Tendo-se realizado os acontecimentos preditos, o dom de predizer o futuro foi considerado como um dos atributos da qualidade de profeta.

Prodígios dos falsos profetas

5. “Levantar-se-ão falsos Cristos e falsos profetas, que farão grandes prodígios e coisas de espantar, a ponto de seduzirem os próprios escolhidos.” Estas palavras dão o verdadeiro sentido do termo prodígio.

Na acepção teológica, os prodígios e os milagres são fenômenos excepcionais, fora das leis da Natureza.

Sendo estas, exclusivamente, obra de Deus, pode ele, sem dúvida, derrogá-las, se lhe apraz; o simples bom senso, porém, diz que não é possível haja ele dado a seres inferiores e perversos um poder igual ao seu, nem, ainda menos, o direito de desfazer o que ele tenha feito. Semelhante princípio não no pode Jesus ter consagrado.

Se, portanto, de acordo com o sentido que se atribui a essas palavras, o Espírito do mal tem o poder de fazer prodígios tais que os próprios escolhidos se deixem enganar, o resultado seria que, podendo fazer o que Deus faz, os prodígios e os milagres não são privilégio exclusivo dos enviados de Deus e nada provam, pois que nada distingue os milagres dos santos dos milagres do demônio. Necessário, então, se torna procurar um sentido mais racional para aquelas palavras.

Para o vulgo ignorante, todo fenômeno cuja causa é desconhecida passa por sobrenatural, maravilhoso e miraculoso; uma vez encontrada a causa, reconhece-se que o fenômeno, por muito extraordinário que pareça, mais não é do que aplicação de urna lei da Natureza. 

Assim, o círculo dos fatos sobrenaturais se restringe à medida que o da Ciência se alarga.

Em todos os tempos, homens houve que exploraram, em proveito de suas ambições, de seus interesses e do seu anseio de dominação, certos conhecimentos que possuíam, a fim de alcançarem o prestígio de um pseudopoder sobre-humano, ou de Lima pretendida missão divina.

São esses os falsos Cristos e falsos profetas. A difusão das luzes lhes aniquila o crédito, donde resulta que o número deles diminui à proporção que os homens se esclarecem. O fato de operar o que certas pessoas consideram prodígios não constitui, pois, sinal de uma missão divina, visto que pode resultar de conhecimento cuja aquisição está ao alcance de qualquer um, ou de faculdades orgânicas especiais, que o mais indigno não se acha inibido de possuir, tanto quanto o mais digno. O verdadeiro profeta se reconhece por mais sérios caracteres e exclusivamente morais.

Não creais em todos os Espíritos

6. Meus bem-amados, não creais em qualquer Espírito; experimentai se os Espíritos são de Deus, porquanto muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (S. JOÃO, Epístola 1ª, cap. IV, v. 1.)
7. Os fenômenos espíritas, longe de abonarem os falsos Cristos e os falsos profetas, como a algumas pessoas apraz dizer, golpe mortal desferem neles.

Não peçais ao Espiritismo prodígios, nem milagres, porquanto ele formalmente declara que os não opera. Do mesmo modo que a Física, a Química, a Astronomia, a Geologia revelaram as leis do inundo material, ele revela outras leis desconhecidas, as que regem as relações do mundo corpóreo com o mundo espiritual, leis que, tanto quanto aquelas outras da Ciência, são leis da Natureza.

Facultando a explicação de certa ordem de fenômenos incompreendidos até o presente, ele destrói o que ainda restava do domínio do maravilhoso.

Quem, portanto, se sentisse tentado a lhe explorar em proveito próprio os fenômenos, fazendo-se passar por messias de Deus, não conseguiria abusar por muito tempo da credulidade alheia e seria logo desmascarado. Aliás, como já se tem dito, tais fenômenos, por si sós, nada provam: a missão se prova por efeitos morais, o que não é dado a qualquer um produzir. Esse um dos resultados do desenvolvimento da ciência espírita; pesquisando a causa de certos fenômenos, de sobre muitos mistérios levanta ela o véu. Só os que preferem a obscuridade à luz, têm interesse em combatê-la; mas, a verdade é como o Sol: dissipa os mais densos nevoeiros.



O Espiritismo revela outra categoria bem mais perigosa de falsos Cristos e de falsos profetas, que se encontram, não entre os homens, mas entre os desencarnados: a dos Espíritos enganadores, hipócritas, orgulhosos e pseudo-sábios, que passaram da Terra para a erraticidade e tomam nomes venerados para, sob a máscara de que se cobrem, facilitarem a aceitação das mais singulares e absurdas idéias. 

Antes que se conhecessem as relações mediúnicas, eles atuavam de maneira menos ostensiva, pela inspiração, pela mediunidade inconsciente, audiente ou falante. É considerável o número dos que, em diversas épocas, mas, sobretudo, nestes últimos tempos, se hão apresentado como alguns dos antigos profetas, como o Cristo, como Maria, sua mãe, e até como Deus.

S. João adverte contra eles os homens, dizendo: “Meus bem-amados, não acrediteis em todo Espírito; mas, experimentai se os Espíritos são de Deus, porquanto muitos falsos profetas se tem levantado no mundo.”

O Espiritismo nos faculta os meios de experimentá-los, apontando os caracteres pelos quais se reconhecem os bons Espíritos, caracteres sempre morais, nunca materiais (1). É a maneira de se distinguirem dos maus os bons Espíritos que, principalmente, podem aplicar-se estas palavras de Jesus: “Pelo fruto é que se reconhece a qualidade da árvore; uma árvore boa não pode produzir maus frutos, e uma árvore má não os pode produzir bons.” Julgam-se os Espíritos pela qualidade de suas obras, como uma árvore pela qualidade dos seus frutos.

(1) Ver, sobre a maneira de se distinguirem os Espíritos: O Livro dos Médiuns, 2ª Parte, cap. XXIV e seguintes.
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

Os falsos profetas

8. Se vos disserem: “O Cristo está aqui”, não vades; ao contrário, tende-vos em guarda, porquanto numerosos serão os falsos profetas. Não vedes que as folhas da figueira começam a branquear; não vedes os seus múltiplos rebentos aguardando a época da floração; e não vos disse o Cristo: Conhece-se a árvore pelo fruto? Se, pois, são amargos os frutos, já sabeis que má é a árvore; se, porém, são doces e saudáveis, direis: “Nada que seja puro pode provir de fonte má.”
É assim, meus irmãos, que deveis julgar; são as obras que deveis examinar. Se os que se dizem investidos de poder divino revelam sinais de uma missão de natureza elevada, isto é, se possuem no mais alto grau as virtudes cristãs e eternas: a caridade, o amor, a indulgência, a bondade que concilia os corações; se, em apoio das palavras, apresentam os atos, podereis então dizer: Estes são realmente enviados de Deus.
Desconfiai, porém, das palavras melífluas, desconfiai dos escribas e dos fariseus que oram nas praças públicas, vestidos de longas túnicas. Desconfiai dos que pretendem ter o monopólio da verdade!

Não, não, o Cristo não está entre esses, porquanto os que ele envia para propagar a sua santa doutrina e regenerar o seu povo serão, acima de tudo, seguindo-lhe o exemplo, brandos e humildes de coração; os que hajam, com os exemplos e conselhos que prodigalizem, de salvar a humanidade, que corre para a perdição e pervaga por caminhos tortuosos, serão essencialmente modestos e humildes.

De tudo o que revele um átomo de orgulho, fugi, como de uma lepra contagiosa, que corrompe tudo em que toca.

Lembrai-vos de que cada criatura traz na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade.

Ide, portanto, meus filhos bem-amados, caminhai sem tergiversações, sem pensamentos ocultos, na rota bendita que tomastes.

Ide, ide sempre, sem temor; afastai, cuidadosamente, tudo o que vos possa entravar a marcha para o objetivo eterno. Viajores, só por pouco tempo mais estareis nas trevas e nas dores da provação, se abrirdes o vosso coração a essa suave doutrina que vos vem revelar as leis eternas e satisfazer a todas as aspirações de vossa alma acerca do desconhecido.

Já podeis dar corpo a esses silfos ligeiros que vedes passar nos vossos sonhos e que, efêmeros, apenas vos encantavam o espírito, sem coisa alguma dizerem ao vosso coração. Agora, meus amados, a morte desapareceu, dando lugar ao anjo radioso que conheceis, o anjo do novo encontro e da reunião! Agora, vós que bem desempenhado haveis a tarefa que o Criador confia às suas criaturas, nada mais tendes de temer da sua justiça, pois ele é pai e perdoa sempre aos filhos transviados que clamam por misericórdia. Continuai, portanto, avançai incessantemente. Seja vossa divisa a do progresso, do progresso contínuo em todas as coisas, até que, finalmente, chegueis ao termo feliz da jornada, onde vos esperam todos os que vos precederam. – Luís. (Bordéus, 1861.)

Caracteres de verdadeiro profeta

9. Desconfiai dos falsos profetas. É útil em todos os tempos essa recomendação, mas, sobretudo, nos momentos de transição em que, como no atual, se elabora uma transformação da Humanidade, porque, então, uma multidão de ambiciosos e intrigantes se arvoram em reformadores e messias. E contra esses impostores que se deve estar em guarda, correndo a todo homem honesto o dever de os desmascarar. Perguntareis, sem dúvida, como reconhecê-los. Aqui tendes o que os assinala:
Somente a um hábil general, capaz de o dirigir, se confia o comando de um exército. Julgais que Deus seja menos prudente do que os homens? Ficai certos de que só confia missões importantes aos que ele sabe capazes de as cumprir, porquanto as grandes missões são fardos pesados que esmagariam o homem carente de forças para carregá-los. Em todas as coisas, o mestre há de sempre saber mais do que o discípulo; para fazer que a Humanidade avance moralmente e intelectualmente, são precisos homens superiores em inteligência e em moralidade. Por isso, para essas missões são sempre escolhidos Espíritos já adiantados, que fizeram suas provas noutras existências, visto que, se não fossem superiores ao meio em que têm da atuar, nula lhes resultaria a ação.

Isto posto, haveis de concluir que o verdadeiro missionário de Deus tem de justificar, pela sua superioridade, pelas suas virtudes, pela grandeza, pelo resultado e pela influência moralizadora de suas obras, a missão de que se diz portador. Tirai também esta outra conseqüência: se, pelo seu caráter, pelas suas virtudes, pela sua inteligência, ele se mostra abaixo do papel com que se apresente, ou da personagem sob cujo nome se coloca, mais não é do que um histrião de baixo estofo, que nem sequer sabe imitar o modelo que escolheu.

Exemplos de vida

Outra consideração: os verdadeiros missionários de Deus ignoram-se a si mesmos, em sua maior parte; desempenham a missão a que foram chamados pela força do gênio que possuem, secundado pelo poder oculto que os inspira e dirige a seu mau grado, mas sem desígnio premeditado. Numa palavra: os verdadeiros profetas se revelam por seus atos, são adivinhados, ao passo que os falsos profetas se dão, eles próprios, como enviados de Deus. O primeiro é humilde e modesto; o segundo, orgulhoso e cheio de si, fala com altivez e, como todos os mendazes, parece sempre temeroso de que não lhe dêem crédito.

Alguns desses impostores têm havido, pretendendo passar por apóstolos do Cristo, outros pelo próprio Cristo, e, para vergonha da Humanidade, hão encontrado pessoas assaz crédulas que lhes crêem nas torpezas. Entretanto, uma ponderação bem simples seria bastante a abrir os olhos do mais cego, a de que se o Cristo reencarnasse na Terra, viria com todo o seu poder e todas as suas virtudes, a menos se admitisse, o que fora absurdo, que houvesse degenerado.

Ora, do mesmo modo que, se tirardes a Deus um só de seus atributos, já não tereis Deus, se tirardes uma só de suas virtudes ao Cristo, já não mais o tereis. Possuem todas as suas virtudes os que se dão como sendo o Cristo? Essa a questão.

Observai-os, perscrutai-lhes as idéias e os atos e reconhecereis que, acima de tudo, lhes faltam as qualidades distintivas do Cristo; a humildade e a caridade, sobejando-lhes as que o Cristo não tinha: a cupidez e o orgulho. Notai, ao demais, que neste momento há, em vários países, muitos pretensos Cristos, como há muitos pretensos Elias, muitos S. João ou S. Pedro e que não é absolutamente possível sejam verdadeiros todos, Tende como certo que são apenas criaturas que exploram a credulidade dos outros e acham cômodo viver à custa dos que lhes prestam ouvidos.

Desconfiai, pois, dos falsos profetas, máxime numa época de renovação, qual a presente, porque muitos impostores se dirão enviados de Deus. Eles procuram satisfazer na Terra à sua vaidade; mas uma terrível justiça os espera, podeis estar certos. – Erasto. (Paris, 1862.)
Canalizações Falsas e pedidos de oferenda de sangue

Os falsos profetas da erraticidade

10. Os falsos profetas não se encontram unicamente entre os encarnados. Há-os também, e em muito maior número, entre os Espíritos orgulhosos que, aparentando amor e caridade, semeiam a desunião e retardam a obra de emancipação da Humanidade, lançando-lhe de través seus sistemas absurdos, depois de terem feito que seus médiuns os aceitem.

E, para melhor fascinarem aqueles a quem desejam iludir, para darem mais peso às suas teorias, se apropriam sem escrúpulo de nomes que só com muito respeito os homens pronunciam.

São eles que espalham o fermento dos antagonismos entre os grupos, que os impelem a isolarem-se uns dos outros e a olharem-se com prevenção. Isso por si só bastaria para os desmascarar, pois, procedendo assim, são os primeiros a dar o mais formal desmentido às suas pretensões.

Cegos, portanto, são os homens que se deixam cair em tão grosseiro embuste.

Mas, há muitos outros meios de serem reconhecidos. Espíritos da categoria em que eles dizem achar-se têm de ser não só muito bons, como também eminentemente racionais.

Pois bem: passai-lhes os sistemas pelo crivo da razão e do bom senso e vede o que restará. Convinde, pois, comigo, em que, todas as vezes que um Espírito indica, como remédio aos males da Humanidade ou como meio de conseguir-se a sua transformação, coisas utópicas e impraticáveis, medidas pueris e ridículas; quando formula um sistema que as mais rudimentares noções da Ciência contradizem, não pode ser senão um Espírito ignorante e mentiroso.

Deus ou  Espíritos de Luz NÃO necessitam de oferenda,
principalmente sangue de animais inocentes

Por outro lado, crede que, se nem sempre os indivíduos apreciam a verdade, esta é apreciada sempre pelo bom senso das massas, constituindo isso mais um critério. Se dois princípios se contradizem, achareis a medida do valor intrínseco de ambos, verificando qual dos dois encontra mais ecos e simpatias.

Fora, com efeito, ilógico admitir-se que uma doutrina cujo número de adeptos diminua progressivamente seja mais verdadeira do que outra que veja o dos seus em continuo aumento. Querendo que a verdade chegue a todos, Deus não a confina num círculo acanhado: fá-la surgir em diferentes pontos, a fim de que por toda a parte a luz esteja ao lado das trevas.

Repeli sem condescendência todos esses Espíritos que se apresentam como conselheiros exclusivos, pregando a separação e o insulamento. São quase sempre Espíritos vaidosos e medíocres, que procuram impor-se a homens fracos e crédulos, prodigalizando-lhes exagerados louvores, a fim de os fascinar e de tê-los dominados. São, geralmente, Espíritos sequiosos de poder e que, déspotas públicos ou nos lares, quando vivos, ainda querem vitimas para tiranizar depois de terem morrido. Em geral, desconfiai das comunicações que trazem um caráter de misticismo e de singularidade, ou que prescrevem cerimônias e atos extravagantes. Há sempre, nesses casos, motivo legítimo de suspeição.
Estai certos, igualmente, de que quando uma verdade tem de ser revelada aos homens, é, por assim dizer, comunicada instantaneamente a todos os grupos sérios, que dispõem de médiuns também sérios, e não a tais ou quais, com exclusão dos outros. Nenhum médium é perfeito, se está obsidiado; e há manifesta obsessão quando um médium só é apto a receber comunicações de determinado Espírito, por mais alto que este procure colocar-se.

Conseguintemente, todo médium e todo grupo que considerem privilégio seu receber as comunicações que obtêm e que, por outro lado, se submetem a práticas que tendem para a superstição, indubitavelmente se acham presas de uma obsessão bem caracterizada, sobretudo quando o Espírito dominador se pavoneia com um nome que todos, encarnados e desencarnados, devem honrar e respeitar e não permitir seja declinado a todo propósito.

É incontestável que, submetendo ao crivo da razão e da lógica todos os dados e todas as comunicações dos Espíritos, fácil se torna rejeitar a absurdidade e o erro, Pode um médium ser fascinado, e iludido um grupo; mas, a verificação severa a que procedam os outros grupos, a ciência adquirida, a alta autoridade moral dos diretores de grupos, as comunicações que os principais médiuns recebam, com um cunho de lógica e de autenticidade dos melhores Espíritos, justiçarão rapidamente esses ditados mentirosos e astuciosos, emanados de uma turba de Espíritos mistificadores ou maus. – Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862,)
(Veja-se, na “Introdução”, o parágrafo II: Verificação universal do ensino dos Espíritos. – O Livro dos Médiuns, 2ª Parte, cap. XXIII, Da obsessão.)

Jeremias e os falsos profetas

11. Eis o que diz o Senhor dos Exércitos: Não escuteis as palavras dos profetas que vos profetizam e que vos enganam. Eles publicam as visões de seus corações e não o que aprenderam da boca do Senhor. – Dizem aos que de mim blasfemam: O Senhor o disse, tereis paz; e a todos os que andam na corrupção de seus corações: Nenhum mal vos acontecerá. – Mas, qual dentre eles assistiu ao conselho de Deus? Qual o que o viu e escutou o que ele disse? – Eu não enviava esses profetas; eles corriam por si mesmos; eu absolutamente não lhes falava; eles profetizavam de suas cabeças. – Eu ouvi o que disseram esses profetas que profetizavam a mentira em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei. – Até quando essa imaginação estará no coração dos que profetizam a mentira e cujas profecias não são senão as seduções do coração deles? Se, pois, este povo, ou um profeta, ou um sacerdote vos interrogar e disser: Qual o fardo do Senhor? dir-lhe-eis: vós mesmos sois o fardo e eu vos lançarei bem longe de mim, diz o Senhor. (JEREMIAS, cap. XXIII, vv. 16 a 18, 21, 25, 26 e 33.)
É dessa passagem do profeta Jeremias que quero tratar convosco, meus amigos. Falando pela sua boca, diz Deus: “É a visão do coração deles que os faz falar.”

Essas palavras claramente indicam que, já naquela época, os charlatães e os exaltados abusavam do dom de profecia e o exploravam. Abusavam, por conseguinte, da fé simples e quase cega do povo, predizendo, por dinheiro, coisas boas e agradáveis. Muito generalizada se achava essa espécie de fraude na nação judia, e fácil é de compreender-se que o pobre povo, em sua ignorância, nenhuma possibilidade tinha de distinguir os bons dos maus, sendo sempre mais ou menos ludibriado pelos pseudoprofetas, que não passavam de impostores ou fanáticos.

Nada há de mais significativo do que estas palavras: “Eu não enviei esses profetas e eles correram por si mesmos; não lhes falei e eles profetizaram.” Mais adiante, diz: “Eu ouvi esses profetas que profetizavam a mentira em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei.” Indicava assim um dos meios que eles empregavam para explorar a confiança de que eram objeto. A multidão, sempre crédula, não pensava em lhes contestar a veracidade dos sonhos, ou das visões; achava isso muito natural e constantemente os convidava a falar.

Após as palavras do profeta, escutai os sábios conselhos do apóstolo S. João, quando diz: “Não acrediteis em todo Espírito; experimentai se os Espíritos são de Deus”, porque, entre os invisíveis, também há os que se comprazem em iludir, se se lhes depara ocasião. Os iludidos são, está-se a ver, os médiuns que se não precatam bastante. Aí se encontra, é fora de toda dúvida, um dos maiores escolhos em que muitos funestamente esbarram, mormente se são novatos no Espiritismo. É-lhes isso uma prova de que só com muita prudência podem triunfar. Aprendei, pois, antes de tudo, a distinguir os bons e os maus Espíritos, para, por vossa vez, não vos tornardes falsos profetas. – Luoz, Espírito Protetor. (Carlsruhe, 1861.)

Fonte: http://www.redeamigoespirita.com.br



Nota do Blog: Gostaria de finalizar o post dando a minha humilde opinião. Vivemos um período de extrema importância na história de nossa civilização, um período de mudanças radicais, evoluções coletivas e ascensão. É preciso que o ser humano apare todas as suas arestas, afogando seus egos e simplificando a compreensão de Deus em toda sua plenitude e assim tornando mais fácil também a compreensão de si mesmos.

Todos nós somos responsáveis por aquilo que somos, que vivenciamos, que escolhemos ao longo de nossas vidas. Toda escolha tem uma consequência. Todo plantio tem uma colheita. Eu, em minha jornada de vida já presenciei muita gente se perdendo no caminho. Parentes, amigos, pessoas os quais convivi ainda presas na ilusão da vida. Eu mesma já me perdi e me reencontrei muitas vezes.

Milhões de pessoas nesse mundo elegem falsos profetas, falsos espíritos, falsas crenças, acreditando que com isso poderiam estar livres da lei da ação e reação. Os ensinamentos passados neste post devem ser lidos e profundamente compreendidos no coração de cada um. Muito cuidado nas escolhas, muito cuidado nas palavras, muito cuidado nas atitudes. O tempo se faz pequeno, e agora é realmente a hora do nosso julgamento e seremos direcionados ao nosso destino final levando-se em conta o caminho que escolhemos.

Fiquem com Deus.

http://despertardegaia.blogspot.com/

A Cegueira do Mundo

Esta noite resolvi meditar sobre a cegueira… o que leva uma alma a pedir para nascer cega, ou ser obrigada a nascer cega?

Como sempre, não há uma resposta direta, pois o que vai na alma de cada um é um mistério que nem em nós mesmos conseguimos decifrar, mas pude vislumbrar alguns “atalhos” para o aperfeiçoamento da alma que a cegueira pode trazer à tona. Uma delas é a ilusão da independência.

Todos os dias dependemos do trabalho dos outros para viver. Quando ligamos a luz, não lembramos do Thomas Edison e do seu esforço para nos trazer a lâmpada, muito menos dos homens que trabalham nas companhias de energia elétrica para manter a eletricidade fluindo normalmente.

Quando tomamos sonolentos o ônibus às 7h da manhã, não percebemos que o motorista está acordado desde as 4h da manhã para fornecer esse serviço não só pra ele, como para o trabalhador de acordou às 5h.

Esse é apenas UM exemplo dos milhares que encontramos, e pelo menos DEVERIA nos fazer perceber o quão complexa é A vida, que é muito mais do que seu umbigo ou seus familiares.

Infelizmente, na maioria das vezes somos cegos para essa realidade, e em casos extremos somos insensíveis até mesmo ao que podemos ver, ouvir e tocar dentro das nossas próprias casas. Cegos à tristeza do irmão, ao choro da mãe, às dificuldades por que passam nossa empregada, pai, amigo, chefe…

E vem a cegueira, mostrar o quão delicado somos, o quão belo pode ser o mundo, quando nos prestamos a abrir os sentidos a ele. O cego, na impossibilidade de ver, desenvolve os outros sentidos que não só a audição, olfato, tato e paladar.

Desenvolve a intuição e, principalmente, o coração.

Às vezes nos cegamos para o mundo, metaforicamente falando, para não termos de ver certas coisas que nos desagradam. Mas pode também acontecer de, em momentos de tensão, isso refletir no físico.

Seja parcialmente, (como na amaurosis schacchistica, a cegueira enxadrística), ou totalmente, como a cegueira psicológica, causada por uma desordem de conversão.

As causas estão claramente no espírito (ou mente, como queiram), e o corpo – pacientemente – obedece.

Poderíamos levar esses exemplos à metafísica para explicar a cegueira congênita, com traumas herdados de outras vidas que refletem no molde perispiritual que vai dar origem ao corpo físico, ainda no útero.

É antes de tudo emblemático que Jesus tenha vindo para curar cegos e reviver os mortos. Como ele mesmo disse:

Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem se tornem cegos. Alguns fariseus que ali estavam com ele, ouvindo isso, perguntaram-lhe: Porventura somos nós também cegos? Respondeu-lhes Jesus: Se fosseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Nós vemos, permanece o vosso pecado (João 9:39-41)

O cego pode viver independentemente, mas precisa de um suporte especialmente criado pra ele: bengala, cachorro-guia, livros em braile, software de leitura, sinais sonoros, etc. A sociedade considera o cego um estorvo, um incômodo, porque a cegueira deles nos “mostra” o quanto as calçadas são esburacadas, o desrespeito institucionalizado para com o cidadão, os motoristas que atropelam na faixa de pedestres, a falta de estrutura para os mais velhos ou mais lentos que o “normal”, etc. Deficientes não são “estorvos” em países de primeiro mundo, e a tecnologia pra isso existe, basta querer gastar mais com o cidadão do que com os banqueiros…

Mas, e nós, que “enxergamos”, também não dependemos de um suporte especial para viver?

Experimente retirar todas as mordomias às quais estamos acostumados desde que nascemos, e nos veremos perdidos!

Vivemos cercados de muletas, acessórios que nos empurram a uma direção, um jeito de ser.

Não somos nada diferentes de um deficiente visual, apenas a “Matrix” está mais adaptada aos que possuem os 5 sentidos. Só que, estar de posse de mais sentidos não significa possuir mais sensibilidade ou liberdade.

Imagine-se por um momento completamente cego. É pavoroso! A sensação de impotência, o desespero… afinal, você nunca espera ficar cego, você não costuma treinar a audição, o tato, você provavelmente nem saberia andar em sua própria casa na escuridão total.

O abandono causado por tal situação nos faz procurar ajuda, nos faz (finalmente) enxergar o semelhante.

Não lhe posso dar
O que já existe em você mesmo.
Não posso atribuir-lhe
Outro mundo de imagens
Além daquele que há em sua própria alma.
Nada lhe posso dar a não ser
A oportunidade, o impulso,
A chave.
Eu ajudarei a tornar visível
O seu próprio mundo.
É tudo.
(Herman Hesse)

Fonte: Saindo da Matrix