MANEIRAS DE AUMENTAR A SUA VIBRAÇÃO

De acordo com os inúmeros ensinamentos de sabedoria, Lao Tzu, Edison, Gregg Braden, Carl Jung, Joseph Campbell, Buda, Ken Wilber, Louis Hay, Dalai Lama, Paramahansa Yogananda, o Dr. Wayne Dyer, e mil outros especialistas, tanto modernos como os de antigamente, revelam que o nosso mundo interior afecta o mundo exterior. 

Esse é o grande segredo que todas as outras culturas conhecem, excepto o Ocidente – Egito, Bolívia, Tibet, Polinésia, China, Japão, Peru, aldeias nas montanhas dos Andes, etc – até agora.
As nossas suposições científicas do passado estiveram erradas mais do que uma vez.

O primeiro pressuposto errado é que o espaço que nos rodeia está vazio. Não está.

Ele é cheio de uma essência viva, que estamos apenas a começar a entender. Esta essência é como um canal que é afetado pelos nossos pensamentos. As freiras e os monges sabem disso. É o que eles usam para oração e meditação.

Ele carrega o pensamento para interagir com essa essência. Nós chamamos de milagres, mas é entrar em contato com este canal – esse espaço vazio, que carrega as nossas frequências mentais para o campo da possibilidade.
O segundo pressuposto errado é que as nossas circunstâncias externas simplesmente acontecem. Está errado.

Nós criamos essas circunstâncias. Como oscilações de uma nota musical…aquelas com que interagimos interessam.

Você tem-na ouvido em todo o lado. A sua vibração, ou o padrão dos seus pensamentos, atitudes e ações, é o que cria a sua realidade.

Se você quer mudar aquilo que vive, as suas experiências, então precisa de mudar a sua vibração. Existe um milhão de maneiras de fazer isso, mas aqui estão algumas delas:

Existe algo que tem que se aprender. Você não pode desistir ao tentar mudar os seus pensamentos, e, assim, a sua vibração, nunca!

Você tem que praticar – uma e outra vez.

Use um diário para registar todo esse processo, os seus pensamentos novos – aqueles que refletem as suas experiências como você gostaria de vê-las acontecer, não necessariamente o que a sua vibração atual está a criar.

Existem milhares de neurónios, que são recrutados para escrever um pensamento fisicamente, ao invés de apenas digitando-o num computador.

Encontre algo com beleza aprecie. Pode ser uma flor que cresce de uma racha na calçada. Pode ser o brilho nos olhos de um amante. Pode ser o sorriso do seu filho, ou uma prateleira de livros recém-organizada.

Basta apenas uma coisa. É tudo o que você precisa.


Faça uma lista de tudo o que você é grato. 

A razão pela qual diários ou lista de gratidão resulta é porque, assim como o treino cognitivo-comportamental, você pode fazer alterações neuro-farmacológico e neuro-biológico com uma mudança focada na gratidão.

Comece com pequenas coisas: Eu posso respirar. Eu estou aqui, agora. Eu tenho pelo menos um amigo. Eu sou capaz de mudar com a minha própria vontade. Em seguida, expanda estas tarefas ao fazer a sua própria lista.

Medite – Pense em nada. Isto é mais do que provável um lugar mais neutro e, portanto, mais positivo para elevar a sua vibração.
Ajude alguém – Ajudar outra pessoa muda o seu pensamento de “Eu não tenho o suficiente, para, eu tenho mais do que suficiente para dar aos outros.” Abundância é uma vibração elevada.
Mude o seu DNA – Também tem uma vibração. Existem frequências de som que quando ouvidas frequentemente, mudam a sua vibração para 528hz. Existem gravações pela internet fora.
Ouça a música que você ama – A música muda sua frequência, fazendo-o feliz.

Pare de reclamar e de mexericar – As coisas de que você fala traz-lhe mais do que você quer? Pare de reclamar e começe a encontrar maneiras para se alegrar.
Mova-se – Exercício. Seja ativo. Dance! Não só o movimento muda a sua perspectiva, ele também cria endorfinas, que o ajudam a sentir-se feliz. Quanto mais feliz você se sente, mais vai atrair experiências felizes para si mesmo, porque você está a operar numa frequência diferente.
Faça algo um pouco louco – Sempre quis fazer pára-quedismo? Que tal aprender a dançar? Você sempre quis tentar falar em público? Provavelmente sente que não tem nada a perder – então arrisque. Basta fazer algo novo para reestruturar o seu cérebro.

Ouça os antigos cânticos de monges budistas e gregorianos – Eles são projetados para mudar a sua frequência.

Não sabe onde você está a vibrar? – Avalie-se a si mesmo. Como você se sente agora? Basta avaliar e, em seguida, você pode mudá-lo. A percepção começa com a consciência.
Faça repetições mentais – Diga a si mesmo 100 vezes por dia. Estou feliz ou eu sou próspero, ou eu não tenho medo da mudança. Você pode não acreditar ainda, mas com a prática você vai. As suas 100 repetições poderiam ser apenas, eu posso mudar a minha mente.
Faça Yoga, Reiki, Qigong ou outra arte marcial – Todas essas práticas visam mudar a sua vibração mental e aumentar o seu QI.

Perceba que tem mais controle sobre a sua vida – Você não é uma vítima da circunstância, passado, educação familiar, trauma ou qualquer outra coisa. Você pode mudar a sua vida num instante. Basta perceber isso. Em muitas tradições de sabedoria isso é chamado de “responsabilidade total”. Ninguém é responsável pela forma como se sente agora, se não você mesmo. Não é uma maldição. É uma bênção, pois dá-lhe o seu poder de volta.
Respire – Basta sentar-se e tentar tornar a sua respiração mais longa, mais completa e mais relaxante. Isto tem um efeito direto sobre o sistema nervoso e ajuda a acalmá-lo. A vibração calma é uma vibração elevada.

Beba água carregada de energia – Dr. Masaru Emoto tornou esta prática viral com as suas imagens em mensagens de água. Mas também é uma prática de curandeiros chineses de antigas linhagens. Você pode segurar a água com os polegares e dedos médios tocando em ambos os lados da garrafa (coração Mudra) e enviar amor para a água.
Pratique Mudra – Mudras são gestos antigos que redirecionam a energia, ou a prana, de volta para o corpo, da mesma forma que a luz é reflectida de um penhasco ou parede glacial. Ao aprender maneiras específicas sobre o posicionamento dos seus dedos, você pode direcionar a energia positiva no seu corpo.
Pular – Diz-se que o simples ato de saltar excita as células do corpo e torna-as mais saudáveis. Divirta-se num trampolim.
Pratique Ho’oponopono – Os antigos havaianos acreditavam que a tristeza, a depressão e a doença só ocorriam quando havia percepção de estarmos separados da nossa fonte, o Divino. Um dos principais temas da prática do Divino. Uma das práticas mais conhecidas é o perdão. Perdoe-se a si mesmo ou a outra pessoa e eleve a sua vibração.
Abrace alguém – A “American Psychosomatic Society” publicou um estudo afirmando que apenas 10 minutos de contacto físico positivo com outro ser humano pode reduzir muito o stress.

VIBRAÇÃO E SINCRONICIDADE – Libertando o Verdadeiro Você


“Sincronicidade é uma realidade sempre presente para aqueles que têm olhos de ver.” 

Carl Jung

O termo “sincronicidade” foi cunhado por Carl Jung. Ao longo de sua vida ele trouxe explicações um pouco diferentes sobre este assunto complexo, mas o significado básico está lá para nós entendermos.

Ele disse que se ocorrer “coincidências significativas” sem «relação de causalidade», mas que parecem estar significativamente relacionadas, isto é sincronicidade.

Em outras palavras, se incidentes não relacionados acontecem com você e você consegue ver as coisas de uma maneira diferente e se sente mais conectado com quem você é por causa dessas experiências, então você experimentou o maravilhoso mundo da sincronicidade.

Carl Jung chegou à conclusão de que a sincronicidade rege uma dinâmica que está na base de toda a experiência humana. A mecânica quântica agora está confirmando esta declaração.

Manifestando a Nossa Realidade

Nós temos o poder de manifestar a nossa realidade e muitas pessoas que estão explorando este assunto estão mostrando algumas verdades muito profundas. A sincronicidade acontece o tempo todo em nossa vida, ela chega e pode passar despercebida se você não estiver em sintonia com ela.

O Universo sempre nos entrega o que pedimos, mas não para atender egoísmo, poder ou razões injustificadas. Somos enviados para aprender lições no nosso caminho da sincronicidade. Estas ocorrências podem ser simples ou muito complexas.

Para estar conectado, nós realmente precisamos entender que o que é bom para mim, é bom para você também.

Isto se aplica a tudo em nossa experiência, seres humanos, animais, meio ambiente, tudo ! 

Algumas dessas verdades foram transmitidas desde os tempos antigos e algumas são mais recentes na nossa história. Vamos explorar algumas dessas verdades.

Os Espelhos dos Essênios

Greg Braden postou uma explicação fantástica dos espelhos dos Essênios, eles têm sete etapas e a sexta é a noite escura da alma.

Este é o lugar onde você está se sincronizando com a sua consciência de observador, ou alma e vê todas as emoções, sentimentos e ego que você adquiriu durante a sua vida, ou vidas anteriores e estão começa a liberá-las.

Se você já passou por isso, sabe que é um momento difícil e você pode se sentir completamente desligado. Bem, isto é verdade. Todas estas vibrações negativas estão impedindo a sincronicidade com o seu verdadeiro EU e precisam ser tratadas e liberadas.

Os espelhos dos Essênios ajudam a reconhecer as transições que você está passando, e, portanto, torna-se mais fácil encontrar o caminho da sincronicidade com a sua realidade.

Você vai conhecer companheiros de alma e você vai encontrar pessoas que vão tentar impedi-lo. Embora seja mais fácil dizer do que fazer, sempre veja o lado positivo em tudo, mesmo diante da adversidade.

Às vezes parece que sua vida está caindo aos pedaços, mas lembre-se, as coisas precisam quebrar antes que elas possam mudar, por isso não há necessidade de se preocupar exageradamente.

Os Gnósticos e os Arcontes

Os textos de Nag Hammadi nos informam mais sobre os gnósticos e sua compreensão do que é manter a humanidade longe da sincronicidade.

Eles sabiam que somos todos seres de natureza divina e que estamos em uma armadilha de consciência.

É a jornada para o nosso interior que é importante, esta experiência que estamos tendo aqui no planeta Terra pode ser ilusória por natureza, assim, não confie em nenhuma autoridade que pretenda se impor sobre você. 

Esta situação ilusória é orquestrada pelos arcontes e as pessoas sendo manipuladas por eles.

Os arcontes são seres interdimensionais que se alimentam de emoções negativas, como medo, raiva ou tristeza. Nós certamente somos inundados com estas emoções em nossa sociedade atual.

A jornada para o nosso interior e a sincronicidade com a nossa consciência de observador ou alma é o remédio para esta experiência que estamos tendo no planeta Terra, assim dizem os gnósticos e eu concordo com isso.

Se isto é uma história ou uma representação da verdade realmente não importa, pois me permite o controle da minha experiência na Terra.

O importante é todos nós fazermos a viagem sobre a compreensão da nossa verdadeira natureza, rejeitando todas as emoções e sentimentos que não nos servem, incluindo alguém alegando autoridade sobre nós, fingindo que é para nos manter seguros.

Nós realmente precisamos entender que nenhuma criação feita pelo homem tem autoridade sobre nós por causa da nossa natureza divina. Temos todas as respostas no nosso interior. Só precisamos encontrá-las para criar uma sincronicidade, a nossa sincronicidade, a sincronicidade do amor

A Meme Rothschild

Muitas pessoas estão vivendo uma vida que não permite a sincronicidade acontecer muito facilmente.
Eu chamo isso de “meme Rothschild”.

Somos doutrinados de que a nossa civilização ocidental é a única maneira de podermos viver uns com os outros no planeta Terra e que devemos aceitar sem questionar.

Sem querer soar como um disco quebrado, isto é insanidade. 

Quantas mais fraudes bancárias, corrupção política, crimes corporativos, miséria e doenças nós temos que suportar antes de nos conscientizarmos que nenhuma destas instituições existem na verdade para nos ajudar ?

A forma como esta chamada civilização funciona só serve para o benefício de muito poucos no topo. Não é nem mesmo um por cento.

É um grupo muito pequeno de pessoas que orquestraram tudo. (Illuminatis)

Eles vêm da escola do dividir para reinar e a tática hegeliana do problema, reação, solução. 

Eles criam o problema, obtêm a reação necessária e oferecem a solução mais conveniente para os interesses deles.

Isso está criando uma perda de sincronicidade entre nós porque muitos estão sempre “perseguindo sua própria cauda” para sobreviver e ao fazê-lo, permitem que estas pessoas continuem o caminho de saquear o planeta, manipular a humanidade e corromper nosso objetivo de vida.

Quantas vezes o dinheiro mudou a maneira que você pensa sobre as coisas ? 

A elite privada dos bancos centrais têm monopolizado a criação de dinheiro neste planeta e isso precisa ser mudado o mais rápido possível. É realmente algo para se pensar urgentemente.

Mas a mudança está chegando e estamos vendo um número crescente de pessoas que realmente acordaram para a natureza da nossa realidade, esta é a chave para corrigir isto e nos livrarmos de instituições que não servem ao bem da humanidade.

A sincronicidade está lá fora, esperando para desempenhar o seu papel em nossa jornada para a saúde, felicidade, abundância e liberdade.

Podemos encontrar o nosso verdadeiro objetivo e compreender a natureza da nossa realidade. Nós podemos mudar a maneira como vivemos no planeta vivendo com sincronicidade, criando uma maneira melhor de viver.

Podemos viver agora a realidade da nossa visão de um futuro brilhante e não deixar ninguém interferir com esta realidade novamente.

Podemos rejeitar o declínio da moralidade que estamos testemunhando atualmente, que é como uma Babilônia revisitada.

Este “meme Rothschild” não é nosso amigo, não nos serve e não quer o nosso bem. 

Precisamos tomar o nosso poder de volta. Então, vamos olhar para a natureza do nosso corpo e entender como podemos fazer isso.

Nós Temos Três Corpos

Todo mundo sabe que temos um corpo material. Esta é a nossa embalagem para interagirmos com o mundo material/físico. 

Ele é um transmissor e receptor de informações e existe nesta realidade de 5 sentidos onde só capta uma gama muito pequena de frequências.

Para manter este corpo em sincronia com ele mesmo, para mantê-lo saudável e cheio de vitalidade, é necessário uma respiração adequada, alimentação saudável e exercícios.

Nosso corpo material/físico está ligado ao nosso corpo energético que alguns chamam de corpo de luz, através do nosso sistema de energia. 

Que são os nossos meridianos, pontos de acupuntura e o sistema de chacras.

A energia pode estar bloqueada nesses sistemas, causando manifestações negativas/doenças em nosso corpo material/físico. Então, também precisamos manter nosso corpo energético saudável.

Temos um terceiro corpo que é a nossa consciência de observador, ou alma. Este é o nosso verdadeiro EU, nossa verdadeira essência. Quando você realizar a sincronicidade com esses três corpos, então você está no caminho de uma vida feliz e saudável.

Você vai estar ciente de sua existência eterna por causa da compreensão de sua consciência de observador.

Você vai encontrar uma energia inesgotável através do seu corpo energético e você vai encontrar o entusiasmo e vitalidade em seu corpo material, com clareza de pensamento será capaz de compreender e agir de acordo com a orientação de sua alma, rejeitando assim tudo o que é prejudicial para você e seu ambiente.

Este é um clamor distante sobre o caminho que a maioria dos seres humanos buscam em sua experiência no planeta.

Religando o Cérebro – Sincronizar ! Sincronizar ! Sincronizar !

Existe muita pesquisa atualmente confirmando que a meditação estimula o neocórtex e reestrutura o cérebro.

Infelizmente alguns dos alimentos que comemos, bebidas que ingerimos, agentes patogênicos e substâncias cancerígenas que consumimos estão na verdade religando o nosso cérebro com um efeito muito negativo. 

Podemos reverter esse efeito prejudicial mudando nossa alimentação, nos distanciando do ritmo alucinante da sociedade, nos exercitando e mantendo contato com a natureza.

Max Planck é o pai da física quântica cuja pesquisa o fez perceber que existe um campo que consiste de ondas vibracionais primitivas em que vivemos e que engloba tudo.

O que preenche o espaço deste campo são os quarks e glúons. Eles são os materiais de preenchimento do espaço entre os prótons e os nêutrons que compõem o átomo, o espaço de um átomo não está vazio.

Então, será que uma simples ação de meditação nos conecta com esta matriz energética ? Sim.

Esta simples ação de meditação promove a sincronicidade dentro de nossa vida material/física ? Sim.

Assista esses vídeos explicando sobre os quarks e o campo quântico em mais detalhes.

Curta-metragem sobre a mecânica quântica:
Curta-metragem sobre quarks e glúons:
O filme “Matrix” foi baseado nas conclusões de Max Plank e é uma boa analogia do nosso mundo. 

A sincronicidade está no coração da nossa existência nesta realidade de 5 sentidos. Estamos ligados profundamente a este campo.

Vivendo Através do coração

Sabemos agora que o nosso campo eletromagnético é dominado pelo coração. O coração é de longe o maior campo de energia do nosso corpo.

Não é o cérebro como muitos pensam. Portanto, se o nosso corpo energético é dominado pelo coração, com certeza, o nosso mundo deve ser dominado por ações sinceras.

Quando começamos a viver assim, as coisas começam a mudar. Uma maneira fácil de resumir um pouco é dizendo o que estava escrito em um dos meus cartões de aniversário deste ano.

“Se você acender uma lanterna para alguém, iluminará igualmente o seu caminho”. 

Então, o que é bom para você é bom para mim.

Estes são princípios muito simples que promovem a sincronicidade, que em si traz paz, amor e harmonia. Você vai começar a criar o seu caminho para fora dessa matrix.

Nós podemos fazer esta visão se tornar realidade e precisamos fazer isso juntos ou podemos viver a realidade da nossa consciência coletiva que foi sequestrada, quem quer guerras intermináveis, fome e sistemas prejudiciais de controle ?

Certamente não é o que o meu coração anseia. Isso é verdade para você também ?

Vibração e Sincronicidade

Nossa realidade é baseada em uma pequena faixa de frequência onde tudo é vibração. Quando temos um pensamento, ele cria uma vibração no cérebro. Nós também criamos outras vibrações com emoções e sentimentos que estão apenas de passagem pela nossa própria consciência de observador.

Quando essas emoções ou sentimentos são prejudiciais para o seu bem-estar e não são controladas, elas podem se manifestar em uma doença em seu corpo. 

Precisamos limpar nosso corpo dessas vibrações negativas. Isso vai nos ajudar a encontrar o nosso caminho da sincronicidade e ter uma vida mais harmoniosa e pacífica.

Quando tivermos apagado estas vibrações negativas, se torna mais fácil identificar quando elas se manifestam novamente e podemos limpá-las rapidamente.

É tão simples como a limpeza de sua casa. Você precisa fazer todos os dias se deseja viver em um ambiente limpo. É o seu caminho para a felicidade. Vejamos algumas maneiras de fazer isso.

Meditação, Florais de Bach e Vibração de Ondas Cerebrais

A meditação é uma ótima maneira de limpar o seu campo energético. Quando você chega em uma profundidade suficiente, é quase como bater no botão de reiniciar. Você pode se atualizar e colocar tudo em perspectiva quando você medita regularmente.

Há muitas formas de meditação, de simples exercícios de respiração até técnicas completas sobre meditação silenciosa. Descubra aquela que melhor combina com você e use-a. Esteja ciente do seu corpo e preste atenção ao que ele está dizendo a você.

Tem um exercício de meditação que é do seres brilhantes que você pode tentar se estiver procurando algo para começar a meditar.

Remédios de Florais de Bach são uma ótima maneira de lidar com as emoções em um nível vibracional. 

Quando me foi dito pela primeira vez sobre eles eu pensei que era uma piada que você pode tomar a essência vibracional de uma flor e usá-la para ajudar a equilibrar uma emoção negativa que está dentro de você.

Isso realmente funciona e eu fiquei tão convencido que me treinei como um praticante de Florais de Bach.

O Dr. Bach na verdade, queria simplificar a técnica para ajudar as pessoas a se livrarem de emoções e sentimentos negativos.

Ele estava tão impulsionado, que permaneceu vivo apenas o tempo suficiente para terminar o seu trabalho e nos deixar com estes remédios maravilhosos. Você pode encontrar uma explicação do que as essências fazem aqui.

Vibração de Ondas cerebrais é um termo cunhado por Ilchi Lee. Ele sugere três exercícios onde você pode sacudir todas as emoções e sentimentos negativos dentro de seu corpo. Realmente funciona e eu testemunhei a prova no meu centro local de Yoga Dahn.

Ele simplesmente agita o seu corpo em transe conforme o estado e sentimento onde seu corpo está doendo ou sobrecarregado. Ele também envolve tocar o seu segundo chacra e mover a cabeça de um lado para o outro. 

Esta é uma técnica muito eficaz e irá ajudá-lo a limpar esses sentimentos e emoções indesejados. Você pode encontrar livros e exercícios sobre o assunto através de seu site.

Abra o Seu Coração

Tenho estado envolvido com a produção de um exercício de meditação de abertura do chacra do coração com os seres brilhantes e o Dr. Tomasz Kopec.

A batida binaural é uma frequência que ajuda a abrir o chacra do coração e está incorporada na música que o acompanha.

O exercício também faz isso e ajuda a identificar as emoções ou sentimentos negativos que você deseja se livrar. Este é o terceiro exercício de uma série de quatro que nós produzimos para abrir os três principais chacras do corpo.

Trabalhando o Seu Caminho de Retorno ao UM

Quando estamos no ventre de nossa mãe estamos intrinsecamente ligados à ela. Quando nascemos, de repente nos separamos e um novo mundo de dualidade começa para nós.

Nos movemos gradualmente para longe desta conexão, todo este processo leva cerca de sete anos para estar totalmente concluído. Então nós entendemos plenamente que fomos desconectados.

Muitos de nós sentem uma sensação de perda dentro de toda a vida por causa da perda desta sincronicidade.

Podemos encontrar essa unidade através da meditação e explorando o nosso interior. É certamente uma experiência de mudança de vida e estou sempre incentivando as pessoas a continuarem com suas práticas de meditação, porque leva bastante tempo para desenvolver estes entendimentos.

O tempo é algo que todos nós precisamos para desenvolver estes sentidos e ele está sendo roubado de nós com muitas distrações. Portanto, todos devemos nos tornar mestres do nosso tempo e espaço.

Liberte o Verdadeiro Você

A sincronicidade irá ajudá-lo a libertar o verdadeiro você. Não se deixe manipular nem seja enganado por esta sociedade, seus dogmas e crenças que a maioria parece ter abraçado.

Seja positivo, a notícia positiva sempre faz bem ao cérebro. Mantenha a mente aberta, pois isso disponibiliza um mundo de possibilidades.

Seja compreensivo com as pessoas que ainda não entenderam a natureza da realidade. Isto também requer paciência.

Rejeite tudo o que é prejudicial para você. A vida é difícil na medida certa para cada um de nós, não precisamos que alguém aumente o fardo.

Nós não estamos aqui para criar conflitos, praticar pilhagem e saquear o planeta e tudo sobre ele. 

Nós somos seres divinos, uma consciência infinita tendo uma experiência na Terra.

Nós somos os protetores deste mundo material/físico, temos que assumir a responsabilidade pelas nossas ações e agir em conformidade.

Um mundo maravilhoso de sincronicidade espera por todos nós. O que é bom para você é bom para mim. Vamos todos fazer esta a nossa visão e vamos chegar lá mais cedo do que você imagina.

Nós podemos fazer os nossos sonhos se tornarem realidade ao saírem do coração. Podemos viver em sincronia.

©Peter Paul Parker

Origem: wakeup-world

Tradução: A Luz é Invencível

http://despertardegaia.blogspot.com/

OS CIENTISTAS DA NOVA ERA – Gregg Braden e A Matriz Divina

“É o poder do sentimento humano, que é a linguagem que abre a porta para as possibilidades daquilo que criamos no nosso mundo.”  Gregg Braden
Gregg é reconhecido internacionalmente como um pioneiro na ciência que liga sabedoria antiga e o mundo real. Por mais de 27 anos, Gregg tem explorado aldeias no alto de montanhas, mosteiros remotos e textos esquecidos para fundir seus segredos intemporais com a melhor ciência de hoje.

Suas descobertas são compartilhadas em 33 países e 38 línguas através de livros inspiradores. Ao fazê-lo, ele redefiniu o nosso relacionamento com nossos mundos interiores e exteriores, ao compartilhar sua vida, afirmando mensagem de esperança.

A Matriz Divina, seu best-seller de 2007, foi recentemente selecionada como fonte para o recurso feito para a televisão, “Entanglement”, e agora é um livro-texto para cursos de nível universitário explorando novas descobertas da ciência e da nossa relação com o mundo.

Uma introdução ao conceito de Gregg Braden
A ciência já provou através da física quântica que somos energia e que estamos todos conectados através de nossa vibração.

O Plenum Cósmico/Deus é puro amor, é energia e por ser energia, não morre, não desaparece, é imortal e está em todos os lugares.

E como somos a imagem e semelhança Dele, sabemos que somos energia e hoje podemos provar isso.

Somos seres espirituais eternos e não apenas seres perenes. Durante muito tempo achava-se que a menor partícula de uma célula, o átomo, era feito de matéria.

Depois descobriram que na verdade a maior parte de um átomo é vácuo, então achava-se que o núcleo, que é muito pequeno, seria material.

Esta ideia caiu por terra quando através do uso de microscópios eletrônicos muito potentes, verificou-se que o núcleo de um átomo é apenas uma energia condensada, não é matéria.

Mas se tudo o que existe no mundo “material” é feito de um conjunto de células, estas são feitas de átomos e se um átomo de qualquer coisa não é material, então…

No nível microscópio, nada é material, tudo é vibração, tudo é feito de energia condensada. Vivemos num universo de vibração e nossos corpos são feitos a partir da vibração da energia que emanamos constantemente.

A Matriz Divina - Post-24.06.2015
A física quântica já foi apelidada de Física das Possibilidades, por nos dizer que tudo o que imaginamos encontra-se disponível como uma das possibilidades que vamos assimilar em nossas vidas.

A partir desta perspectiva, nossos desejos baseados nos sentimentos deixa de ser “algo por obter” e se converte em “acessar” o resultado desejado, que já está criado no mundo vibracional (quântico, atômico) das infinitas possibilidades.

Ou seja, nada é impossível, quando temos um desejo sincero e este desejo torna-se parte das nossas possibilidades futuras no nível quântico e só precisamos sintonizá-lo. Só devemos “atrair” o que desejamos através do “pensamento”.

Então, já que a ciência atual consegue provar através da teoria quântica que pensamento é energia, que toda energia tem uma vibração e que a vibração cria o mundo material, nossos corpos e todo o restante ao nosso redor foi e continua sendo criado através das nossas mentes coletivas.

Também sabemos que a luz é uma fonte de energia, então cabe a indagação: a que estão conectadas as partículas de luz? 

Gregg Braden diz que estamos sendo levados a aceitar a possibilidade de que existe um NOVO campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio deste campo. Vejamos o que diz Gregg Braden sobre tudo isso.

Assistam o vídeo  “A Ciência dos Milagres” – Imperdível

Gregg Braden e a Matriz Divina

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-1

Assim como toda a vida provém de quatro bases químicas que criam nosso DNA, o universo aparentemente se fundamenta em quatro características da Matriz Divina que fazem tudo funcionar da maneira que funcionam.

O segredo para usufruirmos os poderes conferidos pela Matriz reside em nossa habilidade de apreender as quatro memoráveis descobertas que a unem à nossa vida de um modo sem precedentes:

Descoberta 1:

Existe um campo de energia conectando toda a criação.

Descoberta 2:
Esse campo desempenha o papel de receptáculo, ponte e espelho para nossas crenças íntimas.
Descoberta 3:
O campo está em toda a parte e é holográfico. As partes estão ligadas entre si e cada uma espelha o todo em escala menor.
Descoberta 4:
Nossa comunicação com o campo se faz pela linguagem da emoção. Está ao nosso alcance reconhecer e aplicar essas realidades, que são determinantes de tudo, da restauração de nossa saúde ao sucesso em nossas carreiras.

No final das contas, nossa sobrevivência como espécie pode estar diretamente ligada à nossa capacidade e desejo de compartilhar práticas afirmativas de vida provenientes de uma visão do mundo quântico unificado.

Para fazer justiça aos imensos conceitos decorrentes da Divina Matriz, escrevi este livro em três partes, cada qual cobrindo uma das implicações-chave do campo. Em vez de criar uma conclusão formal no final de cada parte, ressaltei os conceitos importantes sob a forma de um sumário em linha e chamei o conceito de “princípios” designados por um número (princípio 1, princípio 2, e assim por diante).

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-2

“Descobrindo a Matriz Divina, o mistério que une todas as coisas”, explora o duradouro sentimento humano que nos une ao campo de energia que liga todas as coisas; descrevi um único experimento que fez os cientistas recuarem cem anos na busca pelo mencionado campo unificado.

Nessa seção, também comentei a pesquisa do século XX que foi responsável por avanços na física quântica e que levou os cientistas a examinarem mais uma vez o experimento original, pelo qual nos informaram que todas as coisas são separadas umas das outras.

Isso inclui três experimentos (que veremos mais adiante) que são representativos e mostram a mais recente documentação sobre determinado campo de energia, não reconhecido anteriormente.

Brevemente, os resultados demonstraram:
A Matriz Divina - Post-24.06.2015-3
1 – O DNA humano exerce efeito direto na matéria que constitui o mundo.

2 – A emoção humana exerce efeito direto sobre o DNA que afeta a matéria que constitui o mundo.

3 – A relação entre as emoções e o DNA transcende limites espaciais e temporais.
Os efeitos são os mesmos, independentemente da distância. Pouca dúvida ainda haverá ao se chegar ao final da Parte I quanto à existência da Matriz Divina.

Quer sua descrição seja feita de uma perspectiva espiritual ou científica, é claro que existe algo – um campo de energia que conecta tudo o que fazemos, somos e experimentamos.

As questões lógicas então passam a ser formuladas assim: “O que fazemos com essa informação?” e “Como poderemos usar a Matriz Divina em nossa vida?” (Gregg Braden).

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-4
Será que estamos conectados? Realmente conectados?
A ciência moderna está a ponto de resolver um dos maiores mistérios de todos os tempos.

Provavelmente não vamos ter notícias sobre isso pelos “telejornais no horário nobre da televisão”, nem vamos ver manchetes noticiando o fato nos principais jornais.

Mas, apesar de tudo, aproximadamente setenta anos de pesquisas na área da ciência conhecida como a “nova física” está apontando para conclusões irrefutáveis. Todas as coisas do mundo estão ligadas a todas as outras coisas.

Quer dizer: realmente ligadas. Essa é a novidade que altera tudo e que abala, sem dúvida alguma, os alicerces da ciência como hoje a conhecemos.

“Muito bem”, podemos dizer, “já ouvimos isso antes. O que torna essa conclusão tão diferente? O que realmente significa estar conectado?” 

Essas são ótimas perguntas e as respostas poderão surpreendê-los. A diferença entre as novas descobertas e o que acreditávamos anteriormente é que, no passado, simplesmente nos diziam que a conexão existia.

Mediante frases técnicas como “sensível dependência das condições iniciais” (ou “efeito borboleta”) e por teorias sugerindo que o que é feito “aqui” tem um efeito “ali”, podíamos observar, de maneira superficial, a atuação da conexão em nossa vida.

Os novos experimentos, entretanto, nos levam a um passo adiante. Além de provar que estamos ligados a tudo, as pesquisas agora demonstram que a conexão existe por nossa causa. Nossa conectividade nos dá o poder de ajeitar as coisas para que nos favoreçam, no que diz respeito à transformação de nossa vida.

Para absolutamente tudo, da busca pelo romance à cura dos nossos entes queridos e à satisfação de nossas mais profundas aspirações, somos uma parte integral do que experimentamos todos os dias.

O fato das descobertas mostrarem que podemos usar nossa conexão conscientemente, abre as portas para nada menos do que a oportunidade de tirar partido do mesmo poder que movimenta todo o universo.

Por meio da unidade que está no interior do seu corpo, do meu e do corpo de todos os seres humanos do planeta, temos uma comunicação direta com a mesma força que cria tudo, dos átomos às estrelas e ao DNA da vida.

No entanto, existe uma pequena armadilha: nosso poder para fazer isso está adormecido até que o despertemos. 

O segredo para acordar esse impressionante poder, é fazer uma pequena mudança no modo como estamos habituados a ver o mundo.

Assim, com uma ligeira mudança de percepção podemos usufruir a mais poderosa força do universo para lidar com as situações aparentemente mais impossíveis de serem resolvidas. Isso acontece quando nos permitimos perceber de outro modo nosso papel no mundo.

Como o universo parece realmente ser um lugar muito grande – quase vasto demais para que a gente pelo menos consiga conceber seu tamanho -, podemos começar por nos ver de outro modo no dia-a-dia.

A “pequena mudança” de que precisamos, consiste em começar a nos ver como parte do mundo, não como se estivéssemos separados dele. 

A maneira de nos convencermos de que realmente Somos Um com tudo o que vemos e experimentamos, é compreender como estamos unidos e o que a tal conexão significa. Para usufruirmos da força do universo propriamente dito, precisamos nos ver como parte do mundo, não como se estivéssemos separados dele.

Pela conexão que une tudo, a “coisa” da qual o universo é feito (ondas e partículas de energia) aparentemente quebra as leis do tempo e do espaço da maneira como estamos habituados a interpretá-las. Ainda que os detalhes pareçam mais algo ligado à ficção científica, eles são bem reais.

As partículas de luz (fótons), por exemplo, já foram observadas como capazes de dupla localização – isto é, de se situarem, precisamente no mesmo instante, em dois locais diferentes separados por muitos quilômetros.

Do DNA de nosso corpo aos átomos de todo o restante, as coisas na natureza parecem compartilhar informações com mais rapidez do que foi previsto por Albert Einstein para o deslocamento de qualquer coisa – mais rapidamente do que a velocidade da luz.

Em alguns experimentos, os dados chegam aos respectivos destinos até mesmo antes de deixarem seus locais de origem.

Historicamente, acreditava-se que tais fenômenos fossem impossíveis, mas, aparentemente, eles não apenas são possíveis, como também podem nos mostrar algo mais do que simplesmente as interessantes anomalias de pequenas unidades da matéria. A liberdade de movimento que as partículas quânticas demonstram, pode revelar como o restante do universo funciona quando olhamos além dos conhecimentos da física.

Conquanto esses resultados possam ser parecidos com algum enredo futurístico de um episódio de Jornada nas Estrelas, eles estão sendo observados agora, sob o escrutínio dos cientistas de hoje em dia. Individualmente, os experimentos que produzem tais efeitos são certamente fascinantes e merecem uma investigação mais detalhada.

Considerados em conjunto, entretanto, eles também sugerem que nós podemos não estar tão limitados pelas leis da física quanto imaginávamos. Talvez as coisas sejam capazes de viajar mais rapidamente do que a velocidade da luz e talvez elas possam estar em dois lugares ao mesmo tempo.

E se as coisas têm essa capacidade, será que nós também temos? Essas são precisamente as possibilidades que entusiasmam os inovadores de hoje e que mexem com nossa imaginação.

É a associação da imaginação – a ideia de que alguma coisa possa ser como imaginamos – com a emoção que dá vida a uma possibilidade de que ela se transforme em realidade.

A manifestação se inicia com o desejo de abrir espaço em nossas crenças para alguma coisa que por hipótese não existe.

Criamos essa “alguma coisa” pela força da consciência e da percepção. 

O poeta William Blake reconhecia que o poder da imaginação era a essência da nossa existência, mais do que algo que simplesmente experimentávamos de vez em quando, durante nossos períodos de folga. “O homem é todo imaginação”, ele dizia e explicava: “O corpo eterno do homem é a imaginação, isto é, o próprio Plenum Cósmico/Deus”.

O filósofo e poeta John Mackenzie explicava mais ainda nosso relacionamento com a imaginação, e sugeria que “a distinção entre o que é real e o que é imaginário não é algo que possa ser mantido detalhadamente (…) todas as coisas são (…) imaginárias”.

Nessas duas descrições, os eventos concretos da vida devem primeiramente ser antevistos como possibilidades, antes de se transformarem em realidade.

Entretanto, para que as ideias do imaginário de um momento no tempo se transformem na realidade de outro momento, deve existir algo que interligue ambos. De alguma maneira deve existir no tecido do universo a conexão entre fantasias passadas e realidades presentes e futuras. 

Einstein acreditava firmemente que o passado e o futuro estavam intimamente entrelaçados com coisas de uma quarta dimensão, e que formavam uma realidade que ele chamou de espaço-tempo.

“A distinção entre o passado, o presente e o futuro”, ele dizia, “não passa de uma ilusão persistentemente obstinada”. 

Dessa maneira, por meios que nós apenas começamos a compreender, concluímos estar conectados não somente com tudo aquilo que vemos em nossa vida hoje, mas também com tudo o que já existiu, bem como com coisas que nem aconteceram ainda.

E o que estamos experimentando agora, é o resultado dos eventos que ocorreram (pelo menos parcialmente) no âmbito do universo visível.

As implicações desses relacionamentos são imensas.

Em um mundo onde um campo inteligente de energia conecta tudo, desde a paz mundial até as curas pessoais, e o que pode ter parecido mera fantasia e milagres antigamente, de repente se transforma em um acontecimento possível de suceder em nossa vida.

Com essas conexões em mente, devemos começar a pensar em um modo de nos relacionarmos com a vida, com nossa família e até mesmo com nossos relacionamentos casuais de uma nova e poderosa perspectiva.

Bom ou mau, certo ou errado, tudo, desde as mais leves e belas experiências da vida, até as ocasiões do mais horrível sofrimento humano, nada poderá mais ser considerado como obra do acaso.

Claramente o princípio para a cura, a paz, a abundância e a criação de experiências, carreiras e relacionamentos que nos trazem alegria é a compreensão da profundidade da ligação que temos com toda nossa realidade.

Buscando a Matriz
Em um passado não muito distante, os cientistas tentaram resolver o mistério da existência ou não de uma ligação nossa a um campo de energia inteligente, mediante a demonstração cabal da própria existência ou não de tal campo.

Ainda que a ideia da investigação fosse boa, cem anos depois ainda estamos nos recuperando da forma pela qual esse famoso experimento foi interpretado.

Como resultado disso, durante a maior parte do século XX, se algum cientista ousasse mencionar a existência de um campo unificado de energia interligando todas as coisas de um espaço que estaria vazio sem o tal campo, certamente seria alvo de chacota na sala de aula e arriscaria sua posição acadêmica na universidade.

Com raras exceções, essa não era uma concepção aceita, nem mesmo tolerada, em discussões científicas sérias. Entretanto, nem sempre as coisas foram assim. Ainda que continue sendo um mistério essa conectividade no universo, têm ocorrido inúmeras tentativas de batizar tal fenômeno, de dar-lhe um nome como uma maneira de reconhecer sua existência.

Nos sutras budistas, por exemplo, o reino do grande deus Indra é descrito como o lugar onde se origina toda a rede que interliga a totalidade do universo. “Muito distante, na morada celestial do grande deus Indra, existe um ninho maravilhoso feito por um ardiloso artesão de tal modo que ele se estende em todas as direções”.

Na história do surgimento da tribo Hopi, diz-se que o ciclo atual do globo terrestre começou há muito tempo, quando a Aranha Avó emergiu no vazio do mundo. A primeira coisa que ela fez foi girar a rede que interliga todas as coisas e, por meio dela, criar o lugar onde seus filhos pudessem viver. Os que acreditavam, desde os tempos dos antigos gregos, no campo universal de energia interligando todas as coisas davam-lhe o nome de Éter. O Éter era considerado como a própria essência do espaço na mitologia grega, era descrito como “o ar respirado pelos deuses”.

Tanto Pitágoras como Aristóteles o identificavam como sendo o misterioso quinto elemento da criação, aquele que se seguia aos quatro primeiros tão conhecidos: fogo, ar, água e terra.

Posteriormente, os alquimistas continuaram a usar as palavras dos gregos para descrever nosso mundo – uma terminologia que persistiu até o nascer da ciência moderna.

Contradizendo a visão tradicional da maioria dos cientistas de hoje em dia, algumas das maiores mentes da história não somente acreditavam na existência do éter, como levaram tal crença a um patamar superior.

Diziam que era necessário que o éter existisse para que as leis da física funcionassem como funcionam.

Sir Isaac Newton, o “pai” da moderna ciência, durante os anos de 1600 usou a palavra éter para descrever a substância invisível que permeava todo o universo, e que ele acreditava ser a responsável pela força da gravidade e pelas sensações experimentadas pelo corpo humano.

Ele a imaginava como um espírito vivo, ainda que reconhecesse a falta de um equipamento adequado para validar sua crença nos tempos que vivia.

Foi somente no século XIX que James Clerk Maxwell, autor da teoria eletromagnética, veio a oferecer formalmente uma descrição científica do éter que interliga todas as coisas. Ele o descreveu como uma “substância material de espécie mais sutil que os corpos visíveis e que se supunha existir em regiões do espaço aparentemente vazias”.

Muito recentemente, já no século XX, algumas das mentes científicas mais respeitadas ainda faziam uso da terminologia antiga para descrever a essência que preenche o espaço vazio. Imaginavam o éter como uma substância real e com uma consistência que o situava entre a matéria física e a energia pura.

Era através do éter, raciocinavam os cientistas, que a luz se movia de um ponto ao outro, navegando no que, se não fosse por ele, pareceria tratar-se de um espaço vazio.

“Não posso senão pensar no éter, possível base de um campo eletromagnético com energia e vibrações, como provido de um certo grau de consistência, por mais diferente que possa ser de toda a matéria comum”, afirmou em 1906 o físico ganhador do prêmio Nobel Hendrik Lorentz. As equações de Lorentz foram as que deram a Einstein o instrumental para desenvolver sua revolucionária teoria da relatividade.

Ainda que suas teorias parecessem prescindir do éter no universo, o próprio Einstein acreditava que alguma coisa seria descoberta para explicar como o vazio do espaço era ocupado, e afirmava: “O espaço sem o éter é inimaginável.”

De uma forma semelhante ao modo de pensar de Lorentz e dos antigos gregos, que acreditavam ser essa substância o meio através do qual as ondas se deslocavam, Einstein afirmava que o éter era necessário para que as leis da física pudessem existir:

“No espaço (sem o éter) não apenas seria impossível a propagação da luz, mas também não seria possível existir padrões para o espaço e o tempo”. 

Embora por um lado parecesse que Einstein concordava com a possibilidade do éter, por outro lado ele advertia que o éter deveria ser considerado como energia no seu sentido mais usual. “O éter não pode ser imaginado como provido das qualidades características de um meio ponderável, como se consistisse de partes (partículas) que pudessem ser acompanhadas ao longo do tempo.” Assim, ele descrevia como conseguia manter a compatibilidade entre a existência do éter – mesmo levando em conta sua natureza não-convencional – e suas teorias. Ainda hoje, a simples menção de campo de éter provoca debates acalorados sobre sua possível não existência.


Do que é feita a Matriz Divina? 
por Gregg Braden
Os experimentos mostram que a Matriz é feita de uma modalidade de energia que não se assemelha a nada conhecido no passado – e foi por esse motivo que os cientistas levaram tanto tempo para descobri-la.

Conhecida como “energia sutil”, ela simplesmente não funciona da maneira que um campo elétrico convencional típico funciona. Em vez disso, ela tem a aparência de uma rede de malha bem apertada e forma o tecido da criação, o mesmo que denomino Matriz Divina.

Dentre as muitas definições possíveis para a Matriz Divina, talvez a mais simples seja pensá-la como sendo formada de três coisas básicas:
1 – é o receptáculo dentro do qual existe o universo;
2 – é a ponte entre nosso mundo interior e o exterior;
3 – é o espelho que reflete nossos pensamentos diários, nossos sentimentos, emoções e crenças.
Existem mais três atributos que colocam a Matriz Divina em uma posição separada de todas as energias da mesma espécie. 

Em primeiro lugar, ela pode ser descrita como estando presente em toda parte todo o tempo, então, ela já existe.

Contrariamente à irradiação da TV ou da radioemissora, que deve ser criada em determinado lugar e ser transmitida para algum outro lugar, esse campo já aparenta estar presente em toda parte.

Em segundo lugar, aparentemente esse campo surgiu juntamente com a criação do universo – com o Big Bang, ou seja lá o que tenhamos escolhido chamar de “o princípio”.

Obviamente, ninguém se encontrava por aqui para nos dizer o que havia antes, mas os físicos acreditam que essa enorme liberação de energia lançadora do universo no campo da existência foi o próprio ato da criação do espaço propriamente dito.

Como o Hino da Criação do antigo Rig Veda nos sugere, antes do começo “nem ao menos o nada existia, não havia o ar ainda, nem nenhum firmamento”.

Como a existência do “nada” explodiu de “alguma coisa” do espaço, o que ficava entre o nada nasceu.

Podemos conceber a Divina Matriz como um eco desse momento em que o tempo surgiu, como um elo feito de tempo e espaço nos conectando à criação de todas as coisas.

É a natureza dessa conexão sempre presente que possibilita a não-localidade das coisas que existem dentro da Matriz.

A terceira característica desse campo, talvez aquela que o torna tão significativo para nossa vida, é a sua aparente “inteligência”.

Em outras palavras, o campo responde ao poder das emoções humanas.

Na linguagem de outros tempos, as tradições antigas fizeram o melhor possível para compartilhar esse grande segredo conosco.

Inscritas nas paredes do templo, confinadas em pergaminhos gastos pelo tempo, firmemente estabelecidas na vida das pessoas, as instruções nos dizem como nos comunicar com a energia que conecta todas as coisas e que foram deixadas pelos que vieram antes de nós. 

Nossos ancestrais tentaram nos mostrar como curar nosso corpo e dar vida aos nossos mais profundos desejos e maiores sonhos.

Somente agora, aproximadamente 5.000 anos depois que a primeira dessas instruções foi registrada, a linguagem da ciência redescobriu as mesmas relações entre nosso mundo e nós mesmos. 

A energia descoberta nesses experimentos (e teorizada por outros) é tão nova que falta ainda aos cientistas concordar sobre um único termo para descrevê-la.

Portanto, existem muitos nomes diferentes que estão sendo usados para identificar o campo que interliga tudo.

Por exemplo, Edgar Mitchell, o primeiro astronauta da nave espacial Apollo batizou-a de “a mente da natureza”.

O físico e coautor da teoria das supercordas, Michio Kaku, descreveu essa energia como o “Holograma Quântico“.

Conquanto esses sejam rótulos modernos para a força cósmica que se acredita responsável pelo universo, encontramos temas semelhantes, até mesmo palavras semelhantes, em textos criados milhares de anos antes da física quântica.

Por exemplo, os evangelhos gnósticos que datam do século IV também usaram a palavra mente para descrever essa força dizendo como “do poder do Silêncio surgiu um grande poder, a Mente do Universo, que dirige todas as coisas”.

Por mais diferentes que os nomes pareçam ser, todos, aparentemente, estão descrevendo a mesma coisa – a essência viva que é o tecido de nossa realidade.

É a essa mente que Planck faz referência quando estava em Florença, na Itália, em meados do século XX. Durante a palestra que apresentou em 1944, ele fez uma declaração que muito provavelmente não foi nem mesmo completamente compreendida pelos cientistas daquela época.

Em palavras proféticas, que seriam tão impactantes no século XXI como foram quando pronunciadas há tantos anos, Planck disse:”Na qualidade de alguém que devotou a vida inteira à ciência mais esclarecida, ao estudo da matéria, posso fazer a seguinte afirmativa como resultado de minhas pesquisas sobre os átomos: a matéria, como matéria propriamente dita, não existe! Toda matéria se origina e existe apenas em virtude da força que faz vibrar as partículas de um átomo e que consegue manter unido esse extremamente diminuto sistema solar. Devemos assumir que por trás dessa força existe uma Mente consciente e inteligente. Essa Mente é a matriz de toda a matéria”.

Sem sombra de dúvida, os experimentos e a discussão  nos mostram que a matriz de Planck existe. O campo que interliga toda a criação é real, ele existe independentemente de uma designação adequada ou de uma lei da física que explique seu funcionamento. 
Ele se encontra aqui neste exato momento, existe tanto quanto eu e você. É o universo dentro de nós assim como o universo que nos cerca, a ponte quântica entre tudo o que é possível em nossa mente e o que é real no mundo. 
A mesma matriz da energia que explica por que os três experimentos funcionaram daquela forma, também demonstra que os sentimentos positivos que se encontram dentro de nós são muito eficazes em torno de nós. 
Contudo, a nossa ligação à Matriz de toda a matéria vai além disso … ela continua em coisas que não podemos ver. 
A Matriz Divina está em toda parte e em todas as coisas. 
Toda matéria existe dentro do mesmo invólucro de realidade, do pássaro voando no céu às partículas cósmicas que passam através de nosso corpo e casa como se fôssemos espaço vazio: é a Matriz Divina. 
E o que preenche o vazio entre você, leitor, e as palavras desta página. É aquilo que constitui o próprio espaço. Quando se pensa sobre a Matriz e quando nos perguntamos sobre sua localização, podemos ficar tranquilos que onde quer que o espaço exista também estará presente essa energia sutil.

O que tudo isso significa afinal?
Como um grande segredo do qual todos suspeitam, mas raramente é alvo de conversas, pela Matriz Divina estamos todos conectados do modo mais íntimo que possamos imaginar.

Mas o que significa essa conexão?

Qual o significado de compartilharmos o espaço quântico puro onde vive a imaginação e onde a realidade nasce e de nos envolvermos tão profundamente com nosso mundo e com a vida de outras pessoas?

Se verdadeiramente formos mais do que simples observadores casuais de nossa vida e o mundo “acontecer” em torno de nós, até que ponto poderemos “crescer” mais?

Os experimentos anteriores demonstraram que dentro de nós existe um poder diferente de qualquer um já criado por máquinas de laboratório.

É uma força que não é limitada pelas leis da física – pelo menos não pelas leis que compreendemos hoje. E não precisamos de um experimento de laboratório para que essa conexão exista.

Quantas vezes telefonamos para alguém só para descobrir que essa pessoa já estava na linha quando tiramos o fone do gancho … ou quantas vezes discamos um número e depois descobrimos que a linha estava ocupada porque a mesma pessoa com quem queríamos falar estava ligando para falar conosco?

Em quantas ocasiões nos encontramos nos divertindo com amigos em uma rua movimentada, em um shopping ou no aeroporto, e somos assaltados pela estranha sensação de que já estivemos naquele lugar antes, ou com aquelas pessoas anteriormente, fazendo exatamente o que estamos fazendo naquele momento?
Ainda que esses exemplos simples gerem comentários divertidos, eles são mais do que circunstâncias aleatórias.

Embora não possamos provar cientificamente por que essas coisas acontecem, nós todos sabemos que elas ocorrem. Em tais momentos de conectividade e déjà vu, nos encontramos, espontaneamente, transcendendo os limites impostos pelas leis físicas.

Nesses breves instantes, somos lembrados de que provavelmente existe mais sobre o universo e sobre nós do que possamos conscientemente conhecer. Esse é o mesmo poder nos dizendo que somos mais do que simples observadores neste mundo.

O segredo para nos experimentarmos nesse sentido é criar essas experiências intencionalmente – é ter percepções transcendentais quando bem desejarmos, em vez de apenas quando elas parecem “acontecer”. 

Com exceção de poucas pessoas com dotes especiais, aparentemente existem boas razões para não podermos estar em dois lugares ao mesmo tempo, fazer viagens através do tempo e nos comunicarmos mais rapidamente do que permitem as leis da física. Tudo se resume no que acreditamos sobre nós mesmos e sobre o papel que acreditamos desempenhar no universo.

Somos criadores – e mais que isso ainda, somos criadores e estamos interligados. Por meio da Matriz Divina participamos da constante mudança que dá significado à vida. A questão que se coloca diz menos respeito ao fato de sermos ou não observadores passivos, e refere-se mais à definição de como poderemos criar de forma intencional.

DNA e as Emoções 
Experiências e respostas do DNA em relação às nossas emoções 
Por Gregg Braden.
A seguir, três assombrosos experimentos com o DNA (ADN) que provam as qualidades e sua autocura em consonância com os sentimentos da pessoa.
Experimento 1:
O primeiro experimento foi realizado pelo Dr. Vladimir Poponin, um biólogo quântico. Nessa experiência começou-­se por esvaziar um recipiente (quer dizer que se criou um vazio em seu interior) e o único elemento deixado dentro foram fótons (partículas de luz). Foi medida a distribuição desses fótons e descobriu-­se que estavam distribuídos aleatoriamente dentro desse recipiente. Esse era o resultado esperado. Então, foi colocada, dentro do recipiente, uma amostra de DNA e a localização dos fótons foi medida novamente. Desta vez os fótons haviam se organizado em linha com o DNA. Em outras palavras, o DNA físico produziu um efeito não-­físico nos fótons. Depois disso a amostra de DNA foi removida do recipiente e a distribuição dos fótons foi medida novamente. Os fótons permaneceram ordenados e alinhados onde havia estado o DNA. A que estão conectadas as partículas de luz? Gregg Braden diz que estamos impelidos a aceitar a possibilidade de que exista um NOVO campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio desse campo.
Experimento 2:
Este experimento foi levado a cabo pelos militares. Foram recolhidas amostras de leucócitos (células sanguíneas brancas) de um número de doadores. Essas amostras foram colocadas em um local equipado com um aparelho de medição das mudanças elétricas. Nessa experiência, o doador era colocado em um local e submetido a “estímulos emocionais” provenientes de video-clipes que geravam emoções ao doador. O DNA era colocado em um lugar diferente de onde se encontrava o doador, mas no mesmo edifício. Ambos, doador e seu DNA, eram monitorados e quando o doador mostrava seus altos e baixos emocionais (medidos em ondas elétricas), o DNA expressava respostas idênticas e ao mesmo tempo. Não houve lapso e retardo de tempo de transmissão. Os altos e baixos do DNA coincidiram exatamente com os altos e baixos do doador. Os militares queriam saber o quão distantes podiam ser separados o doador e seu DNA e continuarem observando este efeito. Pararam de experimentar quando a separação atingiu 80 quilômetros entre o DNA e seu doador e continuaram tendo o mesmo resultado. Sem lapso e sem retardo de transmissão, o DNA e o doador tiveram as mesmas respostas ao mesmo tempo. Que significa isso? Gregg Braden diz que as células vivas se reconhecem por uma forma de energia não reconhecida anteriormente. Essa energia não é afetada pela distância e nem pelo tempo. Essa não é uma forma de energia localizada, é uma energia que existe em todas as partes e todo o tempo.

Experimento 3:
O terceiro experimento foi realizado pelo Instituto Heart Math e o documento que lhe dá suporte tem este título: “Efeitos locais e não locais de frequências coerentes do coração e alterações na conformação do DNA”. Esse experimento relaciona-­se diretamente com a situação e com o antrax. Nesse experimento, tomou-­se o DNA de placenta humana (a forma mais próxima de DNA) e colocou­-se em um recipiente onde se podia medir suas alterações; 28 amostras foram distribuídas em tubos de ensaio, ao mesmo número de pesquisadores previamente treinados. Cada pesquisador havia sido treinado a gerar e sentir sentimentos, e cada um deles podia ter fortes emoções. O que se descobriu foi que o DNA mudou de forma de acordo com os sentimentos dos pesquisadores.

Quando os pesquisadores sentiram gratidão, amor e apreço, o DNA respondeu relaxando-­se e seus filamentos esticando-­se. O DNA tornou-­se mais grosso. Quando os pesquisadores sentiram raiva, medo ou stress, o DNA respondeu apertando­-se. Tornou-­se mais curto e apagou muitos códigos.

Você já se sentiu alguma vez “descarregado” por emoções negativas? Agora já sabe por que seu corpo também se descarrega. Os códigos de DNA conectaram-­se novamente quando os pesquisadores tiveram sentimentos de amor, alegria, gratidão e apreço.

Essa experiência foi aplicada posteriormente a pacientes com HIV positivo. Descobriram que os sentimentos de amor, gratidão e apreço criaram respostas de imunidade 300.000 vezes maiores que as que tiveram sem eles.

Assim, temos aqui uma resposta que nos pode auxiliar a permanecer com saúde, sem importar quão daninho seja o vírus ou a bactéria que esteja flutuando ao redor: mantendo-­se os sentimentos de alegria, amor, gratidão e apreço.

Essas alterações emocionais foram mais além de seus efeitos eletromagnéticos. Os indivíduos treinados para sentir amor profundo foram capazes de mudar a forma de seu DNA.

Gregg Braden diz que isso ilustra uma nova forma de energia que conecta toda a criação. Essa energia parece ser uma rede estreitamente tecida que conecta toda a matéria. Podemos influenciar essencialmente essa rede de criação por meio de nossas vibrações.

RESUMO: que tem a ver os resultados dessas experiências com nossa situação presente? Esta é a ciência que faculta escolher uma linha de tempo que nos permite estar a salvo, não importa o que aconteça.

Como Gregg explica em seu livro “O Efeito de Isaías”, basicamente, o tempo não é apenas linear (passado, presente e futuro) mas é também profundidade.

A profundidade do tempo consiste em todas as linhas de tempo e de oração que possam ser pronunciadas ou que existam.

Essencialmente, suas orações já foram respondidas.

Simplesmente ativamos a que estamos vivendo por meio de nossos sentimentos.

É assim que criamos nossa realidade quando a escolhemos com nossos sentimentos. Esses sentimentos estão ativando a linha do tempo por meio da rede de criação que conecta a energia e a matéria do universo.


Lembre-­se de que pela Lei do Universo atraímos aquilo que colocamos em nosso foco. 

Se você focar em temer qualquer coisa, seja lá o que for, estará enviando uma forte mensagem ao Universo para que lhe envie aquilo que você mais teme. 

Em troca, se você puder se manter com sentimentos de alegria, amor, apreço ou gratidão e focar-­se em trazer mais disso para sua vida, automaticamente conseguirá afastar o negativo.

Com isso, você estaria escolhendo uma linha de tempo diferente com esses sentimentos. Pode-­se prevenir o contágio do antrax ou de qualquer outra gripe ou vírus, ao se permitir sentimentos positivos que mantêm um sistema imunológico extraordinariamente forte.

Sendo assim, essa é uma proteção para o que vier.

Busque algo pelo qual você possa estar alegre todos os dias, cada hora se possível, momento a momento, ainda que sejam alguns poucos minutos.

Esta é a mais fácil e melhor das proteções que você poderá ter. Aliás, os mestres de sabedoria de todos os tempos sempre afirmaram isso que se comprova cientificamente hoje.

Como descobrir o que os sentimentos de atração dizem
Todos nós dominamos a arte de desistir de partes de nós mesmos, quando sentimos que no momento é uma medida necessária para nossa sobrevivência física ou emocional.

Quando fazemos isso, é fácil nos vermos como “inferiores” e sermos iludidos pelas nossas crenças sobre o que restou. Para algumas pessoas, a compensação ocorre antes da percepção, sem que cheguem a compreender o que ocorre, enquanto para outras, trata-se de uma escolha consciente.

Convido-o a mergulhar em si mesmo no momento em que encontrar alguém que lhe desperte um sentimento de proximidade e empatia. Algo de raro e precioso está acontecendo com ambos nesse instante: você acaba de encontrar quem guardava suas partes perdidas que você tanto procurava.

Frequentemente trata-se de uma experiência de mão dupla, pois a outra pessoa sente-se atraída pela mesma razão.

Usando seu poder de discernimento, você percebe que deve iniciar uma conversa. Comece falando sobre alguma coisa – qualquer coisa – para manter o contato pelo olhar.

Enquanto fala, mentalmente proponha a si mesmo a seguinte pergunta: O que vejo nesta pessoa que perdi em mim mesmo, que desisti, ou que tiraram de mim?

Quase imediatamente uma resposta surgirá em sua mente.

Pode ser alguma coisa tão simples como um sentimento de realização ou algo tão claro como a voz interior que você reconhece e que tem estado desde criança em sua companhia.

As respostas frequentemente são palavras simples ou frases curtas, e seu corpo saberá o que tem sentido para você.

Talvez você simplesmente perceba algo de belo nessa pessoa de que você sente falta em si mesmo naquele momento. Trata-se de você encontrando uma parte sua em outra pessoa, algo que você tem, bem como o sentimento do que seria despertar alguma coisa assim no seu íntimo.

Para os que têm a coragem de reconhecer o sentimento de familiaridade de tais encontros, o medo da perda, provavelmente, desaparece.

Encontramos uma sensação de plenitude em nós mesmos quando os outros espelham em nós a verdadeira natureza deles.

Coletivamente, estamos olhando para nossa plenitude, e criamos individualmente as situações que nos levam a encontrá-la, professores, pessoas mais velhas, jovens, pais e filhos, o sexo oposto, todos são catalisadores de sentimentos.

Nesses sentimentos encontramos as coisas que ansiamos ter em nós mesmos, o que ainda existe em nós, mas está oculto pelas máscaras do que acreditamos que somos. É natural e humano.

A compreensão do que nossos sentimentos realmente nos contam a respeito dos outros, pode se transformar no mais poderoso instrumento para descobrirmos nosso potencial máximo.

NOTA E CONCLUSÃO
Quase universalmente, compartilhamos uma sensação de que existe mais em nós do que os olhos vêem. Em algum lugar, emergindo da névoa da memória coletiva de um passado distante, sabemos que temos poderes mágicos e miraculosos dentro de nós. Desde a época de nossa infância, fantasiamos sobre nossa capacidade de fazer coisas além da razão e da lógica. E por que não? Quando ainda somos crianças temos que “aprender” a regra de que milagres não são coisas que acontecem todos os dias. Os lembretes de nosso potencial miraculoso estão a nossa volta. De acordo com todos os experimentos e pesquisas, juntamente com a demonstração dos que transcenderam os limites de suas próprias crenças, acreditamos que a resposta seja sim. Se as partículas das quais somos feitos podem se comunicar instantaneamente entre si, existir em dois lugares ao mesmo tempo, viver tanto no passado como no futuro e até mesmo mudar a história mediante escolhas no presente, então nós também podemos. A única diferença entre nós e aquelas partículas isoladas é que somos feitos de uma quantidade enorme delas, mantidas juntas graças à própria Consciência. A mística dos tempos antigos lembra ao nosso coração, e as experiências modernas têm comprovado perante a razão, que a força mais poderosa do universo vive no interior de cada pessoa. E que o grande “conhecimento secreto” da própria criação é: ter o poder de criar o mundo que imaginamos em nossas crenças. Ainda que isso possa parecer muito simples para ser verdade, acreditamos que o universo funciona precisamente desse modo. Se pudermos nos lembrar de que somos não só a obra de arte como também o artista que a criou, talvez então nos lembremos de que somos a semente do milagre, tanto quanto o milagre em si mesmo. Se pudermos operar essa pequena mudança, já estaremos curados na Matriz Divina.

Post relacionado sobre o livro de Gregg Braden “Awakening to Zero Point” –
Bibliografia para consulta
1 – A Matriz Divina – Gregg Braden
2 – O Efeito Isaías – Gregg Braden
3 – The Sciense of Miracles – Gregg Braden
4 – O Código de Deus – Gregg Braden
5 – Segredos de um modo Antigo de Rezar – Gregg Braden
6 – Fractal Time – Gregg Braden
7 – Awakening to  Zero Point – Gregg Braden
8 – Verdade Profunda – Gregg Braden
9 – O Segredo de 2012 – Gregg Braden
10 – Spontaneous Healing and Belief – Gregg Braden
11 – The Turning Point – Gregg Braden 
LEIA TAMBÉM, CLIQUE:

A MUDANÇA DOS PÓLOS ESTÁ ACONTECENDO AGORA

Gregg Braden é reconhecido e respeitado internacionalmente como um pioneiro na fabricação da ponte ciência e espiritualidade. 

Após uma bem sucedida carreira como Geólogo e analista de Computador para a empresa petrolífera Phillips Petroleum, durante a crise de energia da década de 1970, ele trabalhou como Senior Designer  de Sistemas de Computação com Sistemas de Defesa na empresa do complexo militar-industrial Martin Marietta Defense System durante os últimos anos da Guerra Fria entre URSS e EUA. Em 1991 ele se tornou o primeiro Gerente de Operações Técnicas  da companhia Cisco Systems, onde liderou o desenvolvimento da equipe de apoio global que assegurou a confiabilidade da internet de hoje. 
Até  o presente, as descobertas de Gregg Braden levaram a livros destruidores de paradigmas, tais como: “Awakening to Zero Point”, “O Efeito Isaías ”,  “O Código de Deus”,  “A Matriz Divina, e  “Tempo Fractal: O Segredo de 2012”e o “ Idade do Novo Mundo”, que estreou em  5º lugar  na lista dos mais vendidos do New York Times duas semanas após seu lançamento. “Profunda Verdade” é o mais novo livro de Gregg Braden.
A mudança do campo eletromagnético e dos Pólos norte e sul do planeta está acontecendo agora. 
Uma entrevista do cientista, escritor, espiritualista, pesquisador Gregg Braden a Wynn Free de Alienshift. 
Há muitos indicadores quantificáveis ??científicos que comprovam que a Terra e o Sistema Solar inteiro estão passando por mudanças que nunca ocorreram anteriormente dentro da história humana registrada nesse atual ciclo. 
Muitos médiuns e canalizadores também receberam(em) mensagens que nos dizem que nós entramos no início de uma mudança dimensional que já está afetando profundamente toda a nossa vida planetária. E alguns preveem que dentro da próxima (atual) década vamos entrar em um processo de Ascensão Coletiva cumprindo as profecias do Cristo
Gregg Braden é provavelmente a pessoa mais reconhecida nos meios científicos que está a avaliar e revelar os fenômenos científicos que apontam para essa mudança. Ele ficou intrigado com tudo isso quando ele estava trabalhando como Geólogo para a Phillips Petroleum no final de 1970, há quase quarenta anos e percebeu que o magnetismo da terra estava em seu ponto mais baixo em 2.000 anos e diminuindo a um ritmo acelerado. Como resultado dessas descobertas, Braden escreveu um livro – “Awakening to Zero Point” – que documentou este e outros indicadores de que as condições em nosso planeta está em rápida e acelerada mutação. 
WYNN: É verdade que os pólos magnéticos da Terra estão em processo de mudança agora? 
Gregg Braden: Em Maio-Junho-Julho de 2002, foi muito bem reconhecido e valorizado por revistas científicas que realmente estavam divulgando PELA PRIMEIRA vez que estamos no processo de uma inversão polar e mudança no campo eletromagnético planetário. Voltando na década de 1960, os geólogos estavam certos de que a terra periodicamente passa através de uma reversão dos seus polos magnéticos. Eles puderam declarar e confirmar isso a partir dos resultados obtidos da análise de amostras do núcleo de gelo, e de antigos fósseis, bem como de partículas magnetizadas que foram bloqueados em determinadas posições dentro das rochas da Terra. Os geólogos estavam tão certos sobre este fenômeno que realmente mapearam o fenômeno pelos últimos quatro milhões e meio de anos, e os registros resultantes sugerem que o planeta Terra “já passou por 14 destes reversões polares e do seu campo eletromagnético”. 
Naquela tempo, entre 1961 e 1962, há meio século no passado, os cientistas achavam que a última inversão dos pólos teria ocorrido por volta da época da última Idade do Gelo, de dez a 12 mil anos atrás (N.T. Foi em 10.986 a.C. e provocou o afundamento de Atlântida, no evento conhecido como o Dilúvio da Bíblia). E eles estavam certos de que isso iria acontecer novamente, mas somente que seria há milhares de anos no futuro, por isso não havia nada para se preocupar. MAS na década de 1990, os geólogos continuaram a refinar este tipo de informação e seus estudos e obtiveram novos e diferentes resultados em relação ao TEMPO. Eles haviam dito que levaria ainda milhares de anos para que isso acontecesse novamente. Então eles começaram a declarar: “Bem, isso pode acontecer em centenas de anos.”(e NÃO MAIS MILHARES de anos).
Mas agora, nos dias de hoje, cinquenta anos depois das primeiras descobertas e pesquisas, recentes evidências encontradas em alguns dos núcleos de gelo da Groenlândia e da Antártica que dizem que ESSA MUDANÇA poderia acontecer em tão pouco tempo quanto uma década apenas. Mas agora, sabemos hoje que os pólos JÁ ESTÃO se movendo. Nós estamos vivendo isso exatamente agora. Nós não sabemos exatamente o que isso significa, porque mesmo que tenha acontecido no mínimo já catorze vezes nos últimos quatro milhões e meio de anos, isso nunca aconteceu antes com sete bilhões de pessoas vivendo na terra em cidades, algumas gigantescas (e a população crescendo…). 
Wynn: Você esta dizendo que esse fato já é do conhecimento comum? 

Gregg Braden: É de conhecimento comum para pessoas que precisam (E PARA AS QUE ESTÃO BUSCANDO DESCOBRIR A VERDADE) saber estas coisas. 
Por exemplo, nos regulamentos da agência federal da aviação dos EUA, a FAA (Federal Aviation Administration)  dizem que, quando os pólos se moverem para além de cinco graus de sua posição, as pistas dos aeroportos tem que ser renumeradas para voltar a se correlacionar com as indicações (Bússolas) magnéticas que os instrumentos de bordo dos aviões estão acusando ao decolarem/aterrissarem. O primeiro aeroporto nos Estados Unidos a refazer a sua localização e repintar as coordenadas de sua localização nas cabeceiras de suas pistas de decolagem foi o St. Paul, na cidade de Minneapolis, em Minnesota-EUA 
Sobre coordenadas ver mais em: 
Onde foi gasto algo na ordem de oitenta e cinco mil dólares para se pintar e renumerar as NOVAS coordenadas da pista. 
Mas o que aconteceu no período maio-junho-julho de 2002 é que (pela primeira vez na história) grandes revistas científicas, tais como Nature, Science, Scientific American, e New Scientist publicaram relatórios dizendo que estamos definitivamente já em processo de uma reversão do campo magnético e dos polos, o que os fios da agência de notícias AP-Associated Press logo captou. Os cientistas ainda não têm ideia do impacto que essa mudança vai causar em um mundo de tecnologia eletrônica e nas redes de geração e distribuição de energia elétrica, de comunicações via satélite, etc. (N.T.ou se as têm e sabem preferem ficar calados, nada declarando para não causar pânico e obedecendo orientação de seus governos)  
Mas, ainda há mais, eles não sabem qual será o impacto no sistema imunológico humano. As modalidades de tratamentos e cura alternativa têm mostrado uma ligação entre o magnetismo e o sistema imunológico do corpo (como a acupuntura chinesa), que também implicaria que o nosso sistema imunológico poderia muito bem estar inserido nos campos magnéticos da terra.
Também sabemos que os pássaros e animais marinhos (mamíferos como as baleias, golfinhos, orcas) migram através dos oceanos se utilizando da linha de grade do campo eletromagnético do planeta para sua orientação. Portanto, há especulações (já é uma CERTEZA) de que as mudanças que estão ocorrendo no campo magnético são responsáveis ? ?pelos padrões de mudança na rota das aves migratórias e dos grandes mamíferos marinhos que foram registradas em todos os oceanos da Terra. A mudança atual no campo eletromagnético também pode explicar por que as baleias, orcas e golfinhos estão encalhando e morrendo às centenas nas costas de todos os continentes. As linhas de navegação que esse animais sempre seguiram pelos oceanos mudaram e agora levam-nos para uma praia qualquer. 
Quando seres humanos preocupados em ajudá-los levam-nos de volta para a água e os colocam em liberdade, eles voltam a se alinhar com as mesmas linhas magnéticas em mudança, e em segui-las, e então eles acabam encalhados nas praias novamente e morrem. Então, sim, podemos dizer que já é de conhecimento comum agora (pelo menos para aquela parcela da humanidade, pequena ainda, que esta em busca de informações e em processo evolutivo). As revistas científicas mais respeitadas já dizem que estamos em meio a esta mudança. E mesmo que não saibamos exatamente o que isso significa, é significativo que esse assunto e fato está sendo reconhecido em outros meios e tipos de literatura sérios, e não apenas em revistas especulativas ou pseudocientíficas. 
Wynn: Quando foi que essa mudança magnética foi reconhecida pela primeira vez? 
Gregg Braden: Teria sido nesse período junho/julho de 2002. As pessoas estavam me mandando e-mails de que tinham visto e lido sobre o assunto, e me dando referências. Eu mesmo também encontrei matérias e referências nas revistas sobre o assunto. 
Wynn: Será que vamos sobreviver a uma mudança completa dos polos e do campo eletromagnético?
Gregg Braden: Qualquer resposta a essa pergunta deve necessariamente permanecer dentro do reino da especulação, porque na história humana tradicional registrada isso nunca aconteceu antes. Por outro lado, existem tradições das nações indígenas dos EUA e antigas tradições bíblicas dos hebreus (e de outros povos) sugerindo que uma mudança magnética pode ter acontecido mesmo, mais recentemente, do que a última Idade do Gelo em torno de 13.000 anos atrás, e essas tradições sugerem que a última mudança polar poderia ter acontecido mais recentemente, em torno de 3.600 anos. Há lendas indígenas (antigo México e no Peru, dos INCAS) que falam de um dia em 3.600 anos atrás, quando o sol teria então se levantado a partir do oeste, como sempre tinha feito até então, pairando no céu por mais de um dia inteiro, e se pondo no leste, mas no dia seguinte, levantando-se no leste e se pondo no oeste, como faz até hoje. As tradições hebraicas falam deste evento também, dizendo que isso aconteceu durante uma batalha (o cerco a povos de Canaã). 
N.T. – No Capítulo 7 do livro “Os Reinos Perdidos”(The Lost Realms) de Zecharia Sitchin, podemos ler:
Completamente ignorado pelos estudiosos como uma pista válida é a declaração repetida nas lendas dos Incas nos Andes (local antípoda da Terra Santa) de que houve uma escuridão assustadora há um longo tempo de seu passado. Ninguém se perguntou se essa era a mesma escuridão devida  pelo não aparecimento do sol quando atrasou seu nascimento de que as lendas mexicanas também falam em um conto na região de Teotihuacan e suas pirâmides, no antigo México.  
Se não houvesse  sido de fato um fenômeno global, que o sol não se levantasse pela manhã e a noite então se estendesse pelo dia, então tal evento de extensão da noite de tal magnitude teria sido observado em todas as Américas. As lembranças coletivas os mexicanas e dos andinos parecem corroborar um e o outro local neste ponto, e portanto, um defende e corrobora a veracidade do fato, como duas testemunhas para o mesmo evento em locais distantes e sem contato entre si.
Segundo o Frei Dominicano Antonio de Montesinos e outros cronistas da história dos povos andinos, esse evento extremamente inusitado aconteceu no reinado de Titu Yupanqui Pachacuti II, o 15º monarca, em tempos do antigo império INCA. Foi no terceiro ano de seu reinado, quando “os bons costumes foram esquecidos pelos homens e as pessoas se  deram, se entregaram  a todos os tipos de vício”,  foi nesse tempo em que  ”não houve aurora por vinte horas, o “SOL NÃO NASCEU NAQUELE DIA.”  
Em outras palavras, a noite não terminou  quando  deveria e o nascer do sol foi adiado durante vinte horas, tendo a noite avançado pelo dia. Depois de um grande clamor do povo, confissão de pecados, rezas, sacrifícios e orações, o sol finalmente se levantou. Isso não poderia ter sido causado por um eclipse: não foi descrito de que o brilho do sol  foi obscurecido por uma sombra. Além disso, nenhum eclipse dura tanto tempo, e os sacerdotes peruanos da nação INCA estavam cientes de tais eventos periódicos. O registro não diz que o sol desapareceu, ele apenas diz que ele não se levantou “não houve aurora” – durante vinte horas.
Mas, se mesmo isso não é convincente o suficiente ainda, vamos chamar a Bíblia em testemunho, e sobre ninguém menos que Josué como sendo a própria testemunha.
Era como se o sol, onde quer que ele estivesse escondido, de repente parasse.  Se a lembrança andina e mexicana for verdadeira, então em algum outro lugar, no lado oposto da Terra nessa data, o Dia teria que durar o mesmo tempo extra da noite andina, percebida na América do Sul e Central, não terminando quando ele deveria ter terminado, mas que se prolongasse pelo mesmo período do dia, durando cerca de vinte horas a mais, o tempo equivalente percebido como escuridão extra pelos INCAS.
E TAL FATO ACONTECEU E ESTA REGISTRADO NO LIVRO SAGRADO CONHECIDO COMO A BÍBLIA CATÓLICA, em seu Livro de JOSUÉ, capítulo 10: versículos 11 a 14.

Os antigos hebreus tomaram como um claro sinal de que a assistência celestial estava ao seu lado, porque ficou dia um longo tempo extra o suficiente para a batalha terminar com a sua vitória. Não podemos verificar isso nos discos de pedra ou em fósseis, porque 3.600 anos passados é demasiado período curto de tempo para um tal evento ficar assim registrado. Tudo o que temos para analisar são as tradições, lendas e mitos preservados oral e descritos em registros históricos de povos antigos. O que a tradição nos diz, no entanto, é que se algo assim fosse acontecer, os povos da terra sobreviveram a ela. Teria que ser um dia muito estranho para se viver, mas se as lendas antigas são verdade, isso aconteceu e as pessoas aparentemente sobreviveram a mudança (que pode ter sido suave e não definitiva). No entanto, não sei como isso afetou suas vidas. 
“O SENHOR lançou sobre eles, do céu, grandes pedras, até AZECA, {uma referência à AZTECA, no MÉXICO?} e morreram; e foram muitos mais os que morreram das pedras da saraiva do que os que os filhos de Israel mataram a espada. Então Josué falou ao SENHOR, no dia em que o SENHOR deu os amorreus nas mãos dos filhos de Israel, e disse na presença dos israelitas: SOL, detém-te em Gibeom, e tu, LUA, no vale de Ajalom. E o SOL SE DETEVE, e a LUA PAROU, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no Livro de JASHER? O SOL, pois, se DETEVE no MEIO DO CÉU, e não se apressou a se pôr, quase um dia inteiro. E não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele, ouvindo o SENHOR assim a voz de um homem (Josué); porque o SENHOR pelejava por Israel.” Josué 10:11-14

“61 E enquanto eles estavam fugindo, o Senhor enviou-lhes pedras de granizo do céu, e mais deles morreram pelos granizos, do que pelo abate dos filhos de Israel.
62 E os filhos de Israel os perseguiram, e ainda os feriu na estrada, indo e ferindo-os.
63 E quando eles estavam lutando ainda, o dia estava declinando em direção à noite, e Josué disse à vista de todas as pessoas, SOL, que tu fiques em Gibeom, e tu LUA, fiques no vale de Aijalom, até que a nação tenha se vingado sobre seus inimigos.
64 E o Senhor ouviu a voz de Josué, e então o O SOL SE DETEVE no meio dos céus, e ele ficou parado seis e trinta momentos (uma medida de tempo antiga?), e a LUA TAMBÉM PAROU e não se apressou para se por em um dia inteiro”. LIVRO DE JASHER, Capítulo 88: vers. 61 a 64

Wynn: Você tem alguma ideia de como esta mudança magnética pode mudar a consciência humana?

Gregg Braden: A especulação é de que há uma correlação entre a consciência e o magnetismo. Para se entender como essa conexão pode funcionar, é útil compará-la com uma memória de computador. Os campos magnéticos na memória são mantidos no lugar por meio de uma carga elétrica – uma carga lenta – dentro do computador em si. Quando as pilhas do computador acabam, a carga se foi, e a memória é perdida. Daí temos que recarregar o sistema operacional. Da mesma forma, pesquisadores e os descendentes dos povos indígenas acreditam que quando a Terra passar por essa mudança que a ciência vê como uma reversão magnética, também haverá uma grande mudança e limpeza da consciência na e da Terra. 
Não haverá mais nada segurando todos os padrões magnéticos dos paradigmas que tenham sido colocados no lugar. Então, quando nós despertamos após essa grande mudança, a nossa consciência será de acordo com a nossa verdadeira natureza interna, com a nossa verdadeira essência. E a memória de todos os males ou todas as coisas ruins ou todos os ressentimentos do ego e intelecto temporário que nós praticamos uns contra os outros como indivíduos assim como entre as nações, não mais farão parte dessa nova consciência, dessa nova grade magnética do planeta, haverá então um novo paradigma. A partir dessa perspectiva, que muitas tradições preveem, sentem ou especulam, é de que estamos já nos aproximando de um tempo do que eles chamam de a “Grande Limpeza”, e que esta limpeza já esta acontecendo em um nível de memória no núcleo da consciência humana. 
Wynn: Portanto, é possível supor que, de alguma forma, a existência de nossa memória está ligada a este campo magnético?
Gregg Braden: Acho que sim. Eu acho que por causa dos relatos de eventos estranhos dos astronautas que deixaram a terra e foram para o espaço durante o programa Apollo. Pelo fato de deixarem a atmosfera da Terra e circundarem o planeta muitas centenas de milhas acima da superfície terrestre, fora dos efeitos do campo eletromagnético da Terra, que lá em cima eram insignificantes. Então os astronautas começaram a ter experiências a que eles não estavam preparados ou treinados para enfrentarem, e que foram totalmente inesperadas. Quando eles estavam no espaço e olhavam de volta à Terra, eles começaram a ter ideias e sentimentos, o despertar de uma consciência que eles nunca tiveram quando estavam em terra. Isso significou algo diferente para cada um deles. 
Na mesma maneira, amigos meus que foram para o Vietnã disseram que tudo havia mudado quando eles voltaram para casa. Todos eles haviam mudado. Para alguns, a mudança foi tão dolorosa e drástica que eles nunca mais poderiam falar sobre isso, e para os outros, a mudança foi um catalisador em suas vidas e eles falavam sobre isso incessantemente. E eu acredito que houve realmente um programa especial da PBS que documentou este mesmo fenômeno com os astronautas, que eles nunca mais foram os mesmos depois que estiveram no espaço e voltaram. Quando eles voltaram, havia alguns que não sabia o que fazer com os novas experiências no espaço exterior. 
Alguns se voltaram para as drogas e consumo excessivo de álcool. Outros canalizaram a mudança que ocorreu dentro deles em algo muito positivo, de afirmação de projetos das suas vidas. Um integrante deste último grupo foi o astronauta Dr. Edgar Mitchell, que fundou a Noetic Sciences Organization, em um esforço para validar o fenômeno da consciência humana. Outro astronauta realizou a pesquisa para a Arca de Noé, e realmente a encontrou  incorporada  no gelo do pico do Monte Ararat, nas Montanhas Taurus exatamente onde a Bíblia disse que estaria. 

Wynn: Portanto, a implicação aqui é a de que esses astronautas, por que eles deixaram o campo eletromagnético da terra, tiveram algum tipo de despertar espiritual?
Gregg Braden: Eles certamente passaram por uma catarse quando eles não estavam mais sob a influência do campo eletromagnético da Terra. Também vemos acontecer algo semelhante, quando olhamos para os campos magnéticos da Terra. Eles não são constantes e uniformes ao longo da superfície do planeta, e ao analisarmos os mapas disponíveis através da agência Federal do governo dos EUA, a USGS-United States Geological Survey, Serviço de Vigilância Geológica dos Estados Unidos, neles estão demonstrados as diferentes intensidades dos campos eletromagnéticos espalhados sobre a superfície da terra – onde alguns locais os campos eletromagnéticos têm uma intensidade muito mais elevada do que em outras regiões onde eles são de intensidade muito mais baixa. 
Esses campos mudam de local ao longo do tempo, e podem realmente explicar por que populações inteiras de seres humanos migraram para os lugares de onde eles tinham vindo antes. Eles poderiam estar seguindo estes locais onde o campo magnético não é mais intenso. O que acontece é que nos locais onde o magnetismo está muito baixo, onde os seus efeitos são quase nulos, insignificantes, uma tremenda onda de inovação parece ocorrer na civilização local. Onde o magnetismo esta tradicionalmente alto, são nesses lugares que existe estagnação, onde as mudanças, embora elas aconteçam, levam muito mais tempo e a mudança é muito lenta para começar. 
Se eu estivesse vindo para aqui na Terra de um outro mundo e não soubesse nada sobre as pessoas da terra, e se eu estivesse procurando por um lugar onde a oportunidade de mudança fosse maior, eu gostaria de dar uma olhada para os locais onde as linhas de contorno do campo magnético fossem quase zero. E se você olhar para um mapa do magnetismo da Terra hoje, o que você descobre é que há uma linha de contorno quase zero que corre ao longo da costa oeste da América do Norte – ao longo da costa da Califórnia e até ao largo da costa do Alasca. Em outras palavras, a grade do campo eletromagnético ao longo da Costa Oeste dos EUA está quase nula! (N.T. Coincidentemente onde estão as maiores falhas geológicas dos EUA, a maior depressão – o Vale da Morte {Death Valley} com 88 metros abaixo do nível do Oceano Pacífico – e o encontro das Placas Tectônicas do Pacífico com às dos EUA: Juan de Fuca, a falha de San Andreas.. Em suma um local muito “quente tanto geológico assim como magnético”…)
Quando pensamos na costa ocidental, logo pensamos sobre a maluca Califórnia e os seus malucos.  Bem, a verdade é que a Califórnia é uma semente, um dos vários locais, e é tradicionalmente muito inovadora e revolucionária em tecnologia, ciência, moda, finanças, e as artes (a Meca do cinema mundial Hollywood fica em Los Angeles), porque não é uma oportunidade de mudança tremenda lá. Dentro da América do Norte, o oposto à Califórnia você encontra no que seria uma área de maior magnetismo, onde os campos magnéticos são mais densos. E você vai encontrar este padrão mais baixo através de alguns dos estados do Sudeste – os Estados que são tradicionalmente vistos como sendo os mais conservadores dos EUA.- Isso não significa que a mudança não possa acontecer lá. O que se diz, no entanto, é que a mudança leva um longo tempo para lá ocorrer, e as pessoas têm de ter uma boa razão antes que eles vão ceder e mudar sobre aquilo que eles sempre fizeram e praticaram. 
N.T.- IMPORTANTÍSSIMO = O LOCAL NA SUPERFÍCIE DO PLANETA INTEIRO ONDE O CAMPO ELETROMAGNÉTICO DA TERRA É O MAIS BAIXO/FRACO FICA SOBRE O BRASIL, NA REGIÃO CONHECIDA COMO ANOMALIA MAGNÉTICA DO ATÂNTICO SUL-AMAS OU SAA em inglês: 

Campo magnético total da Terra, sobre o Brasil na área azul mais escura (acima) existe a AMAS, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul, observar que as linhas de campo  na região formam uma figura que se assemelha a um bico de um pato, por isso é chamada “El Pato”.
Outra visão da AMAS, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul que está sobre a maior parte do BRASIL. (Satélite ROSAT)
Wynn: Portanto, onde o campo magnético é menos denso, as pessoas estão mais abertas para o momento DO AGORA (N.T. Para as mudanças e sendo o veículo para que elas aconteçam)? 
Gregg Braden: Eles estão abertos as mudanças, periodicamente. Isso não significa que a mudança será boa, ruim, certa ou errada. É importante sermos claros sobre isso. O nível de consciência das pessoas é que vai determinar como essa mudança acontecerá. Vou dar um exemplo irônico. Há uma linha de quase contorno zero que corre através do Oriente Médio. Ele realmente funciona quase diretamente sob a área que chamamos o Canal de Suez, e vai até Israel, ao longo da costa do Mar Vermelho. Sim, certo nessa área há uma linha de contorno zero. Isto significa que a área é propícia para as mudanças. Mas, novamente, como, de que modo que a mudança acontecerá – se será pacífica e construtiva ou destrutiva e com raiva, ódio – assim ela sempre será determinada pela consciência das pessoas que vivem no local. 
Wynn: Portanto, ela não é boa ou ruim de qualquer forma? 
Gregg Braden: Precisamente. É simplesmente uma oportunidade das pessoas para seguirem a mudança. Ao mesmo tempo, as maiores linhas de contorno eletromagnéticos observado em qualquer lugar do planeta Terra têm sido, tradicionalmente, em partes da antiga União Soviética, na Rússia e na Sibéria. Sabemos que naquela parte do mundo, havia um sistema político (o comunismo) que estava em vigor há bastante tempo, e quando a oportunidade da mudança aconteceu, ela foi lenta e dolorosa, Levou um certo tempo para se estabelecer, com muito sofrimento. Mas quando essa mudança aconteceu, houve um efeito cascata, e isso aconteceu quase da noite para o dia, foi rápido. Assim, as correlações são muito interessantes entre a existência da consciência humana, as possibilidades de inovação, de mudança de paradigma, fazendo as coisas acontecerem de um novo modo, diferente e a energia dos campos eletromagnéticos do nosso planeta. A Terra tem muitas áreas de altas e baixas mudanças prováveis.  
Wynn: Nossos leitores vão querer saber como eles podem melhor enfrentar as mudanças que estão vindo em nosso mundo como um todo. 
Gregg Braden: Eu vou ser o mais conciso possível. Eu acho que a resposta a isso talvez seja melhor encapsulada nas palavras daqueles que vieram antes de nós, os antigos essênios, em um texto que tem mais de 2.500 anos de idade. Ela nos lembra de nossa relação com o mundo ao nosso redor, e diz simplesmente que o mundo que nos rodeia e em que hoje vivemos é nada mais e nada menos do que um espelho do que nós nos tornamos a partir de dentro, do nosso interior, do nosso estado de espírito. Então, quando vemos um mundo que parece irritado, cruel, impensado, mesquinho, egoísta, que produz sofrimento para os nossos irmãos e irmãs de todo o mundo – a partir desta perspectiva, o mundo é um espelho do que nos tornamos como indivíduos, famílias, sociedade e nações, em suma a civilização. Não é um mundo certo, errado, bom ou ruim. É simplesmente um reflexo de quem somos interiormente.  
A condição atual do planeta é um mecanismo de feedback, de resposta. Portanto, se queremos ver uma mudança em nosso mundo, devemos nos tornar a mudança que queremos primeiro em nossas próprias vidas diárias. Se queremos ver a paz, a compreensão, tolerância, compaixão, paciência e o perdão a nível global, devemos nós mesmos nos tornar assim. Na mesa de jantar com as nossas famílias. Devemos nos transformar em nossos próprios professores. Temos de exigir que possamos viver e divertir através da paz, compaixão e compreensão. 
A vida não precisa ser monótona e entediante. Ela pode ser muito excitante, e não tem que ser cruel, insensível, ou desumana. Assim, em nossas vidas diárias, em cada momento de cada dia, fazemos uma escolha que afirma ou nega a vida em nossos corpos em abundância. Porque todos nos estamos ligados através desta rede de grade eletromagnética. As nossas escolhas individuais (ou a falta delas) geram a resposta coletiva para o nosso futuro. Se gostaríamos de ver uma mudança coletiva benéfica, devemos individualmente ser essa mudança.  
Wynn: Temos esta data do final de 2012 que muitas pessoas estão dizendo que será o tempo  da grande mudança global ou Ascensão. O que você acha que vai acontecer? 
Gregg Braden: A data de 2012 é interessante porque se tratam das tradições de antigos e sagrados povos, como os maias, egípcios, algumas das tradições cristãs, e até mesmo as que estão no Código da Bíblia – o que é muito polêmico por si só. Meu sentimento é que esta data poderia ser qualquer data. Se nos concentrarmos em uma data e vivermos nossas vidas se preparando para uma mudança nessa data, perdemos a vida. Da minha perspectiva, se nós simplesmente vivermos cada dia de nossas vidas em sua plenitude, confiantes e conciliando as experiências que cruzam nossos caminhos a cada dia, sempre com a oportunidade de honrar a vida e para honrar os nossos relacionamentos uns com os outros. Se formos honestos, verdadeiros, gentis, atenciosos, carinhosos e compassivos, se vivermos isto a cada dia, já preparado para o que poderia acontecer em 2012 ou em qualquer outro dia, em qualquer outro ano, a qualquer momento em nosso futuro.
Eu conheço pessoas que estão vivendo suas vidas preocupadas em se armazenar com bastante comida, água, munição, armas, se preparando para o dia quando as mudanças acontecerem em nosso mundo e eles possam se defender e ficar vivos. Eu os entendo, e eu acho que também é bom ser autossuficiente. Eu entendo o que eles estão dizendo e fazendo. Mas também o que eu vi é que quase toda às suas vidas é dedicada à preparação para esse dia final, eles perderam a beleza e o mistério da vida que se desdobra em frente aos nossos olhos em cada um e em todos os dias. E é na beleza desta percepção e mistério que nos preparamos para os maiores desafios. (N.T.- E evoluímos, e isso é feito por aqueles que não SENTEM MEDO pela sua existência FÍSICA, e por isso mesmo VIVEM A VIDA!) 
Wynn: Então, basicamente, se alguém quiser abordar esta mudança com o máximo de  resultado positivo para si, a chave seria se viver cada dia com o máximo de amor, carinho, compaixão e amor pela vida? 
Gregg Braden: Sim, e para isso, temos que viver cada dia de forma muito consciente. Esteja consciente de todas as oportunidades. Devemos reconhecer as oportunidades que cruzam nossos caminhos. Todos os dias, assim que o Sol nasce o dia está nos dando a oportunidade de sermos tolerantes com outro sistema de crença, de perdoar alguém que tenha nos ferido ou irritado, para nos conciliarmos com nossos próprios juízos sobre o que deve ou não deve existir em nosso mundo. Se pudermos conciliar essas coisas quando elas cruzarem nossos caminhos e conscientemente lidarmos com elas no momento adequado, então saberemos que estaremos mudando a química dos nossos corpos, alterando a maneira de como nos sentimos, e então, estaremos nos preparando para qualquer eventual transição que a terra vier a atravessar. Se isso fizer algum sentido.
Wynn: Sim, para mim faz sentido. Existe alguma coisa realmente importante para fechar com os nossos leitores que eu poderia ter perdido? 
Gregg Braden: Pela primeira vez na nossa história, o destino da nossa espécie, de toda a nossa espécie, repousa sobre as escolhas de uma única geração. E o que nós acabamos de fazer é falar de que algumas dessas escolhas são tudo o que há para ser feito.

Você pode ver fotos de um navio enterrado e fossilizado, bem em cima das montanhas Taurus. O governo da Turquia está se recusando a deixar alguém ir lá escavar por causa de todas as implicações religiosas.
Essa Foto foi feita no Monte Ararat, que segundo a Bíblia, foi lá que enorme Arca de Noé (fossilizada no canto inferior direito) repousou (Gênesis 8: 4-5) 
Atualmente, o trabalho de Gregg Braden é publicado em 17 idiomas e 33 países e nos mostra além de qualquer dúvida razoável de que a chave para o nosso futuro está na sabedoria (e no conhecimento) do nosso passado. Saiba mais sobre Gregg Braden e seu trabalho contatando-nos em Tradições de Sabedoria em: