O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DA TERRA DA 3a. PARA 5a. DIMENSÃO

Estes são tempos maravilhosos para estar vivo. Uma mudança fenomenal na consciência de Gaia está ocorrendo, para a qual toda a vida no planeta está convidada a acompanhar.

No ponto culminante em 2012 ela centrou sua consciência na doação para o nascimento da 5ª dimensão em um novo paradigma de existência.

No entanto, a vida nas dimensões inferiores permanece complicada, embriagada e venenosa, de maneira que se continuasse desta forma poderia colocar em risco o surgimento do novo paradigma e a viabilidade futura da harmonia bem sucedida cocriativa para toda a vida na Terra.

Assim, uma “grande limpeza” é agora necessária para garantir o futuro da vida na 5ª dimensão da Terra. Um mecanismo de colapso da velha realidade está apenas começando. O que isso envolve ?

Plano Dimensional Superior

Resultado de imagem para despertar de gaia

Meu nome é Open, que é mais uma maneira de ser do que um nome. Eu sou uma ponte e trabalho nas dimensões superiores de consciência. 

Digo isso sem arrogância, orgulho ou ego. É simplesmente assim. Claro que você pode não acreditar em mim (o que é uma prerrogativa inteiramente sua). 


Eu digo que reivindico ser a fonte do compartilhamento desta informação. Eu sugiro que você tome apenas o que ressoa para você. Encontre sua própria verdade no que estou dizendo.

Eu afirmo que o que estou prestes a compartilhar, é conhecido por aqueles nas dimensões superiore4s que estão trabalhando incansavelmente e abnegadamente para facilitar a mudança. É claro que há muita confusão, desinformação e até mesmo engano acontecendo aqui. 

Por isto a necessidade de uma mensagem clara. Mas naturalmente eu só ofereço uma perspectiva clara na medida em que a minha própria lente é clara. Nós sempre só podemos oferecer uma perspectiva, não a “verdade absoluta”.

Eu acredito que esta mensagem estará disponível para todos. Embora não seja esperado nem mesmo necessário que todos precisem aceitá-la. 

Claramente pela forma como os eventos atualmente acontecem aqui e pela velocidade com que a maioria segue para o precipício do seu próprio esquecimento, isto é um fato profundamente triste. 

No entanto, não há nenhuma necessidade de permitir que esta inconsciência arraste todo o planeta para baixo com ela. Certamente que não. Existe muitos seres em evolução, a vida ascendente está olhando muito a frente para o novo paradigma da harmonia na 5ª dimensão.

Para o futuro da nova existência ser protegido, eu acredito que um mecanismo de colapso da velha realidade precisa acontecer agora e que na verdade já começou. Porque é necessário um colapso ? Eu vejo que a nova realidade vai se formar ao redor da antiga, mas em pedra limpa. 

Se a base permanecer cancerígena como é atualmente, então colocaria em risco a totalidade do novo paradigma nas densidades superiores. Mesmo a frequência superior de Gaia ainda seria influenciada por sua consciência do reino inferior. 

Assim como os Hopi profetizaram com precisão, uma “Grande Limpeza” deve acontecer agora. Ela é conhecida nos reinos mais elevados como um grande realinhamento.

Resultado de imagem para despertar de gaia

Gaia é Uma Empata Intensa

A vida aqui na Terra sofreu uma intervenção de uma consciência interdimensional negativa que tentou curvar o planeta para a sua agenda de controle. Isto infectou a maioria das pessoas que levam uma existência inferior, desconectadas da sua divindade e viciadas em consumir, desrespeitando tanto Gaia quanto outras vidas sencientes. 

Isto é virulentamente canceroso não só para o planeta, mas também para suas próprias almas.

Gaia é uma empata intensa. Ela sente a dor de toda a vida senciente como se fosse nela própria:
  • Ela sente o terror e desespero das criaturas brutalizadas na cadeia alimentar.
  • Ela sente o extermínio dos peixes, golfinhos, baleias, corais e outras criaturas capturadas nos oceanos que estão rapidamente tornando-se ácidos.
  • Ela sente a poluição de seus céus com os combustíveis fósseis, metano, radioatividade, radiofrequência e trilhas químicas.
  • Ela sente o envenenamento da Terra através da mineração, perfuração, agricultura industrial e destruição implacável das florestas.
  • Ela sente a confusão mental da sociedade, a matriz energética em que vive a humanidade.

Ela sente cada expressão torturada disto como uma célula dentro do seu próprio corpo. E ela precisa começar a transmutar essa dor para liberar a energia contida nesta dimensão inferior e começar a “compostar” este pesadelo material que viola e infecta a todos. Como será que isto provavelmente vai acontecer ?


post-01-09-2

O Mecanismo de Colapso

O mecanismo de colapso da velha realidade já começou. A intervenção está ocorrendo através de um pacote entrelaçado de frequências energéticas instigadas a partir da 4ª dimensão que tinha enlaçado toda a vida aqui. 

Fazendo com que mesmo aqueles que reencarnavam fossem despojados de suas antigas memórias. A primeira tarefa de benevolência foi relaxar os fios de energia de modo que pudessem ser removidos um por um. Dessa forma, a transição aqui seria mais suave e mais facilmente administrável.

As camadas interdimensionais desta intervenção já foram executadas, ou estão nos momentos finais do seu funcionamento. 

Removendo a “Matrix” da 3ª dimensão com base no intelecto na qual a maioria da humanidade ainda parece estar voluntariamente escravizada. 

Estes comportamentos arraigados, condicionados, injustos, desiguais e desumanos estão provando serem difíceis de quebrar. Mas eles não têm lugar na 5ª dimensão da nova Terra.

Paradoxalmente, a sensação de falta de conexão da humanidade com o seu interior, o anseio por segurança e por controlar os recursos do planeta, é o interruptor da viagem, desencadeando o mecanismo de colapso.

Felizmente existe uma onda de almas humanas que estão entendendo o sentido de urgência, que estão se reconectando com a Fonte e na verdade estão embarcando nesta mudança necessária. Assim, Gaia que estava até agora à espera das almas humanas se juntarem ao movimento, está pronta para começar esta próxima fase.

Eu acredito que com o tempo ela vai começar a quebrar a superfície desta realidade através de acontecimentos cada vez mais selvagens no tempo com secas, tempestades, terremotos e atividade vulcânica. 

Enquanto isso, seu campo biomagnético diminui, ao mesmo tempo em que a atividade solar aumenta. Em última análise, eu vejo a composição da atmosfera se transformando com a limpeza através das tempestades solares. Eu vi a mudança com a Terra se tornando um cadinho de fogo. Claramente nenhuma vida sofisticada seria capaz de sobreviver a tal transformação radical na 3ª dimensão.

Todas as construções de realidades são criadas a partir do carma, onde existe uma exigência, um anseio, para as almas evoluírem além de uma limitação anterior. 

Na Terra, tal construção foi formada no campo da 4ª dimensão para que as almas fossem atraídas para a aprendizagem mútua, o desafio é ver além do véu. Gaia também pediu esta construção na 4ª dimensão mas agora não quer mais. 

Como ela está sendo removida para longe da Terra, a velha realidade vai cair, enquanto GAIA faz a ascensão da sua consciência da 3ª para a 5ª dimensão, criando aqui uma nova realidade para exploração, evolução e crescimento. O desafio e a oportunidade para toda a vida no planeta é mover-se através do véu da 4ª dimensão que está se afastando e se juntar a Terra no novo paradigma da 5ª dimensão.

A medida que a vida passa, a velha camada cármica que forma esta antiga realidade será arrancada a partir das densidades inferiores e será transferida através do espaço/tempo para o núcleo galáctico sendo fragmentada em consciência “Elemental”, a partir da qual com o tempo novas realidades físicas vão tomar forma mais uma vez em outro lugar no cosmos. 

Isto é o que acontece em um buraco negro: é como uma vasta e multidimensional “máquina de lavar” cósmica, ele quebra a densidade em seu quanta constituinte de consciência antes de emitir luz do outro lado deste portal galáctico, algo sobre o qual os principais cosmólogos como Stephen Hawking agora estão começando a especular.

Resultado de imagem para despertar de gaia calendario maiaOs maias descreveram com precisão no nosso caminho um buraco negro supermassivo no centro da galáxia antes que a ciência moderna o descobrisse. 

A passagem ao longo desta “estrada escura” ou “ser Xibalba” como os maias mais romanticamente descreviam, ocorre com o movimento retrógrado do eixo polar da Terra para a “fenda escura” no núcleo galáctico. 

Os maias consideravam isto como uma viagem ao submundo, um momento de consciência expandida através da passagem pelos medos mais profundos. 

Certamente para mim, isto descreve com precisão o sentido da consciência do UM sendo projetada perto do núcleo galáctico, um lugar temível sim, mas também de libertação e rejuvenescimento incrível, assumindo que a alma consiga se libertar de suas bagagens desnecessárias.

Aqui está um pequeno vídeo fascinante que descreve o que acontece quando uma estrela é dividida através de um buraco negro supermassivo. Isto é compartilhado para fornecer um sentido metafórico do que acontece quando a consciência é atraída para um buraco negro.

Não estou dizendo que o aspecto físico da Terra seguirá por esse caminho (não tão cedo !) O que estou dizendo é como acontecerá a fragmentação, a dissolução da camada cármica da 4ª dimensão que formou o projeto e a âncora da velha realidade da 3ª dimensão física.

A medida que a vida passar no reino físico pela transformação cármica da 4ª dimensão, ela vai ser extremamente apoiada pelo reino angélico, segurando o espaço e a luz conforme a camada da 4ª dimensão é arrancada da Terra. 

Você pode imaginar que eles formaram uma “rede” em torno da Terra para resgatar as almas perdidas. Se pudermos ajudar as almas a deixarem ir seus medos e controle, então isso pode ajudar muito a sua passagem para a 5ª dimensão, em vez de seguir para o núcleo galáctico.

Enquanto isso, o novo paradigma da 5ª dimensão começará a tomar forma em torno da pedra fundamental da velha realidade. Com o tempo, o núcleo da 3ª dimensão da Terra vai se acomodar, se condensar e fomentar a possibilidade de vida na 3ª dimensão aqui mais uma vez, talvez em milhões de anos no futuro.

Quanto Tempo Será Que a Humanidade Tem ?

post-01-09-3Em primeiro lugar, gostaria de dizer que a minha visão é uma profecia. Mesmo porque eu estou falando de algo ocorrendo no futuro imediato. 

Digo isto porque JÁ acredito que uma linha irreversível de eventos foi iniciada, como dominós batendo uns sobre os outros. 

Várias mudanças acima descritas tornam-se cada vez mais inevitáveis. 

No entanto, o momento exato não está gravado na pedra. A humanidade realmente detém a chave para rapidamente ou lentamente fazer isto continuar. Se toda a humanidade proteger o meio ambiente, a janela de oportunidade pode ser prorrogada. Atualmente, as ações da humanidade estão encurtando rapidamente o tempo de vida da velha realidade.

Por isso, é difícil que em um futuro próximo continue viável para a existência da 3ª dimensão na Terra.

O que isto significa é que para aqueles que podem “entender” a minha mensagem, o tempo realmente chegou para acionar a sua própria evolução, o seu destino volta para as suas próprias mãos. Chegou a hora de ir para dentro e embarcar na jornada interior de expansão da consciência através das dimensões, através dos 5 PORTAIS na 5ª dimensão, o próximo capítulo da história humana.

O Novo Paradigma

Resultado de imagem para despertar de gaia tempoO novo paradigma da 5ª dimensão é um lugar mágico para se estar. É um lugar de indescritível harmonia, alegria e interconectividade onde toda a vida é respeitada e valorizada. Acabou a desconexão com o divino. 

Vivemos em alinhamento, o nosso objetivo não é triturar e corromper para obter algum resultado material, em vez disso vamos explorar as maravilhas abundantes do Universo para aprender, evoluir e crescer. É verdadeiramente uma existência mágica, uma “Era de Ouro”.

Você pode começar a viver desta maneira agora. Você é encorajado a fim de facilitar a sua passagem para o novo paradigma. 

Apesar do fato de que a velha realidade ainda controla temporariamente os recursos do mundo e apesar do fato de você ter que trabalhar dentro dela por mais algum tempo, é importante que as pessoas ascendentes mudem a sua lealdade para a nova forma de existência.

Sintonizar com o divino, buscar a paz interior, se alinhar com o fluxo da alma, observar e responder a sincronicidade, tornar-se UM com a Mãe Terra.

O que você vai descobrir é que ao se sintonizar neste fluxo vai começar o colapso que vai carregá-lo através do cadinho de mudanças de uma forma mais edificante, capacitando e revigorando: as velhas camadas serão removidas da sua realidade e assim como uma libélula resplandecente seu novo estado de ser emerge.

Então, porque as almas que não fazem parte do novo Paradigma ?

Atualmente existe uma pequena minoria de seres que verdadeiramente se comprometeram com o caminho. Com o tempo, muitos mais provavelmente irão se juntar à medida que enxergarem a realidade.

Mas ainda assim, a maioria provavelmente vai lutar e se esforçar para continuar ligada a velha realidade, pelo menos esta é a tendência atual. Isso significa que muitos não têm o nível vibracional para atingir a nova consciência até a janela ser fechada. Nesse caso, novas existências estarão disponíveis em outras constelações, compatíveis ao nível de vibração e evolução de cada um.

A vida no universo trabalha incansavelmente em direção à harmonia, equilíbrio e alinhamento em todos os lugares, felizmente !

Veja os Véus do Passado – Abra Seus Olhos Cósmicos

Resultado de imagem para despertar de gaia tempo

No decorrer do tempo a velha realidade será retirado da Terra conforme o novo paradigma da 5ª dimensão se instala. Saiba que existe uma grande quantidade para absorver e digerir. Mas quanto mais você investir na exploração do seu EU superior cósmico, mais obviamente isto se torna possível. 

No entanto, se você continuar ajustando a sua consciência para as limitações da velha realidade, então seu EU superior vai continuar parecendo estar “lá fora” (e você vai continuar se mantendo vinculado na velha consciência).

Eu não desejo nem espero que as pessoas aceitem cegamente ou acreditem no que estou compartilhando do que eu sinto agora e do que ainda está programada para acontecer. Mas você foi atraído para este texto por alguma razão. 

Em parte talvez porque você ressoou com ele. Nesse caso, convido-o a permanecer aberto à possibilidade do que eu estou compartilhando. Em seguida, questione sobre o que você está realmente testemunhando ter sido moldado em torno de você. 

Esteja consciente de que antes da “iluminação” você estava vendo o mundo através de véus subconscientes, sobre aquilo que você preferia que acontecesse ou era resistente ao que está acontecendo. Esteja consciente de que isto pode estar acontecendo com você. 

Trabalhe para sentir as contrações que estes véus causam (eu esbocei uma maneira de processar a tensão interna, a densidade, a origem da dor, do carma.

Eu acredito que existe um futuro brilhante nos esperando. Mas ele só vai ser autenticamente rosado, se você remover as lentes cor-de-rosa. Vai ser espetacular o que alguns vão ver como catastrófico, disto não há dúvida. 

Ele vai desafiá-lo, até o núcleo. Mas se você abraçar as mudanças completamente, então ele irá libertá-lo e expandi-lo de maneiras inimagináveis. A possibilidade de realmente testar a limitação da pequena 3ª dimensão e desdobrar as asas do seu verdadeiramente glorioso EU cósmico da 5ª dimensão que está esperando-o. 

Você vai começar a vê-lo de uma forma totalmente diferente. Cada vez mais você vai se sentir bem sobre ele e abraçar o que é susceptível de vir.

É hora de abraçar a radical transformação cósmica da Terra e mergulhar no córrego central de sua casa imaculada que está vindo. Todos no caminho para a 5ª dimensão !

©Open

Origem: wakeup-world

CROPS CIRCLES – A GEOMETRIA E A MENSAGEM DO POVO DAS ESTRELAS

A humanidade sempre conviveu com fenômenos para os quais não encontrava explicação científica. 

Diante de tais eventos, é comum atribuir explicação sobrenatural ao fato. Especulações de toda a sorte são feitas quando não se consegue explicar cientificamente dado fenômeno. 

Na realidade não existe nada sobrenatural. O que ocorre é que existem leis naturais que regem todo o universo, mas a percepção humana ainda não alcança a plenitude dessas leis. Nada deixa de ser governado por elas. 

O que nos impressiona na atualidade é o fato de não conseguirmos responder questões colocadas por fenômenos naturais em plena era tecnológica na qual vivemos. 

Assim como a humanidade consegue hoje explicar a causa de eclipses, abalos sísmicos, erupções vulcânicas, modificações nas espécies, entre outros fenômenos naturais considerados misteriosos no passado, em um futuro próximo conseguiremos explicar os “CROPS CIRCLES” e outros fenômenos, como a origem do universo, a ocorrência de OVNIs, outras dimensões espaciais, além dos misteriosos poderes da mente humana e da consciência que interferem nos rumos de nossas vidas.

O fato de haver explicações para tudo (?) à luz das leis naturais, não significa que o universo é limitado ao que conhecemos. Da mesma forma que utilizamos muito pouco da nossa capacidade intelectual, também conhecemos uma fração pequena do que ocorre na natureza. 

Buscar explicações para os fenômenos naturais não significa ser cético e desprezar conhecimentos milenares de culturas antigas e interpretações religiosas, místicas, esotéricas ou espirituais. Ao contrário, essas interpretações devem levar ao aprofundamento dos estudos visando o maior conhecimento da natureza e da mente humana.

Num contexto de ampliação de nossa consciência sobre o que somos e como nos relacionamos com a natureza, seremos levados a um patamar que nos permita entender definitivamente que fazemos parte de um TODO muito mais amplo do que nossa dimensão individual, que estamos intimamente interligados e que somos afetados, em maior ou menor escala, por tudo o que acontece em qualquer parte do universo. 

Os “CROPS CIRCLES” podem ser uma mensagem para nós, que utiliza a geometria complexa como interface de comunicação, como uma linguagem inteligente para que possamos decifrar seu conteúdo. 

Não importa, por ora, quem é o emissor de tal mensagem, o qual um dia conheceremos. No momento o que importa é o conteúdo. 

Nos círculos nas plantações pode haver um alerta de como estamos lidando com nosso planeta, sobre quais as consequências de nossas opções individualistas e da nossa relação de desconexão com a vida, com o cosmo, e com os níveis superiores de consciência.

Existem registros do aparecimento desses misteriosos círculos nas plantações inglesas desde 1647.O mais antigo relato de Crop Circles data de 1678. Em 1880 houve uma investigação dos Crop Circles, levada a cabo por um cientista amador chamado Rand Capron, que as atribuiu a causas meteorológicas, obviamente por falta de explicação melhor. Havia uma clara descrição dos padrões mas só foram largamente relatados em 1972. Geralmente eles aparecem em lugares onde se cruzam linhas magnéticas da terra (não por acaso fica por ali o sítio megalítico de Stonehenge ).

Cerca de 90% dos círculos genuínos surgem quase sempre nas mesmas áreas, perto de sítios sagrados, muitas vezes sendo precedidos ou acompanhados de sons e luzes misteriosas. As aparelhagens têm encontrado a presença de uma energia desconhecida, que produz mudanças a nível genético nas plantas e nas sementes. 

As pessoas que permanecem dentro das formações relatam alterações em todos os níveis – espiritual, mental, energético, emocional e físico, representadas por experiências transcendentais, expansão de consciência, projeção astral, regressão espontânea, clarividência e emoções diversas.

No início, as formações eram simples circunferências, mas agora se tornaram duplas, triplas, quíntuplas, figuras anelares, triangulares, ovais, espiraladas.

Ultimamente têm aparecido pictogramas e estrelas fractais com simbolismos complexos, geométricos ou místicos, associados com diversos caminhos espirituais, conceitos filosóficos ou científicos (astronômicos, físicos, matemáticos). 

A simetria e as dimensões das figuras são extraordinárias, alguns desenhos medem centenas de metros e não se repetem. O astrofísico Bernard Haisch, do Instituto de Física e Astrofísica da Califórnia disse que “esses padrões altamente organizados e inteligentes não poderiam ser criados pela força da natureza”, e foi mostrar um desses desenhos ao chefe da tribo Hopi  (indígenas dos EUA).E ele mostrou que tinha o mesmo desenho, tradição de seus antepassados e  explicou que esses eram avisos dos “deuses” para uma época de grandes mudanças na Terra. 

Que Stonehenge teria sido um outro aviso desses, gravado em pedra para que passasse às próximas gerações, e que dessa vez estava sendo gravado em plantas (perecível) porque não seria preciso alertar uma próxima geração de outra mudança dessas.

Hopi viu os símbolos e disse: “Eu conheço esse símbolo milenar como parte da profecia Hopi, um símbolo que anuncia o retorno do Povo das Estrelas. Eles já estão aqui”. 

Isso nos dá o que pensar. Então, todos esses sinais poderiam ser um alfabeto de um “Povo das Estrelas”, ou um símbolo de sua chegada?


Apesar da tentativa deliberada de desacreditar o fenômeno por governos e Elite Mundial(os quais já sabem e já fizeram contato com inteligências de outros Orbes), os estudiosos que lá se encontram,nas regiões em que os círculos aparecem, afirmam que a maioria deles possui características que não poderiam ser reproduzidas por seres humanos,além das seguintes propriedades descritas abaixo:

(1) Presença de quantidades anormais de radiação eletromagnética;

(2) Hastes das plantas dobradas e não quebradas;

(3) Alterações biofísicas nas plantas; o vórtex energético que dobra os caules das plantas não os amassa, quebra ou queima, simplesmente os inclina em movimentos ondulantes, circulares ou espiralados, fazendo com que eles continuem se desenvolvendo normalmente. Os caules chegam a ser entortados até 90º, em um ponto entre 20 e 80% da sua altura total. Algumas vezes, plantas situadas lado a lado são inclinadas em direções opostas, sem que algumas sequer sejam quebradas (o que acontece ao se tentar desentortá-las). Análises físico-químicas mostram um aumento de radiação que altera o compasso da bússola e um enriquecimento do solo em hidrogênio, como se tivesse recebido uma forte descarga elétrica. 

(4) Aparelhos elétricos e magnéticos como câmeras, bússolas e celulares que não funcionam no interior dos círculos.Os radiestesistas confirmam a presença de intrincados padrões energéticos dentro e ao redor dos círculos, além de anomalias magnéticas.Outras características relatadas por testemunhas incluem alterações do espaço-tempo no interior dos círculos (documentadas por fotografias e relógios que param, depósitos microscópicos de material de meteoritos e sensações de desconforto, como tonturas e vômitos, no interior dos círculos).

Descartando completamente a hipótese dos céticos sobre a autoria humana das imagens e voltando-se ao fenômeno original, observamos que as formações seguem padrões de Geometria Euclidiana , com complexas formas e motivos, atualmente com várias manifestações baseadas em geometria fractal e simbologia matemática, rica em mensagens codificadas sobre lavouras de grãos ao redor do mundo.

Mas o que temos de concreto até o momento?

1. Sabemos da pesquisa científica que eles são formados (as genuínas formações) por uma energia capaz de alterar a estrutura molecular da planta sem danificá-la. Além disso, também é capaz de alterar a taxa de crescimento e o seu padrão.

2. A energia envolvida parece ser benigna, mas sua natureza ainda é desconhecida.

3. Algumas formações irradiam uma onda de aproximadamente 5.7 Hz no espectro eletromagnético.

4. Ocorrem às vezes paralelamente ao avistamento de Ovnis.

5. Mesmo após a colheita, a forma dos círculos tem permanecido na terra durante pelo menos seis meses em alguns casos. Isto não pode ser conseguido por “formações na colheita” feitas por humanos.

6. Em algumas das formações, bússolas giram denotando uma anomalia magnética presente.

7. A plantação fora da formação não exibe as mesmas características encontradas dentro do círculo.

Outro aspecto fascinante das manifestações é a marca deixada nas plantas. As alterações biofísicas são de um grau desconhecido na sua origem, mas algumas simulações demonstraram que a aplicação de alta carga energética pode produzir efeitos semelhantes na estrutura das plantas. 

Outros estudos tem sido conduzidos por biofísicos e biólogos moleculares no tocante à estas alterações, bastante peculiares e também impossíveis de serem produzidas por mãos (ou pés) humanos. Alguns estudos comprovaram alterações na parede celular das plantas, bem como alterações cromossômicas e embrionárias nas sementes.

Assim, muitos veem na geometria intrincada dos círculos, uma linguagem através da qual se transmite uma variedade de complexas informações tais como símbolos representando deuses e deusas, símbolos genéticos, códigos de viagem no tempo, arquétipos cósmicos, circuitos elétricos, dispositivos espaciais, símbolos astronômicos e astrológicos e até mesmo “insígnias do povo das estrelas”. 

A questão é a seguinte: 

QUEM ESTÁ QUERENDO SE COMUNICAR DESSA FORMA? O QUE ESTÁ QUERENDO DIZER? PORQUE AS AUTORIDADES E MÍDIA FINGEM NÃO TOMAR CONHECIMENTO?

Por mais que céticos afirmem que esses círculos são forjados por seres humanos (bem ou mal intencionados), apesar do plantão permanente de centenas de cientistas no local presenciando o fenômeno, o progressivo aumento na quantidade e complexidade das figuras se torna claro e evidente que os enigmáticos desenhos jamais poderiam ser feitos por mãos e recursos humanos. 

A cada nova e intrigante figura que surge nos campos, aumenta a certeza de que existe uma forma de inteligência sobre-humana e uma energia desconhecida como causas que produzem esse fantástico fenômeno.

Nos próximos posts,analisaremos alguns desenhos com informações bastante claras e mensagens contundentes,comparando-as com a geometria conhecida e dados científicos,cujas provas atestam a veracidade e autenticidade destes magníficos desenhos.

Podem ser avisos, podem ser mensagens, podem ser códigos, mas, uma coisa é certa: Algo existe neste grande universo que ainda desconhecemos por completo e nós, estamos na mira destes povos das estrelas,que muita coisa ainda tem para nos ensinar.

Esta série sobre os Crops Circles, vem trazer novas luzes e novas explicações sobre este fenômeno que intriga e desafia os cientistas e ufólogos do mundo inteiro, já que muitas explicações foram dadas de várias fontes e maneiras, algumas afim de confundir e ridicularizar  a população mundial, desviando o real  sentido destas mensagens.


A Nova Ordem Mundial, junto com a Elite /Cabala, não tem nenhum interesse que estas mensagens cheguem até as pessoas, como informações de prevenção e aviso ao planeta, acerca das transformações pelas quais estamos passando e as que ainda vamos passar.

OBSERVEM ESTE VÍDEO ABAIXO
Um Crop Circle encontrado em 25/06/13 em Silbury Hill, em Avebury, Wiltshire UK, um local tradicional para o surgimento destes símbolos, nos chama atenção pela  simbologia utilizada nesse desenho, que parece fazer alusão ao final dos tempos para que possamos nos “ERGUER”  desse final de ciclo histórico. 

A figura utilizada é de uma ampulheta mostrando que o pó (homem de barro) da areia (o tempo) está no fim e com uma mensagem adicional fora do círculo utilizando a antiga escrita Ogham , da cultura Celta.

O tempo está se esgotando RAPIDAMENTE, é uma provável menção ao fim dos tempos como nós o percebemos: o fim de uma era (Peixes) e o começo de outra (Aquário).

Este  Crop Circle parece representar uma ampulheta cheia de areia que já caiu quase completamente. O tempo está se esgotando, o tempo da era astronômica de Peixes.
[Imagem: ampulhetacropcircle.jpg]

As linhas ao redor do círculo, são o modo de contar a passagem do tempo dos prisioneiros de Maya, cujos sinais marcam a passagem dos anos, meses e dias na parede do círculo, com ranhuras verticais e transversais.

A metade inferior da Ampulheta, com maior parcela de areia dentro, representa o tempo já decorrido. Na parte externa e distribuídos em redor do círculo existem mais cinco símbolos, conforme descritos e explicados  acima.

Circundando o Crop Circle existem 05 símbolos do antigo alfabeto da língua celta, chamado de OGHAM distribuídos no sentido horário (novamente uma menção da passagem do tempo) que transliterados para o inglês moderno, poderiam significar a palavra “ARISE”, que pode ser traduzida como: Levante-se, erga-se ou seja; ASCENCIONE com o planeta, pois o TEMPO para se fazer isso esta terminando.


Mais um alerta, e muito claro, do momento planetário em que estamos atualmente. Outro dado importante é que esse Crop Circle surgiu exatamente um mês antes do dia fora do tempo do Calendário Maia, dia 25 de julho, sendo que um dia depois começava um novo ano.


Outro círculo que apareceu e causou espanto e polêmica na comunidade ufológica e científica foi  em 16 de julho de 1991 em Barbury Castle (Inglaterra). Foi um dos círculos mais sofisticados que apareceram até então. Foi muito incomum ,já que se pode dizer, só de olhar para ele, que havia uma mensagem codificada na sua concepção. Muitas pessoas tentaram  decodificá-lo e muitos livros e sites especularam qual seria a mensagem que significava.

Podemos ver no centro do círculo de cultura um triângulo com três ramificações, indo de cada canto para o centro do triângulo. Os suportes estão indicando que esta forma é realmente um tetraedro tridimensional. 

Observe como os três círculos concêntricos são sobrepostos no tetraedro. Estes três círculos estão indicando uma forma esférica. A combinação da esfera e o tetraedro, sobreposto ao outro produz uma forma muito invulgar. 

Para encontrar a razão para esta combinação, tem que olhar para o círculo pequeno no topo do diagrama. É óbvio que a razão da haste que vai do centro para a borda da circunferência é que está tentando obter a nossa atenção para o raio de um círculo. 

O que eles estão tentando nos dizer sobre essa combinação incomum de um tetraedro e uma esfera que tem a ver com um raio? Tem a ver com o volume. A relação do volume de um tetraedro com o volume de uma esfera em uma fórmula matemática requer o único parâmetro do raio da esfera. 

Eles estão tentando nos dizer para perceber a relação de tamanho entre as duas formas. Na medição da relação entre o tamanho das duas formas no diagrama,os pesquisadores descobriram que o volume das duas formas eram iguais. O que é a singularidade de um tetraedro e uma esfera para o povo das estrelas, para mostrá-los? 

Os ensinamentos de geometria sagrada nos dizem que um tetraedro é uma forma dimensional básica 3 e está espiritualmente em sintonia com a energia masculina, pois é composta de todas as linhas retas. Ele também indica o tempo, em que as linhas retas simbolizam tempo linear. A esfera é espiritualmente sintonizada com a energia feminina, porque possue todas as curvas. Também simboliza a eternidade. 

O povo das estrelas está indicando para nós, com a combinação única de formas no centro do círculo da colheita, algo a ver com um balanço de energia dos opostos e também algo a ver com o tempo e a eternidade.

Repare na parte inferior na figura , quando um tetraedro e uma esfera de igual volume são  sobrepostos uns sobre os outros, como se parecem ao que é mostrado no diagrama ao lado. 

Ao construir as pirâmides, os construtores tinham que saber como a quadratura de um círculo ou cubo de uma esfera se comportavam. 

Isto significa que o perímetro da circunferência  iguala-se o perímetro do quadrado. A matemática para fazer isso envolve o número PI. De alguma forma, as mesmas condições se aplicam aqui com essas duas formas.

A famosa espiral de Fibonacci é o desenho do  topo mostrado na figura. Leonardo Fibonacci, um matemático medieval, notou uma determinada ordem ou sequência que a vida vegetal utiliza para crescer, e ele descobriu que esta ordem começou a aparecer em todos os lugares. A sequência é 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34 e assim por diante. Esta seqüência gera uma espiral como a mostrada na figura. A razão pela qual esta espiral continua a subir em todos os lugares se origina na espiral áurea, que entra e sai para sempre e não tem começo nem fim. 
Se sobrepusermos a Espiral de Fibonacci no centro de uma carta do zodíaco, ao fazer isso,  notamos que as catracas ficam alinhadas com os quatro sinais cardinais do zodíaco. 

O que os alienígenas estão tentando nos dizer é que vamos passar por uma “travessia para uma nova era”, e que a cada seis mil anos há uma correção desastrosa na natureza que nos introduzirá nesta Nova Era.

Espiral Àurea tem a ver com a plano espiritual, e a espiral de Fibonacci tem a ver com a plano físico.
Repare no desenho da figura ao lado na espiral mais escura no centro do quadro. Isto simboliza a Espiral Àurea. Além disso, observe a espiral  sobreposta. Esta é a espiral de Fibonacci, que simboliza o plano físico. 

Observe como a espiral clara avança para longe da mais escura. Isso ocorre porque a espiral física não pode seguir a espiral espiritual, e  saltar para trás em linha com a Espiral Àurea;Este é um movimento de correção ou salto, que acontece a cada seis mil anos para trazer o sistema de volta ao equilíbrio. Se isso for verdade, então tem que haver uma correção há cada seis mil anos e 12 mil anos atrás, também. 

De acordo com a Bíblia, o dilúvio bíblico aconteceu há seis mil anos, e os cientistas dizem que  há evidência de que o mundo mudou em seu eixo 12.000 anos atrás também(!). Acredita-se que foi quando Atlântida afundou.
A combinação do tetraedro e da esfera, mostra-nos para procurarmos um equilíbrio entre forças opostas. 

Vemos que o efeito catraca na espiral de Fibonacci é trazer um equilíbrio de volta para o nosso sistema entre o espiritual e as forças físicas. No canto inferior direito, há mais um símbolo para decodificar. 

Podemos ver neste pequeno círculo uma espécie de efeito Catavento. Deve ser bastante óbvio, depois de olhar para a figura ao lado, que o que eles estão nos dizendo; É um olhar para a Galáxia porque durante o salto dimensional, a terra vai mudar seu eixo polar,vai mudar de direção na sua oscilação do movimento polar em relação ao centro da galáxia. 

Neste momento de mudança, vamos entrar em um “momento eterno”, quando o tempo pára e o planeta Terra vai entrar na Era Galáctica. Estamos agora vivendo na Era do Sol. Os símbolos egípcios para a Era do Sol eram um quadrado sobreposto a um círculo. Hoje, o nosso símbolo para a idade da Galáxia é o tetraedro sobreposto a uma esfera.

Quando é que estes eventos acontecem? As profecias maias dizem que o atual ciclo de tempo  acabaria no ano de 2012. 

Eles também dizem, que a consciência da humanidade será aumentada para um nível mais alto que o da época atual. As pessoas ficam animadas sobre isso, mas o que elas não percebem é que a elevação da Consciência é devido a uma flexão de tempo causada por uma devastadora mudança de pólos, entre outras coisas.

Outro fantástico Crop Circle fez a sua aparição nas áreas de Forest Hill em Marlborough em Wiltshire em 17 de julho de 2014; As fotografias foram tiradas a partir de um drone, mostrando um círculo com um diâmetro de cerca de 50-60 metros, onde em seu interior existe cerca de 135 pequenos círculos concêntricos que formam uma espiral.

Este Crop Circle parece ser algum tipo de mensagem numérica e geométrica; Um grande círculo contém 135 pequenos círculos de tamanhos variados dispostos em um padrão que tem 9 linhas circulares concêntricas e de fora esses números 13, 14, 15, 15, 15, 15, 16, 16, 16 (1-9) círculos com as linhas exteriores indo desde pequenos círculos a maiores e depois de volta para menores, à medida que progridem em volta do círculo.

Os círculos estão também alinhados em linhas radiais a partir do centro do desenho usando 10 segmentos grau e estas linhas têm um número variável de círculos de 1 a 5. Estes alinhamentos radiais de pequenos círculos aumentam em número de 1 a 5 e, em seguida, a redução de 5 para 1 no centro do círculo pequeno. Começando com o anel externo de círculos, indo no sentido contrário, cada linha radial tem o seguinte número de círculos – 1-1-1, -2-2, -3-3-3, -4-4-4, -5-5 Total = 38.

Em seguida, há uma linha radial aleatória de quatro círculos antes das 5 linhas  começarem novamente a contagem decrescente para 1 no final do desenho como se segue –

4, 5-5-5 / 5-5-5 / 5-5-5 / 5-5-5, 4-4-4, 3-3-3-3, 2-2-2, 1-1- 1, Total = 97

OS NÚMEROS SÃO SIGNIFICATIVOS;COINCIDÊNCIAS?

Assim, os números-chave com a divisão do projeto desta forma, são 38 e 97 com 4 marca o ponto de virada – isso pode ser refletido nos tamanhos dos círculos crescentes e, em seguida, reduzem a sua dimensão.Os números 38 e 97,dando um total de  135  é o número de pequenos círculos no layout e do número de linhas radiais,que são no total de 13 na primeira parte, com 38 círculos e 26 na segunda parte com 97 círculos.

38 = 3 + 8 = 11

97 = 9 + 7 = 16 = 7

Os números 7 e 11 são uma mensagem no design.

Factualmente, 7 e 11 têm uma forte ligação com a Grande Pirâmide do Egito, como eles definem a altura x base desta antiga estrutura importante.Seja qual for a inteligência criativa que projetou e construiu este Crop Circle em Forest Hill, é no mínimo curiosa esta comparação.



CONCLUSÃO OU SUPOSIÇÃO?

Este ano de 2015 (somando 8=4 + 4) pode ser o ano em que tudo é revelado …?

Para chegar a essa revelação, não só temos que interpretar corretamente as mensagens nos círculos, mas adicionar-lhes dados para encontrar a pista final e isso pode ser simbólicamente importante.

Em outras palavras, o ” Apocalipse” não vai acontecer sem a intervenção humana (!). Nós temos que adicionar a peça final do quebra-cabeça para ver a imagem completa. Há fortes evidências de que os Crops Circles como Forest Hill, não são feitos pelo homem … depois de tudo que vimos aqui, por que os seres humanos desejam conceber mensagens numéricas muito complicadas que levam à Grande Pirâmide e colocá-los em culturas de trigo? 

Não é impossível, mas altamente improvável. Então, logicamente, uma inteligência não terrestre está no trabalho. Isto não é aceito por algumas pessoas, e não sobre os fatos, mas aparentemente, devido a” cegueira voluntária”.


As implicações de uma inteligência não terrestre neste trabalho, desafia as crenças básicas destas pessoas que não acreditam, para as quais elas fazem vista grossa e pior ainda, ativamente tentam ridicularizar a ideia.

Não existe ainda nenhum consenso sobre como a Grande Pirâmide foi construída, uma tarefa aparentemente impossível para o ser humano há 5000 anos e construída para durar, já que está aí há milênios. Talvez vamos descobrir por que estes Crops Circles foram construídos, como uma mensagem geométrica na paisagem …

Talvez devêssemos lembrar que, como o Crop Circle Pi de 2008, este de Forest Hill, não é apenas um projeto bonito; ele codifica mensagens numéricas, mensagens que só ignoraremos se não formos muito sábios…..

E cabe á nós, acreditarmos que não estamos a sós nesta vasta “poeira de estrelas”……

“O poder está no tipo de conhecimento que se tem. De que adianta saber coisas inúteis? Elas não vão nos preparar para o encontro inevitável com o desconhecido”. –  Carlos Castaneda


Leia também, clique:




OS CIENTISTAS DA NOVA ERA – Gregg Braden e A Matriz Divina

“É o poder do sentimento humano, que é a linguagem que abre a porta para as possibilidades daquilo que criamos no nosso mundo.”  Gregg Braden
Gregg é reconhecido internacionalmente como um pioneiro na ciência que liga sabedoria antiga e o mundo real. Por mais de 27 anos, Gregg tem explorado aldeias no alto de montanhas, mosteiros remotos e textos esquecidos para fundir seus segredos intemporais com a melhor ciência de hoje.

Suas descobertas são compartilhadas em 33 países e 38 línguas através de livros inspiradores. Ao fazê-lo, ele redefiniu o nosso relacionamento com nossos mundos interiores e exteriores, ao compartilhar sua vida, afirmando mensagem de esperança.

A Matriz Divina, seu best-seller de 2007, foi recentemente selecionada como fonte para o recurso feito para a televisão, “Entanglement”, e agora é um livro-texto para cursos de nível universitário explorando novas descobertas da ciência e da nossa relação com o mundo.

Uma introdução ao conceito de Gregg Braden
A ciência já provou através da física quântica que somos energia e que estamos todos conectados através de nossa vibração.

O Plenum Cósmico/Deus é puro amor, é energia e por ser energia, não morre, não desaparece, é imortal e está em todos os lugares.

E como somos a imagem e semelhança Dele, sabemos que somos energia e hoje podemos provar isso.

Somos seres espirituais eternos e não apenas seres perenes. Durante muito tempo achava-se que a menor partícula de uma célula, o átomo, era feito de matéria.

Depois descobriram que na verdade a maior parte de um átomo é vácuo, então achava-se que o núcleo, que é muito pequeno, seria material.

Esta ideia caiu por terra quando através do uso de microscópios eletrônicos muito potentes, verificou-se que o núcleo de um átomo é apenas uma energia condensada, não é matéria.

Mas se tudo o que existe no mundo “material” é feito de um conjunto de células, estas são feitas de átomos e se um átomo de qualquer coisa não é material, então…

No nível microscópio, nada é material, tudo é vibração, tudo é feito de energia condensada. Vivemos num universo de vibração e nossos corpos são feitos a partir da vibração da energia que emanamos constantemente.

A Matriz Divina - Post-24.06.2015
A física quântica já foi apelidada de Física das Possibilidades, por nos dizer que tudo o que imaginamos encontra-se disponível como uma das possibilidades que vamos assimilar em nossas vidas.

A partir desta perspectiva, nossos desejos baseados nos sentimentos deixa de ser “algo por obter” e se converte em “acessar” o resultado desejado, que já está criado no mundo vibracional (quântico, atômico) das infinitas possibilidades.

Ou seja, nada é impossível, quando temos um desejo sincero e este desejo torna-se parte das nossas possibilidades futuras no nível quântico e só precisamos sintonizá-lo. Só devemos “atrair” o que desejamos através do “pensamento”.

Então, já que a ciência atual consegue provar através da teoria quântica que pensamento é energia, que toda energia tem uma vibração e que a vibração cria o mundo material, nossos corpos e todo o restante ao nosso redor foi e continua sendo criado através das nossas mentes coletivas.

Também sabemos que a luz é uma fonte de energia, então cabe a indagação: a que estão conectadas as partículas de luz? 

Gregg Braden diz que estamos sendo levados a aceitar a possibilidade de que existe um NOVO campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio deste campo. Vejamos o que diz Gregg Braden sobre tudo isso.

Assistam o vídeo  “A Ciência dos Milagres” – Imperdível

Gregg Braden e a Matriz Divina

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-1

Assim como toda a vida provém de quatro bases químicas que criam nosso DNA, o universo aparentemente se fundamenta em quatro características da Matriz Divina que fazem tudo funcionar da maneira que funcionam.

O segredo para usufruirmos os poderes conferidos pela Matriz reside em nossa habilidade de apreender as quatro memoráveis descobertas que a unem à nossa vida de um modo sem precedentes:

Descoberta 1:

Existe um campo de energia conectando toda a criação.

Descoberta 2:
Esse campo desempenha o papel de receptáculo, ponte e espelho para nossas crenças íntimas.
Descoberta 3:
O campo está em toda a parte e é holográfico. As partes estão ligadas entre si e cada uma espelha o todo em escala menor.
Descoberta 4:
Nossa comunicação com o campo se faz pela linguagem da emoção. Está ao nosso alcance reconhecer e aplicar essas realidades, que são determinantes de tudo, da restauração de nossa saúde ao sucesso em nossas carreiras.

No final das contas, nossa sobrevivência como espécie pode estar diretamente ligada à nossa capacidade e desejo de compartilhar práticas afirmativas de vida provenientes de uma visão do mundo quântico unificado.

Para fazer justiça aos imensos conceitos decorrentes da Divina Matriz, escrevi este livro em três partes, cada qual cobrindo uma das implicações-chave do campo. Em vez de criar uma conclusão formal no final de cada parte, ressaltei os conceitos importantes sob a forma de um sumário em linha e chamei o conceito de “princípios” designados por um número (princípio 1, princípio 2, e assim por diante).

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-2

“Descobrindo a Matriz Divina, o mistério que une todas as coisas”, explora o duradouro sentimento humano que nos une ao campo de energia que liga todas as coisas; descrevi um único experimento que fez os cientistas recuarem cem anos na busca pelo mencionado campo unificado.

Nessa seção, também comentei a pesquisa do século XX que foi responsável por avanços na física quântica e que levou os cientistas a examinarem mais uma vez o experimento original, pelo qual nos informaram que todas as coisas são separadas umas das outras.

Isso inclui três experimentos (que veremos mais adiante) que são representativos e mostram a mais recente documentação sobre determinado campo de energia, não reconhecido anteriormente.

Brevemente, os resultados demonstraram:
A Matriz Divina - Post-24.06.2015-3
1 – O DNA humano exerce efeito direto na matéria que constitui o mundo.

2 – A emoção humana exerce efeito direto sobre o DNA que afeta a matéria que constitui o mundo.

3 – A relação entre as emoções e o DNA transcende limites espaciais e temporais.
Os efeitos são os mesmos, independentemente da distância. Pouca dúvida ainda haverá ao se chegar ao final da Parte I quanto à existência da Matriz Divina.

Quer sua descrição seja feita de uma perspectiva espiritual ou científica, é claro que existe algo – um campo de energia que conecta tudo o que fazemos, somos e experimentamos.

As questões lógicas então passam a ser formuladas assim: “O que fazemos com essa informação?” e “Como poderemos usar a Matriz Divina em nossa vida?” (Gregg Braden).

A Matriz Divina - Post-24.06.2015-4
Será que estamos conectados? Realmente conectados?
A ciência moderna está a ponto de resolver um dos maiores mistérios de todos os tempos.

Provavelmente não vamos ter notícias sobre isso pelos “telejornais no horário nobre da televisão”, nem vamos ver manchetes noticiando o fato nos principais jornais.

Mas, apesar de tudo, aproximadamente setenta anos de pesquisas na área da ciência conhecida como a “nova física” está apontando para conclusões irrefutáveis. Todas as coisas do mundo estão ligadas a todas as outras coisas.

Quer dizer: realmente ligadas. Essa é a novidade que altera tudo e que abala, sem dúvida alguma, os alicerces da ciência como hoje a conhecemos.

“Muito bem”, podemos dizer, “já ouvimos isso antes. O que torna essa conclusão tão diferente? O que realmente significa estar conectado?” 

Essas são ótimas perguntas e as respostas poderão surpreendê-los. A diferença entre as novas descobertas e o que acreditávamos anteriormente é que, no passado, simplesmente nos diziam que a conexão existia.

Mediante frases técnicas como “sensível dependência das condições iniciais” (ou “efeito borboleta”) e por teorias sugerindo que o que é feito “aqui” tem um efeito “ali”, podíamos observar, de maneira superficial, a atuação da conexão em nossa vida.

Os novos experimentos, entretanto, nos levam a um passo adiante. Além de provar que estamos ligados a tudo, as pesquisas agora demonstram que a conexão existe por nossa causa. Nossa conectividade nos dá o poder de ajeitar as coisas para que nos favoreçam, no que diz respeito à transformação de nossa vida.

Para absolutamente tudo, da busca pelo romance à cura dos nossos entes queridos e à satisfação de nossas mais profundas aspirações, somos uma parte integral do que experimentamos todos os dias.

O fato das descobertas mostrarem que podemos usar nossa conexão conscientemente, abre as portas para nada menos do que a oportunidade de tirar partido do mesmo poder que movimenta todo o universo.

Por meio da unidade que está no interior do seu corpo, do meu e do corpo de todos os seres humanos do planeta, temos uma comunicação direta com a mesma força que cria tudo, dos átomos às estrelas e ao DNA da vida.

No entanto, existe uma pequena armadilha: nosso poder para fazer isso está adormecido até que o despertemos. 

O segredo para acordar esse impressionante poder, é fazer uma pequena mudança no modo como estamos habituados a ver o mundo.

Assim, com uma ligeira mudança de percepção podemos usufruir a mais poderosa força do universo para lidar com as situações aparentemente mais impossíveis de serem resolvidas. Isso acontece quando nos permitimos perceber de outro modo nosso papel no mundo.

Como o universo parece realmente ser um lugar muito grande – quase vasto demais para que a gente pelo menos consiga conceber seu tamanho -, podemos começar por nos ver de outro modo no dia-a-dia.

A “pequena mudança” de que precisamos, consiste em começar a nos ver como parte do mundo, não como se estivéssemos separados dele. 

A maneira de nos convencermos de que realmente Somos Um com tudo o que vemos e experimentamos, é compreender como estamos unidos e o que a tal conexão significa. Para usufruirmos da força do universo propriamente dito, precisamos nos ver como parte do mundo, não como se estivéssemos separados dele.

Pela conexão que une tudo, a “coisa” da qual o universo é feito (ondas e partículas de energia) aparentemente quebra as leis do tempo e do espaço da maneira como estamos habituados a interpretá-las. Ainda que os detalhes pareçam mais algo ligado à ficção científica, eles são bem reais.

As partículas de luz (fótons), por exemplo, já foram observadas como capazes de dupla localização – isto é, de se situarem, precisamente no mesmo instante, em dois locais diferentes separados por muitos quilômetros.

Do DNA de nosso corpo aos átomos de todo o restante, as coisas na natureza parecem compartilhar informações com mais rapidez do que foi previsto por Albert Einstein para o deslocamento de qualquer coisa – mais rapidamente do que a velocidade da luz.

Em alguns experimentos, os dados chegam aos respectivos destinos até mesmo antes de deixarem seus locais de origem.

Historicamente, acreditava-se que tais fenômenos fossem impossíveis, mas, aparentemente, eles não apenas são possíveis, como também podem nos mostrar algo mais do que simplesmente as interessantes anomalias de pequenas unidades da matéria. A liberdade de movimento que as partículas quânticas demonstram, pode revelar como o restante do universo funciona quando olhamos além dos conhecimentos da física.

Conquanto esses resultados possam ser parecidos com algum enredo futurístico de um episódio de Jornada nas Estrelas, eles estão sendo observados agora, sob o escrutínio dos cientistas de hoje em dia. Individualmente, os experimentos que produzem tais efeitos são certamente fascinantes e merecem uma investigação mais detalhada.

Considerados em conjunto, entretanto, eles também sugerem que nós podemos não estar tão limitados pelas leis da física quanto imaginávamos. Talvez as coisas sejam capazes de viajar mais rapidamente do que a velocidade da luz e talvez elas possam estar em dois lugares ao mesmo tempo.

E se as coisas têm essa capacidade, será que nós também temos? Essas são precisamente as possibilidades que entusiasmam os inovadores de hoje e que mexem com nossa imaginação.

É a associação da imaginação – a ideia de que alguma coisa possa ser como imaginamos – com a emoção que dá vida a uma possibilidade de que ela se transforme em realidade.

A manifestação se inicia com o desejo de abrir espaço em nossas crenças para alguma coisa que por hipótese não existe.

Criamos essa “alguma coisa” pela força da consciência e da percepção. 

O poeta William Blake reconhecia que o poder da imaginação era a essência da nossa existência, mais do que algo que simplesmente experimentávamos de vez em quando, durante nossos períodos de folga. “O homem é todo imaginação”, ele dizia e explicava: “O corpo eterno do homem é a imaginação, isto é, o próprio Plenum Cósmico/Deus”.

O filósofo e poeta John Mackenzie explicava mais ainda nosso relacionamento com a imaginação, e sugeria que “a distinção entre o que é real e o que é imaginário não é algo que possa ser mantido detalhadamente (…) todas as coisas são (…) imaginárias”.

Nessas duas descrições, os eventos concretos da vida devem primeiramente ser antevistos como possibilidades, antes de se transformarem em realidade.

Entretanto, para que as ideias do imaginário de um momento no tempo se transformem na realidade de outro momento, deve existir algo que interligue ambos. De alguma maneira deve existir no tecido do universo a conexão entre fantasias passadas e realidades presentes e futuras. 

Einstein acreditava firmemente que o passado e o futuro estavam intimamente entrelaçados com coisas de uma quarta dimensão, e que formavam uma realidade que ele chamou de espaço-tempo.

“A distinção entre o passado, o presente e o futuro”, ele dizia, “não passa de uma ilusão persistentemente obstinada”. 

Dessa maneira, por meios que nós apenas começamos a compreender, concluímos estar conectados não somente com tudo aquilo que vemos em nossa vida hoje, mas também com tudo o que já existiu, bem como com coisas que nem aconteceram ainda.

E o que estamos experimentando agora, é o resultado dos eventos que ocorreram (pelo menos parcialmente) no âmbito do universo visível.

As implicações desses relacionamentos são imensas.

Em um mundo onde um campo inteligente de energia conecta tudo, desde a paz mundial até as curas pessoais, e o que pode ter parecido mera fantasia e milagres antigamente, de repente se transforma em um acontecimento possível de suceder em nossa vida.

Com essas conexões em mente, devemos começar a pensar em um modo de nos relacionarmos com a vida, com nossa família e até mesmo com nossos relacionamentos casuais de uma nova e poderosa perspectiva.

Bom ou mau, certo ou errado, tudo, desde as mais leves e belas experiências da vida, até as ocasiões do mais horrível sofrimento humano, nada poderá mais ser considerado como obra do acaso.

Claramente o princípio para a cura, a paz, a abundância e a criação de experiências, carreiras e relacionamentos que nos trazem alegria é a compreensão da profundidade da ligação que temos com toda nossa realidade.

Buscando a Matriz
Em um passado não muito distante, os cientistas tentaram resolver o mistério da existência ou não de uma ligação nossa a um campo de energia inteligente, mediante a demonstração cabal da própria existência ou não de tal campo.

Ainda que a ideia da investigação fosse boa, cem anos depois ainda estamos nos recuperando da forma pela qual esse famoso experimento foi interpretado.

Como resultado disso, durante a maior parte do século XX, se algum cientista ousasse mencionar a existência de um campo unificado de energia interligando todas as coisas de um espaço que estaria vazio sem o tal campo, certamente seria alvo de chacota na sala de aula e arriscaria sua posição acadêmica na universidade.

Com raras exceções, essa não era uma concepção aceita, nem mesmo tolerada, em discussões científicas sérias. Entretanto, nem sempre as coisas foram assim. Ainda que continue sendo um mistério essa conectividade no universo, têm ocorrido inúmeras tentativas de batizar tal fenômeno, de dar-lhe um nome como uma maneira de reconhecer sua existência.

Nos sutras budistas, por exemplo, o reino do grande deus Indra é descrito como o lugar onde se origina toda a rede que interliga a totalidade do universo. “Muito distante, na morada celestial do grande deus Indra, existe um ninho maravilhoso feito por um ardiloso artesão de tal modo que ele se estende em todas as direções”.

Na história do surgimento da tribo Hopi, diz-se que o ciclo atual do globo terrestre começou há muito tempo, quando a Aranha Avó emergiu no vazio do mundo. A primeira coisa que ela fez foi girar a rede que interliga todas as coisas e, por meio dela, criar o lugar onde seus filhos pudessem viver. Os que acreditavam, desde os tempos dos antigos gregos, no campo universal de energia interligando todas as coisas davam-lhe o nome de Éter. O Éter era considerado como a própria essência do espaço na mitologia grega, era descrito como “o ar respirado pelos deuses”.

Tanto Pitágoras como Aristóteles o identificavam como sendo o misterioso quinto elemento da criação, aquele que se seguia aos quatro primeiros tão conhecidos: fogo, ar, água e terra.

Posteriormente, os alquimistas continuaram a usar as palavras dos gregos para descrever nosso mundo – uma terminologia que persistiu até o nascer da ciência moderna.

Contradizendo a visão tradicional da maioria dos cientistas de hoje em dia, algumas das maiores mentes da história não somente acreditavam na existência do éter, como levaram tal crença a um patamar superior.

Diziam que era necessário que o éter existisse para que as leis da física funcionassem como funcionam.

Sir Isaac Newton, o “pai” da moderna ciência, durante os anos de 1600 usou a palavra éter para descrever a substância invisível que permeava todo o universo, e que ele acreditava ser a responsável pela força da gravidade e pelas sensações experimentadas pelo corpo humano.

Ele a imaginava como um espírito vivo, ainda que reconhecesse a falta de um equipamento adequado para validar sua crença nos tempos que vivia.

Foi somente no século XIX que James Clerk Maxwell, autor da teoria eletromagnética, veio a oferecer formalmente uma descrição científica do éter que interliga todas as coisas. Ele o descreveu como uma “substância material de espécie mais sutil que os corpos visíveis e que se supunha existir em regiões do espaço aparentemente vazias”.

Muito recentemente, já no século XX, algumas das mentes científicas mais respeitadas ainda faziam uso da terminologia antiga para descrever a essência que preenche o espaço vazio. Imaginavam o éter como uma substância real e com uma consistência que o situava entre a matéria física e a energia pura.

Era através do éter, raciocinavam os cientistas, que a luz se movia de um ponto ao outro, navegando no que, se não fosse por ele, pareceria tratar-se de um espaço vazio.

“Não posso senão pensar no éter, possível base de um campo eletromagnético com energia e vibrações, como provido de um certo grau de consistência, por mais diferente que possa ser de toda a matéria comum”, afirmou em 1906 o físico ganhador do prêmio Nobel Hendrik Lorentz. As equações de Lorentz foram as que deram a Einstein o instrumental para desenvolver sua revolucionária teoria da relatividade.

Ainda que suas teorias parecessem prescindir do éter no universo, o próprio Einstein acreditava que alguma coisa seria descoberta para explicar como o vazio do espaço era ocupado, e afirmava: “O espaço sem o éter é inimaginável.”

De uma forma semelhante ao modo de pensar de Lorentz e dos antigos gregos, que acreditavam ser essa substância o meio através do qual as ondas se deslocavam, Einstein afirmava que o éter era necessário para que as leis da física pudessem existir:

“No espaço (sem o éter) não apenas seria impossível a propagação da luz, mas também não seria possível existir padrões para o espaço e o tempo”. 

Embora por um lado parecesse que Einstein concordava com a possibilidade do éter, por outro lado ele advertia que o éter deveria ser considerado como energia no seu sentido mais usual. “O éter não pode ser imaginado como provido das qualidades características de um meio ponderável, como se consistisse de partes (partículas) que pudessem ser acompanhadas ao longo do tempo.” Assim, ele descrevia como conseguia manter a compatibilidade entre a existência do éter – mesmo levando em conta sua natureza não-convencional – e suas teorias. Ainda hoje, a simples menção de campo de éter provoca debates acalorados sobre sua possível não existência.


Do que é feita a Matriz Divina? 
por Gregg Braden
Os experimentos mostram que a Matriz é feita de uma modalidade de energia que não se assemelha a nada conhecido no passado – e foi por esse motivo que os cientistas levaram tanto tempo para descobri-la.

Conhecida como “energia sutil”, ela simplesmente não funciona da maneira que um campo elétrico convencional típico funciona. Em vez disso, ela tem a aparência de uma rede de malha bem apertada e forma o tecido da criação, o mesmo que denomino Matriz Divina.

Dentre as muitas definições possíveis para a Matriz Divina, talvez a mais simples seja pensá-la como sendo formada de três coisas básicas:
1 – é o receptáculo dentro do qual existe o universo;
2 – é a ponte entre nosso mundo interior e o exterior;
3 – é o espelho que reflete nossos pensamentos diários, nossos sentimentos, emoções e crenças.
Existem mais três atributos que colocam a Matriz Divina em uma posição separada de todas as energias da mesma espécie. 

Em primeiro lugar, ela pode ser descrita como estando presente em toda parte todo o tempo, então, ela já existe.

Contrariamente à irradiação da TV ou da radioemissora, que deve ser criada em determinado lugar e ser transmitida para algum outro lugar, esse campo já aparenta estar presente em toda parte.

Em segundo lugar, aparentemente esse campo surgiu juntamente com a criação do universo – com o Big Bang, ou seja lá o que tenhamos escolhido chamar de “o princípio”.

Obviamente, ninguém se encontrava por aqui para nos dizer o que havia antes, mas os físicos acreditam que essa enorme liberação de energia lançadora do universo no campo da existência foi o próprio ato da criação do espaço propriamente dito.

Como o Hino da Criação do antigo Rig Veda nos sugere, antes do começo “nem ao menos o nada existia, não havia o ar ainda, nem nenhum firmamento”.

Como a existência do “nada” explodiu de “alguma coisa” do espaço, o que ficava entre o nada nasceu.

Podemos conceber a Divina Matriz como um eco desse momento em que o tempo surgiu, como um elo feito de tempo e espaço nos conectando à criação de todas as coisas.

É a natureza dessa conexão sempre presente que possibilita a não-localidade das coisas que existem dentro da Matriz.

A terceira característica desse campo, talvez aquela que o torna tão significativo para nossa vida, é a sua aparente “inteligência”.

Em outras palavras, o campo responde ao poder das emoções humanas.

Na linguagem de outros tempos, as tradições antigas fizeram o melhor possível para compartilhar esse grande segredo conosco.

Inscritas nas paredes do templo, confinadas em pergaminhos gastos pelo tempo, firmemente estabelecidas na vida das pessoas, as instruções nos dizem como nos comunicar com a energia que conecta todas as coisas e que foram deixadas pelos que vieram antes de nós. 

Nossos ancestrais tentaram nos mostrar como curar nosso corpo e dar vida aos nossos mais profundos desejos e maiores sonhos.

Somente agora, aproximadamente 5.000 anos depois que a primeira dessas instruções foi registrada, a linguagem da ciência redescobriu as mesmas relações entre nosso mundo e nós mesmos. 

A energia descoberta nesses experimentos (e teorizada por outros) é tão nova que falta ainda aos cientistas concordar sobre um único termo para descrevê-la.

Portanto, existem muitos nomes diferentes que estão sendo usados para identificar o campo que interliga tudo.

Por exemplo, Edgar Mitchell, o primeiro astronauta da nave espacial Apollo batizou-a de “a mente da natureza”.

O físico e coautor da teoria das supercordas, Michio Kaku, descreveu essa energia como o “Holograma Quântico“.

Conquanto esses sejam rótulos modernos para a força cósmica que se acredita responsável pelo universo, encontramos temas semelhantes, até mesmo palavras semelhantes, em textos criados milhares de anos antes da física quântica.

Por exemplo, os evangelhos gnósticos que datam do século IV também usaram a palavra mente para descrever essa força dizendo como “do poder do Silêncio surgiu um grande poder, a Mente do Universo, que dirige todas as coisas”.

Por mais diferentes que os nomes pareçam ser, todos, aparentemente, estão descrevendo a mesma coisa – a essência viva que é o tecido de nossa realidade.

É a essa mente que Planck faz referência quando estava em Florença, na Itália, em meados do século XX. Durante a palestra que apresentou em 1944, ele fez uma declaração que muito provavelmente não foi nem mesmo completamente compreendida pelos cientistas daquela época.

Em palavras proféticas, que seriam tão impactantes no século XXI como foram quando pronunciadas há tantos anos, Planck disse:”Na qualidade de alguém que devotou a vida inteira à ciência mais esclarecida, ao estudo da matéria, posso fazer a seguinte afirmativa como resultado de minhas pesquisas sobre os átomos: a matéria, como matéria propriamente dita, não existe! Toda matéria se origina e existe apenas em virtude da força que faz vibrar as partículas de um átomo e que consegue manter unido esse extremamente diminuto sistema solar. Devemos assumir que por trás dessa força existe uma Mente consciente e inteligente. Essa Mente é a matriz de toda a matéria”.

Sem sombra de dúvida, os experimentos e a discussão  nos mostram que a matriz de Planck existe. O campo que interliga toda a criação é real, ele existe independentemente de uma designação adequada ou de uma lei da física que explique seu funcionamento. 
Ele se encontra aqui neste exato momento, existe tanto quanto eu e você. É o universo dentro de nós assim como o universo que nos cerca, a ponte quântica entre tudo o que é possível em nossa mente e o que é real no mundo. 
A mesma matriz da energia que explica por que os três experimentos funcionaram daquela forma, também demonstra que os sentimentos positivos que se encontram dentro de nós são muito eficazes em torno de nós. 
Contudo, a nossa ligação à Matriz de toda a matéria vai além disso … ela continua em coisas que não podemos ver. 
A Matriz Divina está em toda parte e em todas as coisas. 
Toda matéria existe dentro do mesmo invólucro de realidade, do pássaro voando no céu às partículas cósmicas que passam através de nosso corpo e casa como se fôssemos espaço vazio: é a Matriz Divina. 
E o que preenche o vazio entre você, leitor, e as palavras desta página. É aquilo que constitui o próprio espaço. Quando se pensa sobre a Matriz e quando nos perguntamos sobre sua localização, podemos ficar tranquilos que onde quer que o espaço exista também estará presente essa energia sutil.

O que tudo isso significa afinal?
Como um grande segredo do qual todos suspeitam, mas raramente é alvo de conversas, pela Matriz Divina estamos todos conectados do modo mais íntimo que possamos imaginar.

Mas o que significa essa conexão?

Qual o significado de compartilharmos o espaço quântico puro onde vive a imaginação e onde a realidade nasce e de nos envolvermos tão profundamente com nosso mundo e com a vida de outras pessoas?

Se verdadeiramente formos mais do que simples observadores casuais de nossa vida e o mundo “acontecer” em torno de nós, até que ponto poderemos “crescer” mais?

Os experimentos anteriores demonstraram que dentro de nós existe um poder diferente de qualquer um já criado por máquinas de laboratório.

É uma força que não é limitada pelas leis da física – pelo menos não pelas leis que compreendemos hoje. E não precisamos de um experimento de laboratório para que essa conexão exista.

Quantas vezes telefonamos para alguém só para descobrir que essa pessoa já estava na linha quando tiramos o fone do gancho … ou quantas vezes discamos um número e depois descobrimos que a linha estava ocupada porque a mesma pessoa com quem queríamos falar estava ligando para falar conosco?

Em quantas ocasiões nos encontramos nos divertindo com amigos em uma rua movimentada, em um shopping ou no aeroporto, e somos assaltados pela estranha sensação de que já estivemos naquele lugar antes, ou com aquelas pessoas anteriormente, fazendo exatamente o que estamos fazendo naquele momento?
Ainda que esses exemplos simples gerem comentários divertidos, eles são mais do que circunstâncias aleatórias.

Embora não possamos provar cientificamente por que essas coisas acontecem, nós todos sabemos que elas ocorrem. Em tais momentos de conectividade e déjà vu, nos encontramos, espontaneamente, transcendendo os limites impostos pelas leis físicas.

Nesses breves instantes, somos lembrados de que provavelmente existe mais sobre o universo e sobre nós do que possamos conscientemente conhecer. Esse é o mesmo poder nos dizendo que somos mais do que simples observadores neste mundo.

O segredo para nos experimentarmos nesse sentido é criar essas experiências intencionalmente – é ter percepções transcendentais quando bem desejarmos, em vez de apenas quando elas parecem “acontecer”. 

Com exceção de poucas pessoas com dotes especiais, aparentemente existem boas razões para não podermos estar em dois lugares ao mesmo tempo, fazer viagens através do tempo e nos comunicarmos mais rapidamente do que permitem as leis da física. Tudo se resume no que acreditamos sobre nós mesmos e sobre o papel que acreditamos desempenhar no universo.

Somos criadores – e mais que isso ainda, somos criadores e estamos interligados. Por meio da Matriz Divina participamos da constante mudança que dá significado à vida. A questão que se coloca diz menos respeito ao fato de sermos ou não observadores passivos, e refere-se mais à definição de como poderemos criar de forma intencional.

DNA e as Emoções 
Experiências e respostas do DNA em relação às nossas emoções 
Por Gregg Braden.
A seguir, três assombrosos experimentos com o DNA (ADN) que provam as qualidades e sua autocura em consonância com os sentimentos da pessoa.
Experimento 1:
O primeiro experimento foi realizado pelo Dr. Vladimir Poponin, um biólogo quântico. Nessa experiência começou-­se por esvaziar um recipiente (quer dizer que se criou um vazio em seu interior) e o único elemento deixado dentro foram fótons (partículas de luz). Foi medida a distribuição desses fótons e descobriu-­se que estavam distribuídos aleatoriamente dentro desse recipiente. Esse era o resultado esperado. Então, foi colocada, dentro do recipiente, uma amostra de DNA e a localização dos fótons foi medida novamente. Desta vez os fótons haviam se organizado em linha com o DNA. Em outras palavras, o DNA físico produziu um efeito não-­físico nos fótons. Depois disso a amostra de DNA foi removida do recipiente e a distribuição dos fótons foi medida novamente. Os fótons permaneceram ordenados e alinhados onde havia estado o DNA. A que estão conectadas as partículas de luz? Gregg Braden diz que estamos impelidos a aceitar a possibilidade de que exista um NOVO campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio desse campo.
Experimento 2:
Este experimento foi levado a cabo pelos militares. Foram recolhidas amostras de leucócitos (células sanguíneas brancas) de um número de doadores. Essas amostras foram colocadas em um local equipado com um aparelho de medição das mudanças elétricas. Nessa experiência, o doador era colocado em um local e submetido a “estímulos emocionais” provenientes de video-clipes que geravam emoções ao doador. O DNA era colocado em um lugar diferente de onde se encontrava o doador, mas no mesmo edifício. Ambos, doador e seu DNA, eram monitorados e quando o doador mostrava seus altos e baixos emocionais (medidos em ondas elétricas), o DNA expressava respostas idênticas e ao mesmo tempo. Não houve lapso e retardo de tempo de transmissão. Os altos e baixos do DNA coincidiram exatamente com os altos e baixos do doador. Os militares queriam saber o quão distantes podiam ser separados o doador e seu DNA e continuarem observando este efeito. Pararam de experimentar quando a separação atingiu 80 quilômetros entre o DNA e seu doador e continuaram tendo o mesmo resultado. Sem lapso e sem retardo de transmissão, o DNA e o doador tiveram as mesmas respostas ao mesmo tempo. Que significa isso? Gregg Braden diz que as células vivas se reconhecem por uma forma de energia não reconhecida anteriormente. Essa energia não é afetada pela distância e nem pelo tempo. Essa não é uma forma de energia localizada, é uma energia que existe em todas as partes e todo o tempo.

Experimento 3:
O terceiro experimento foi realizado pelo Instituto Heart Math e o documento que lhe dá suporte tem este título: “Efeitos locais e não locais de frequências coerentes do coração e alterações na conformação do DNA”. Esse experimento relaciona-­se diretamente com a situação e com o antrax. Nesse experimento, tomou-­se o DNA de placenta humana (a forma mais próxima de DNA) e colocou­-se em um recipiente onde se podia medir suas alterações; 28 amostras foram distribuídas em tubos de ensaio, ao mesmo número de pesquisadores previamente treinados. Cada pesquisador havia sido treinado a gerar e sentir sentimentos, e cada um deles podia ter fortes emoções. O que se descobriu foi que o DNA mudou de forma de acordo com os sentimentos dos pesquisadores.

Quando os pesquisadores sentiram gratidão, amor e apreço, o DNA respondeu relaxando-­se e seus filamentos esticando-­se. O DNA tornou-­se mais grosso. Quando os pesquisadores sentiram raiva, medo ou stress, o DNA respondeu apertando­-se. Tornou-­se mais curto e apagou muitos códigos.

Você já se sentiu alguma vez “descarregado” por emoções negativas? Agora já sabe por que seu corpo também se descarrega. Os códigos de DNA conectaram-­se novamente quando os pesquisadores tiveram sentimentos de amor, alegria, gratidão e apreço.

Essa experiência foi aplicada posteriormente a pacientes com HIV positivo. Descobriram que os sentimentos de amor, gratidão e apreço criaram respostas de imunidade 300.000 vezes maiores que as que tiveram sem eles.

Assim, temos aqui uma resposta que nos pode auxiliar a permanecer com saúde, sem importar quão daninho seja o vírus ou a bactéria que esteja flutuando ao redor: mantendo-­se os sentimentos de alegria, amor, gratidão e apreço.

Essas alterações emocionais foram mais além de seus efeitos eletromagnéticos. Os indivíduos treinados para sentir amor profundo foram capazes de mudar a forma de seu DNA.

Gregg Braden diz que isso ilustra uma nova forma de energia que conecta toda a criação. Essa energia parece ser uma rede estreitamente tecida que conecta toda a matéria. Podemos influenciar essencialmente essa rede de criação por meio de nossas vibrações.

RESUMO: que tem a ver os resultados dessas experiências com nossa situação presente? Esta é a ciência que faculta escolher uma linha de tempo que nos permite estar a salvo, não importa o que aconteça.

Como Gregg explica em seu livro “O Efeito de Isaías”, basicamente, o tempo não é apenas linear (passado, presente e futuro) mas é também profundidade.

A profundidade do tempo consiste em todas as linhas de tempo e de oração que possam ser pronunciadas ou que existam.

Essencialmente, suas orações já foram respondidas.

Simplesmente ativamos a que estamos vivendo por meio de nossos sentimentos.

É assim que criamos nossa realidade quando a escolhemos com nossos sentimentos. Esses sentimentos estão ativando a linha do tempo por meio da rede de criação que conecta a energia e a matéria do universo.


Lembre-­se de que pela Lei do Universo atraímos aquilo que colocamos em nosso foco. 

Se você focar em temer qualquer coisa, seja lá o que for, estará enviando uma forte mensagem ao Universo para que lhe envie aquilo que você mais teme. 

Em troca, se você puder se manter com sentimentos de alegria, amor, apreço ou gratidão e focar-­se em trazer mais disso para sua vida, automaticamente conseguirá afastar o negativo.

Com isso, você estaria escolhendo uma linha de tempo diferente com esses sentimentos. Pode-­se prevenir o contágio do antrax ou de qualquer outra gripe ou vírus, ao se permitir sentimentos positivos que mantêm um sistema imunológico extraordinariamente forte.

Sendo assim, essa é uma proteção para o que vier.

Busque algo pelo qual você possa estar alegre todos os dias, cada hora se possível, momento a momento, ainda que sejam alguns poucos minutos.

Esta é a mais fácil e melhor das proteções que você poderá ter. Aliás, os mestres de sabedoria de todos os tempos sempre afirmaram isso que se comprova cientificamente hoje.

Como descobrir o que os sentimentos de atração dizem
Todos nós dominamos a arte de desistir de partes de nós mesmos, quando sentimos que no momento é uma medida necessária para nossa sobrevivência física ou emocional.

Quando fazemos isso, é fácil nos vermos como “inferiores” e sermos iludidos pelas nossas crenças sobre o que restou. Para algumas pessoas, a compensação ocorre antes da percepção, sem que cheguem a compreender o que ocorre, enquanto para outras, trata-se de uma escolha consciente.

Convido-o a mergulhar em si mesmo no momento em que encontrar alguém que lhe desperte um sentimento de proximidade e empatia. Algo de raro e precioso está acontecendo com ambos nesse instante: você acaba de encontrar quem guardava suas partes perdidas que você tanto procurava.

Frequentemente trata-se de uma experiência de mão dupla, pois a outra pessoa sente-se atraída pela mesma razão.

Usando seu poder de discernimento, você percebe que deve iniciar uma conversa. Comece falando sobre alguma coisa – qualquer coisa – para manter o contato pelo olhar.

Enquanto fala, mentalmente proponha a si mesmo a seguinte pergunta: O que vejo nesta pessoa que perdi em mim mesmo, que desisti, ou que tiraram de mim?

Quase imediatamente uma resposta surgirá em sua mente.

Pode ser alguma coisa tão simples como um sentimento de realização ou algo tão claro como a voz interior que você reconhece e que tem estado desde criança em sua companhia.

As respostas frequentemente são palavras simples ou frases curtas, e seu corpo saberá o que tem sentido para você.

Talvez você simplesmente perceba algo de belo nessa pessoa de que você sente falta em si mesmo naquele momento. Trata-se de você encontrando uma parte sua em outra pessoa, algo que você tem, bem como o sentimento do que seria despertar alguma coisa assim no seu íntimo.

Para os que têm a coragem de reconhecer o sentimento de familiaridade de tais encontros, o medo da perda, provavelmente, desaparece.

Encontramos uma sensação de plenitude em nós mesmos quando os outros espelham em nós a verdadeira natureza deles.

Coletivamente, estamos olhando para nossa plenitude, e criamos individualmente as situações que nos levam a encontrá-la, professores, pessoas mais velhas, jovens, pais e filhos, o sexo oposto, todos são catalisadores de sentimentos.

Nesses sentimentos encontramos as coisas que ansiamos ter em nós mesmos, o que ainda existe em nós, mas está oculto pelas máscaras do que acreditamos que somos. É natural e humano.

A compreensão do que nossos sentimentos realmente nos contam a respeito dos outros, pode se transformar no mais poderoso instrumento para descobrirmos nosso potencial máximo.

NOTA E CONCLUSÃO
Quase universalmente, compartilhamos uma sensação de que existe mais em nós do que os olhos vêem. Em algum lugar, emergindo da névoa da memória coletiva de um passado distante, sabemos que temos poderes mágicos e miraculosos dentro de nós. Desde a época de nossa infância, fantasiamos sobre nossa capacidade de fazer coisas além da razão e da lógica. E por que não? Quando ainda somos crianças temos que “aprender” a regra de que milagres não são coisas que acontecem todos os dias. Os lembretes de nosso potencial miraculoso estão a nossa volta. De acordo com todos os experimentos e pesquisas, juntamente com a demonstração dos que transcenderam os limites de suas próprias crenças, acreditamos que a resposta seja sim. Se as partículas das quais somos feitos podem se comunicar instantaneamente entre si, existir em dois lugares ao mesmo tempo, viver tanto no passado como no futuro e até mesmo mudar a história mediante escolhas no presente, então nós também podemos. A única diferença entre nós e aquelas partículas isoladas é que somos feitos de uma quantidade enorme delas, mantidas juntas graças à própria Consciência. A mística dos tempos antigos lembra ao nosso coração, e as experiências modernas têm comprovado perante a razão, que a força mais poderosa do universo vive no interior de cada pessoa. E que o grande “conhecimento secreto” da própria criação é: ter o poder de criar o mundo que imaginamos em nossas crenças. Ainda que isso possa parecer muito simples para ser verdade, acreditamos que o universo funciona precisamente desse modo. Se pudermos nos lembrar de que somos não só a obra de arte como também o artista que a criou, talvez então nos lembremos de que somos a semente do milagre, tanto quanto o milagre em si mesmo. Se pudermos operar essa pequena mudança, já estaremos curados na Matriz Divina.

Post relacionado sobre o livro de Gregg Braden “Awakening to Zero Point” –
Bibliografia para consulta
1 – A Matriz Divina – Gregg Braden
2 – O Efeito Isaías – Gregg Braden
3 – The Sciense of Miracles – Gregg Braden
4 – O Código de Deus – Gregg Braden
5 – Segredos de um modo Antigo de Rezar – Gregg Braden
6 – Fractal Time – Gregg Braden
7 – Awakening to  Zero Point – Gregg Braden
8 – Verdade Profunda – Gregg Braden
9 – O Segredo de 2012 – Gregg Braden
10 – Spontaneous Healing and Belief – Gregg Braden
11 – The Turning Point – Gregg Braden 
LEIA TAMBÉM, CLIQUE:

O INTERIOR DA TERRA, O REINO DÉVICO E O FENÔMENO UFO


Uma mensagem de Metatron 
canalizada por Tyberonn 
Saudações, Queridos! Eu sou Metatron, Senhor da Luz, e lhes dou as boas-vindas a estas palavras vivas. Abraço cada um de vocês em amor.
Agora vocês pensam que o seu planeta é uma esfera sólida, mas Queridos, na verdade o seu planeta é achatado nos pólos e contém grandes vazios em seu interior, que abrigam aquilo que vocês chamam de civilizações perdidas.

Seus geólogos determinaram que seu planeta tem 4,5 bilhões de anos, e lhes dizemos que isto é quase exato, dentro das leis da sua ciência. O que os seus cientistas não compreendem é que a dimensionalidade influencia as leis da sua ciência.

De uma dimensionalidade diferente, seu planeta seria um conglomerado de muitas Terras, justapostas de forma concêntrica, com uma infinidade de probabilidades paralelas, entendem?

Pergunta: Muito tem sido falado sobre civilizações intraterrenas. Elas existem? E se existem, onde se localizam?
Metatron: Elas realmente existem e têm existido há muito tempo. Há uma raça de seres humanóides, que se originou nos tempos da Lemúria e na fase posterior de Atlântida, que descobriu um meio de entrar nas fendas profundas e vazias da sua Terra.

Existe uma grande extensão de vazios no seu planeta, que eram conectados por uma vasta rede de túneis. Esses primeiros seres que entraram ali tinham um corpo mais leve, uma forma física não tão densa quanto a que os seres humanos da superfície têm, desde que evoluíram para essa forma na superfície.

Inicialmente esses seres da Lemúria entraram nessas fendas para escapar da fúria daquilo que vocês chamam de dinossauros, que infestaram seu continente durante um longo tempo.

Com o tempo eles descobriram vastas áreas de grande tranqüilidade e intensa beleza, conforme se adaptavam a esses mundos internos.

Ao se aventurarem mais profundamente na Terra, esses seres descobriram que existe um sol interno, por assim dizer, nas profundezas da Terra.

O sol interno emite uma forma de luz azul, e os antigos Lemurianos, em corpos semifísicos e etéricos, desenvolveram meios de enxergar nessa luz, e descobriram uma incrível beleza nos abismos internos.

Alguns de vocês pensam que os Lemurianos ascenderam. A verdade é que eles descenderam para dentro da Terra, mas estão muito perto daquilo que pode ser chamado de conclusão do seu ciclo, ou Ascensão.

Existem literalmente dezenas de cavernas internas sob as áreas de Arizona, Nevada e Califórnia. Muitas delas foram encontradas por seres humanos no seu século passado. Estas existem na região do Grand Canyon, Flagstaff, na região que vocês chamam de Area 51 e Death Valley na Califórnia.

      

Os povos indígenas, agora chamados de Hopi, Navajo e Havasuapi, ainda conservam lendas e, na verdade, algum conhecimento a respeito dessas cavernas e túneis.

Agora, é preciso observar que, naquilo que é chamado de interior da Terra, o aumento das pressões e magnetismo das forças gravitacional e teotônica cria um modelo de vetor único e específico, que permite maior tangibilidade, maior ancoragem daquilo que vocês chamam de paralelos dimensionais.

Portanto, realmente existem concentricidades na Terra que permitem múltiplas sobreposições de dimensões internas.

Na verdade, elas existem em todos os lugares do Universo, como vocês o conhecem, e existem na superfície do seu planeta, mas são consideravelmente menos tangíveis devido à densidade eletromagnética e à densidade da pressão, que citamos.

Digamos que dentro da Terra o modelo energético torna-se mais focal nas camadas, e permite que existam mais dimensões e que se concentrem mais pixels de força vital e mais éter. Fazendo uma analogia grosseira, seria como comparar uma televisão que recebe um sinal de antena com outra que recebe o sinal via cabo ou satélite, sendo a primeira o modelo da superfície do seu planeta, e a segunda o interior da Terra.

Neste caso, mais canais são disponíveis – e disponíveis numa definição mais rica – mas estamos falando de dimensões paralelas quando usamos o termo canais.

Conseqüentemente, dentro da Terra existem paralelos separados, sucintamente justapostos lado a lado e em superposição concêntrica, que permitem que formas diferentes de vida coexistam sem verdadeiramente se tocarem, por assim dizer. 

E exatamente do mesmo modo que muitos canais estão disponíveis em um mesmo aparelho de televisão, assim também existem muitos planos de dimensão paralela existindo dentro da mesma Terra. De fato a maioria dos extraterrestres que mantêm bases no interior da Terra as mantêm nesses modelos de freqüência paralela, que podem ser chamados de holográficos. Entendem?

Então, existem muitas formas de vida nas concentricidades da Terra, muitas das quais estão aqui há muito mais tempo do que a espécie humana, muitas das quais se consideram com tanto direito à Terra quanto vocês. Mas, na verdade, aqueles que estão mais estreitamente alinhados com a espécie humana são os da antiga Lemúria.

Pergunta: Onde esses seres vivem, e como se parecem?
Metatron: Na verdade, esses seres da Lemúria são muito mais altamente evoluídos em espírito do que vocês, neste momento. Como eu disse, seus corpos são menos densos, mas são realmente físicos.

A pele deles assumiu um matiz esverdeado e, em alguns casos, verde azulado, porque a água que eles bebem tem um conteúdo altamente mineral, contendo cobre oxidado e outros metais em maior concentração.

Estes seres são pacíficos, não conhecem nenhuma outra religião além do amor da fonte, e compreendem o que é chamado de grande tranqüilidade.

Eles estão muito conscientes de vocês, mas não têm nenhum desejo de se inter-relacionar. Por que? – vocês perguntariam. Devido a inúmeras razões, sendo que a mais predominante é que eles estão conscientes da sua natureza violenta, do seu medo e da sua falta de desenvolvimento espiritual coletivo.

Estão conscientes das suas doenças físicas, algumas das quais poderiam contaminá-los potencialmente, e eles são incapazes de suportar seus raios solares. Digamos que eles evoluíram em seres que estabeleceram uma rota exclusiva e estão prestes a completar sua jornada. Seus corpos são sustentados por uma força cristalina magnética, e por uma fonte de luz que é emitida pelo centro do seu planeta.

Suas capacidades mentais permitiram que eles aproveitassem esses campos de força e os adaptassem para o seu sustento físico e espiritual. Embora eles estejam numa biologia física, ela é uma biologia mais quadridimensional e muito menos densa do que a de vocês.

Muitos deles são bem hábeis naquilo que vocês chamam de tele-transporte.

Realmente houve contato entre os habitantes do mundo interno e os seus governos, mas não um inter-relacionamento. Houve mensagens sobre a necessidade da raça humana da superfície estar consciente das mudanças que virão. Como dissemos antes, os seres do mundo interior estão numa rota diferente, num ciclo de tempo diferente, e este está próximo da conclusão.
Você perguntou onde esses vazios internos estão localizados. Tendo em mente o aspecto do paralelo dimensional, lhe respondemos que, nos seus termos, a maior concentração desses vazios está em terras sob os mares, mas existem bolsões abaixo de todas as massas de terra.

As regiões do noroeste dos Estados Unidos, as montanhas de Arkansas, Novo México, Arizona, México, América Central, Peru, Grã-Bretanha, Europa, os Himalaias, Chile, Argentina, África, Bolívia, Brasil, China, Sibéria, Groenlândia, Islândia e Sri Lanka, todas elas contêm colônias intraterrenas.

 

Pergunta: A que profundidade eles vivem, dentro da Terra? A Terra tem pontos de acesso a esses vazios internos?
Metatron: Dissemos que pontos de entrada ocorrem nos pólos e em muitas aberturas na superfície do planeta. É impossível definir a profundidade, já que são realmente paralelas em termos de dimensão, e as medidas, nos seus termos físicos, não são verdadeiramente válidas.

Alguns dos vazios e comunidades menores estão bem perto da superfície, mas as principais áreas ocas estariam, nos seus termos, a mais ou menos 20 milhas abaixo da camada da superfície e algumas, numa profundidade aproximada de 100 milhas.

(Seus geólogos achariam difícil de imaginar isto devido à sua interpretação da pressão e calor, mas lhes dizemos que estes lugares existem, e a vida existe dentro deles através da arregimentação de campos de força)

Mas estas distâncias são relativas à multidimensionalidade paralela. Se, por exemplo, você conseguisse entrar por uma das regiões dimensionais polares ou por uma das suas passagens dimensionais trianguladas, em uma Terra paralela, em um continuum de espaço-tempo diferente, a que distância você verdadeiramente se encontraria do ponto em que entrou?

A resposta pode estar em polegadas ou éons, dependendo do modo como você a enxerga. A ciência que está mais perto de englobar com precisão a infinidade dos mundos é a física quântica, e esta ciência está apenas começando a ser compreendida nas comunidades científicas da Terra.

O paradigma precisa mudar, assim como a base geométrica e matemática, antes que esta ciência seja decifrada com exatidão no seu plano.

As principais entradas para os vazios internos do planeta são através das Regiões Polares. Os aspectos dimensionais expandidos da sua Terra(s) multidimensional estão conectados de forma quântica nos pólos. O aspecto magneticamente achatado das Regiões Polares é que possibilita as áreas ocas na esfera planetária.

Seu Almirante Byrd escreveu a respeito de voar sobre essa região e ver terras tropicais onde rios correm. 

Nós lhes dizemos que ele realmente passou dimensionalmente, por um breve período atemporal, para dentro do aspecto paralelo da Terra oca, e que ele e outros fizeram isto em várias ocasiões.

Nas Regiões Polares, o hiper-transporte dimensional pode ocorrer sob uma série de condições específicas.

O transporte dimensional pela abertura polar é mais ou menos como atravessar um campo cônico inclinado e íngreme, virando rápida e elipticamente. A sensação é de subitamente estar “achatado” de novo, ou paralelo à superfície.

Na verdade, se está realmente numa dimensão paralela. Os seres do interior da Terra existem nesse tipo de espaço.

Existem muitas raças e seres na sua Terra “multidimensional”. Inclusive muitos que vocês chamam de extraterrestres, que poderiam reclamar a cidadania do seu planeta com tanta convicção quanto vocês. Na verdade, na maioria dos casos, eles estão na Terra há mais tempo do que a humanidade.

Pergunta: Isto inclui os seres que chamamos de Yeti ou Devas?
Metatron: Não. Esses seres também existem, mas não estão entre os Lemurianos e os primeiros Atlantes que se aventuraram no interior da Terra.
Pergunta: Poderia nos falar sobre os Yeti? Estes são os mesmos seres que chamamos de Pé Grande?
Metatron: Esses que vocês chamam de Yeti ou aqueles chamados de Pé Grande são versões anteriores do experimento genético na Terra, principalmente da fase da Atlântida, há aproximadamente 20.000 anos atrás.

Naquele tempo, havia muitos experimentos genéticos no seu planeta. Esses seres são inteligentes, mas geneticamente prejudicados.

Essas formas gigantescas foram criadas geneticamente usando o DNA humano com o do macaco, para criar um animal humanóide para mão-de-obra, um animal com mais inteligência – com inteligência semelhante à do homem – mas com uma fiação genética ou implantes impostos, que “desligavam” certas áreas do cérebro. Eles são sobreviventes daqueles que vocês chamam “os outros” de Atlântida.

São remanescentes de seres insensivelmente criados para força de trabalho nas minas, fazendas e silvicultura. As áreas dos seus cérebros que permitem a emoção e o pensamento expansivo tiveram seus códigos artificialmente prejudicados, no entanto a mesma fonte que habita estas criaturas deficientes está nos golfinhos, mas seus corpos são incapazes de se expressar ou de evoluir mentalmente além de certos limites.

Entretanto eles possuem o que vocês chamam inteligência divina. Mas só conseguem se sustentar e crescer através da força física e dos mecanismos do instinto de sobrevivência.

Esses seres não moram nos vazios da Terra. Eles vivem em cavernas e montanhas distantes e nas florestas fechadas e terras pantanosas. São seres noturnos. São uma raça que está minguando, por assim dizer, e com o tempo não mais existirá.

Estes seres têm muito medo dos humanos, e experienciam grande tristeza e confusão quanto à própria evolução. Eles os observam cautelosamente, eles sabem que são seus irmãos, e com uma ansiedade atormentada querem estar mais perto de vocês, mas são suficientemente inteligentes para saber que não podem.

Seus corpos desenvolveram uma massa espessa de cabelo e uma pele grossa e oleosa que lhes permitem viver em locais extremos, e aí eles vivem a fase final de suas vidas. Seus espíritos não desejam mais se completar, já que suas limitações genéticas são tantas, que os impedem de evoluir.

Se vocês pudessem olhar dentro dos olhos de um desses seres, sentiriam uma grande tristeza.

Pergunta: Você está dizendo que os Yeti são da mesma fonte espiritual dos golfinhos?
Metatron: Sim. Mas sejamos claros – é a mesma fonte, mas não a mesma expressão.

Na verdade, está muito longe disto.

Vejam, essas criaturas não expressam a mesma emoção vívida, a mesma inteligência e alegria dos golfinhos, porque os corpos onde estão presos não lhes permitem fazer isto.

Vocês podem se perguntar por que esses espíritos escolheriam habitar tais veículos físicos tão restritos.

E a resposta é que cada vez menos espíritos fazem esta escolha, e em breve eles deixarão de existir como espécie. Estes seres são capazes de expressar grande força de sobrevivência e amor um pelo outro, mas decidiram abandonar essa expressão.

Se o homem continuar a sujar os oceanos, e a abater as energias magníficas das baleias e golfinhos, estes irmãos maravilhosos também vão abandonar esse papel. Vocês não têm idéia da energia luminosa que as baleias e os golfinhos põem em ação nos seus mares.

Vocês se surpreenderiam se soubessem que muitos de vocês existem como golfinhos, tanto no presente quanto no passado. Fazem isto para desempenhar um grande serviço ao planeta e à humanidade.
Vejam, os alinhamentos de rede, os pontos de poder e os buracos brancos que existem no seu planeta não existem apenas na terra seca, na verdade a maioria deles existe nas águas externas e internas. Os golfinhos principalmente, e em alguns casos as baleias, alinham suas energias com esses locais para ajudar a equilibrar a energia do seu planeta.
Aquilo que vocês chamam de Reino Dévico tem muito mais expressões de vida nos oceanos e lagos do que nas pedras, nas plantas de terra e no solo.

Pergunta: O que é o Reino Dévico?
Metatron: Aquilo que chamamos de Reino Dévico é constituído essencialmente de aspectos fragmentais do reino mineral e vegetal que encontram expressão dinâmica consciente através de veículos de energia eletromagnética.

Algumas formas dévicas são mais avançadas do que outras. As do Reino das Fadas possuem inteligência divina, enquanto outras do reino dévico são mais como os seus animais, em termos de padrões de pensamentos e consciência grupal.

Nem todas as formas dévicas são o que vocês poderiam imaginar de uma natureza positiva ou benevolente.

Algumas são consciências geradas por campos eletromagnéticos e, como tal, necessitam tanto do positivo quanto do negativo para equilibrar o espectro elétrico, entendem? Algumas vêem a humanidade como irmãos, outras não.

Algumas são extremamente amorosas, outras são um tanto maliciosas, do seu ponto de vista. Mas ambas são formas de vida elétrica, por assim dizer.

Mestres, todas as formas de vida são sagradas, e é apropriado que, enquanto crescem em consciência, tentem entender a miríade do grande mistério. Lembrem-se que para se crescer na luz é preciso eliminar o medo e quebrar o paradigma dos sistemas de crença limitadores.

Pergunta: Você falou anteriormente que seres extraterrestres podem ter bases nas dimensões internas da Terra, e que isto acontece em dimensões holográficas. Muitos relatam que viram tais naves, mas me parece que, se elas estão em outros planos, não seriam facilmente percebidas ou vistas. Suas naves são visíveis para a espécie humana? Por favor explique isto.
Metatron: Esta é uma pergunta complexa. Bem, deixem-nos explicar deste jeito: seres de outras dimensões, outros planos, outros tempos e outros mundos certamente se manifestaram e apareceram entre os seres humanos, tanto no passado quanto no presente.

A “aparição” deles, a capacidade que eles têm de serem percebidos “a olho nu”, algumas vezes se manifesta totalmente por acaso e, em raras situações, de propósito.

Neste último caso, existem realmente extraterrestres menos evoluídos que procuram observar o seu planeta e entender a biologia daqui.

Alguns tentaram se reproduzir através do relacionamento com seres humanos, para criar uma forma híbrida que lhes possibilitasse maior expressão emocional.

Antigamente, do mesmo modo que os seres humanos esbarraram meio acidentalmente na cortina do tempo seqüencial entre os campos do seu presente, passado e futuro, assim também formas de vida e seres “extraterrestres” se materializaram por obra do acaso na membrana freqüencial divisória entre um paralelo ou plano dimensional e outro.

Geralmente, quando isto acontecia, eles eram invisíveis no seu plano, assim como os poucos de vocês que caíram no passado, ou no passado aparente, também eram invisíveis para as pessoas daquela época. Este fenômeno raro dispara uma expansão imediata da percepção subconsciente para a consciente, que é acionada pela migração a diferentes desdobramentos da seqüência de tempo.

Ela se inicia diretamente no centro multidimensional da entidade, e então se torna evidente, embora um tanto perturbador para quem está experienciando isto no tempo, que todos os limites e paradigmas dimensionais existem apenas para propósitos práticos.

Vejam, existem ciências diferentes, uma física diferente para cada dimensão, da mesma forma que existem abordagens e caminhos diferentes, na ciência e na física, disponíveis para a humanidade na sua realidade atual.

Ciências que poderiam ter levado a conceitos muito diferentes foram, em grande parte, ignoradas pela humanidade até agora. Existem abordagens alternativas para a física que revelam muito mais a respeito de transporte, transmutação, bi-locação e locomoção, do que a ciência dominante entende ou deseja entender.

Se a espécie humana tivesse se dedicado a certas disciplinas mentais tão meticulosamente quanto explorou as “leis” tecnológicas externas, seu conhecimento, métodos e sistema de transporte resultante seriam muito diferentes, muito mais eficientes do que são hoje. 

Vocês abraçaram o que é externo e, até certo ponto, descartaram as capacidades das “habilidades internas” da sua consciência divina.

Agora, quando a humanidade decidir dedicar-se prioritariamente ao estudo do que é chamado de ciência “mental” de transporte e bi-locação – e isto realmente é uma ciência com leis que podem ser aprendidas, praticadas e sintonizadas – então as visitas aos paralelos e vetores no tempo e espaço tornar-se-ão menos acidentais e ocorrerão por planejamento.

Uma vez que a humanidade aprenda a dominar a “física mental”, ela se libertará – se libertará muito! – do filtro da ilusão, da camuflagem da dualidade do padrão físico.

Na verdade, vocês estão apenas começando a entender como a Merkabah e a Merkivah destrancam esta chave, quando reguladas pela mente para serem o construtor no campo cristalino. Isto vai ser muito melhorado quando a Grade 144 e sua rede de energia cristalina completarem o seu desdobramento.

A grade vai oferecer uma grande oportunidade de avanço para aqueles de vocês que quiserem dedicar atenção a esta ciência divina de manifestação “mental” e ao que vocês chamam de viagem astral. Vejam, todas as ciências precisam incluir o divino, e isto é excessivamente omitido pelos seus estudiosos mais importantes atualmente.

Então, voltando à sua questão, voltando ao assunto, o ponto interessante sobre as visões de naves extraterrestres que a humanidade alega ver – que na sua linguagem são chamadas de discos voadores – não é que elas existam, mas que tantas pessoas aleguem vê-las.
Na verdade, alguns as vêem, mas muito poucos e muito raramente. E aqueles que as vêem, geralmente estão “vendo-as” através do que pode ser chamado de consciência lúcida expandida, não através da visão normal.
O fato da maioria das naves estar viajando num campo de dimensão paralela protege sua visibilidade, nos seus termos, através da própria camuflagem freqüencial da separação do seu plano dimensional. Então, na verdade, a grande maioria das tais naves não se manifesta e não pode se manifestar como tal na sua dimensão.
As experiências visuais realmente acontecem, mas na verdade, o que é visto na maioria dos casos são imagens refratadas, uma foto-reflexão energética que lampeja na sua dimensão, quando a espaçonave entra nos espectros dimensionais da Terra. Isto ocorre com mais freqüência, quando a nave diminui a marcha, saindo das velocidades da luz e entrando nas dobras dos buracos do espaço. Quando este “vazamento” dimensional acontece, a imagem refratada torna-se visível.
Os próprios átomos, plasma e moléculas que compõem estruturalmente a “espaçonave” são formados pelo padrão físico colado estruturalmente e alinhado fisicamente de acordo com a natureza concisa e o padrão do seu próprio território dimensional, sua realidade territorial original.

Mas, quando a nave entra no plano de vocês, ocorre uma forte distorção. Sua estrutura real é pega num dilema de forma, entre se transformar completamente na textura da realidade particular da Terra, ou conservar seu próprio padrão original.

Em muitos casos, o observador humano tenta encaixar o que é “visto” dentro do sistema de crença daquilo que ele aceita como possível de existir no universo. Assim, muitas visões são meio adaptadas à expectativa individual e à crença humana coletiva. Isto não significa que o que está sendo visto não está acontecendo, mas que o que é visto está distorcido por um jogo de espelhos dimensionais e pela expectativa.
Portanto, o resultado final daquilo que o observador terreno acredita que vê é algo entre uma nave de forma estranha e um avião envolto por luzes giratórias, mas na verdade não é nem um nem outro. A nave conserva o que pode da sua estrutura original e muda o que deve mudar, ao transmutar sua estrutura de acordo com as leis do novo plano dimensional.
Como cada observador humano registra a imagem e a interpreta individualmente, muitas das alegações e relatos relacionados à forma, tamanho e cor diferem drasticamente.

Então, mesmo as aparições que parecem indiscutivelmente “reais” nos seus termos, são, no máximo, distorções.

A maioria das naves vem de realidades e planos de existência que são muito mais avançados nas ciências tecnológicas do que a Terra, neste momento. As poucas vezes em que a nave dispara em ângulos retos, é porque ela conseguiu reter funções que lhe são normais no seu habitat particular. 

Aquelas que parecem sólidas para vocês não se originam daquilo que chamaríamos de planos superiores de manifestação do pensamento puro, ou de um plano de ciência da consciência. Vejam, cada vez mais extraterrestres entram no seu plano utilizando “casulos de energia” que se manifestam através do pensamento puro. Estes são construídos intelectualmente e externalizados pelo que é chamado de bioplasma. Suas “Naves Mães” não penetram o seu meio ambiente.
As naves que vêm deliberadamente para as suas dimensões, só vêm de passagem, por períodos muito curtos, porque estes veículos de espaço interno não podem permanecer muito tempo no seu plano. Isto devido às tremendas tensões que pressionam a integridade estrutural da nave.

Na verdade, elas têm a capacidade iminente de criar pressões que resultem na desmaterialização em vapor. A necessidade de transformar materialmente a estrutura de acordo com as leis físicas de um plano dimensional diferente é uma necessidade prática, e o disco voador simplesmente não pode permanecer nesse momento por um período indefinido.

Podemos comparar grosseiramente esta situação com a de um dos seus submarinos ultrapassando seu limite de profundidade e lutando para se conservar intacto antes de sucumbir às pressões. Entendem?

Então, o formato das frotas que são vistas são aparências isomórficas distorcidas da verdadeira estrutura. Geralmente o que os seres humanos dizem que vêem é uma forma de pires ou de charuto, mas na verdade estas são percepções deformadas que virtualmente não têm nenhuma relação com o verdadeiro desenho intrincado das naves, com a forma que elas apresentariam no seu local de base e na concepção do seu projeto arquitetônico.
Como dissemos, existem extraterrestres menos evoluídos que entraram nos seus campos físicos para observar e estudar, e isto explica a grande maioria das visões e evidências de aterrissagens. No entanto, isto aconteceu com muito menos freqüência do que vocês imaginam.

A mal-afamada “Colisão de UFO” que foi tão divulgada, aconteceu por acidente e levou a resultados devastadores. Houve casos em que suas aeronaves e zonas nucleares foram observadas e estudadas, mas a maioria deles aconteceu em períodos muito curtos.

A maioria das visões autênticas são breves vislumbres de formas luminosas movendo-se em ângulos impossíveis. Estas geralmente são vazamentos dimensionais, e tornam-se visíveis no momento em que as imagens refletidas se tornam visíveis.
Menos de cinco por cento das visões físicas são genuínas. Isto pode ser difícil para vocês aceitarem. Nós lhes dizemos que muitos seres humanos estão tão convencidos dessas aparições, que muitas vezes eles mesmos criam a imagem.

Quantos de vocês, quando crianças, realmente viram Papai Noel passeando pelo céu, dirigindo seu trenó puxado a renas? Na verdade, o seu Papai Noel realmente existe, realmente tem consciência, porque vocês alimentaram a vida dessa forma-pensamento através do seu sistema de crença.

Na verdade, muitos dos seus personagens “fictícios” têm consciência e existem como formas-pensamentos criadas pela energia do pensamento coletivo. Percebem como vocês são criativos? Na verdade, isto é um aspecto das capacidades da “ciência mental” que vocês alcançaram, manifestada em sistema de crença.

Mas não entendam mal – existe uma abundância de vida extraterrestre no Cosmos, e muitos realmente existem na sua Terra e dentro dela. Não apenas na multidimensionalidade, mas alguns, especialmente seus antepassados, trabalham em estreito contato com vocês na ascensão e desenvolvimento da Terra.

Entre os mais benevolentes desses seres, estão os das Plêiades, Sírius A e B, Andrômeda e Arcturo. 

Na verdade, muitos de vocês viveram na Atlântida como estes seres, e co-existem no AGORA, em paralelo, como estes seres. Já lhes dissemos isto antes.

Na verdade, estes seres são capazes de existir fisicamente no seu mundo, e fizeram isto durante muitos éons, mas isto é feito mais freqüentemente através da ciência da transformação mental, a mestria mental.

Entretanto, suas naves não aparecem na dimensão de vocês como muitos imaginam. Na verdade estes seres utilizam o que é chamado de tecnologias de portais estelares para ajudá-los a materializar; mais ou menos como o sistema de transporte via “facho energético” do seu programa “Jornada nas Estrelas”.

A maioria das bases extraterrestres no seu planeta é formada através de inserções freqüenciais holográficas, que são colocadas estrategicamente em áreas de portais estelares ou pontos de infinidade que ocorrem geométrica e eletromagneticamente em vetores especiais, na Terra e dentro dela.

As experiências mais válidas e os contatos mais benéficos com extraterrestres acontecem em seres humanos avançados que, através da interface Merkábica e Merkívica, são capazes de experienciar a multidimensionalidade em estados lúcidos expandidos e viagens astrais.

Esta experiência de multidimensionalidade será mais acessível a muitos de vocês no Campo Quântico Cristalino, através da Grade 144. Isto requer trabalho. Muitos dos seus antepassados e sábios alcançaram esta habilidade através de jejum, de buscas de visão e de certos tipos de plantas que aceleram o processo da experiência astral.

Agora, planos interdimensionais podem e realmente se intermisturam em muitos planetas, como com a Terra, mas não limitados a ela. E isto acontece, muito freqüentemente, sem a percepção ou conhecimento consciente dos habitantes dos planos envolvidos.

Atualmente poucos seres humanos estão conscientes das suas realidades multidimensionais. Todo o conceito da existência na Terra de civilizações intraterrenas, visitantes com bases e habitantes extraterrestres é bem estranha para vocês.

Vejam, planos dimensionais paralelos geralmente são de natureza holográfica. Como tal, eles podem existir independente de espaço. Não são realmente um “lugar”, no seu conceito de localização.

Um plano holográfico paralelo pode ser inserido em um tempo específico como uma realidade mental. Ele pode ser uma realidade solitária específica que é capaz de existir separadamente, mas isto não diminui seu valor, de jeito nenhum.

De fato, muitos dos dramas do seu Cristo são inserções holográficas propositais. Inserções holográficas podem existir durante um tempo e depois desaparecer, porque não são localizações Cósmicas reais propriamente ditas. 

Uma inserção holográfica é formada para entidades como padrões de “gestalt” para satisfação emocional e lições em vários níveis.

Com freqüência os seres humanos não levam em conta a grande importância e o valor da emoção e da imaginação. Num sentido real, estados emocionais e aquilo que vocês chamam de sonhos imaginativos são planos dimensionais.

Na verdade, uma analogia comparativa entre um plano dimensional e um estado emocional é muito mais congruente e válida do que uma analogia comparativa entre um plano e uma localidade de vetor específico, ou o que vocês chamariam de lugar, porque na verdade nem os estados emocionais nem os planos dimensionais ocupam espaço, da forma como vocês o definem.

Agora, os pleiadianos e os sirianos, que são sua fonte genética principal, trabalham em contato estreito com a humanidade. 

Estes seres benevolentes têm trabalhado com vocês no passado, no presente e no futuro – nos seus termos – em muitos esforços para ajudar a humanidade a recuperar sua verdadeira maestria.

Estes seres trabalham com os campos gravitacionais de vocês, com suas grades e linhas ley, vórtices e sistemas de portais, especialmente na modernização em curso do acesso dimensional da Terra.

Conseqüentemente eles desenvolveram meios de co-existir com vocês até certo ponto, e são capazes de manifestar formas nas quais possam viver na Terra e dentro dela.

Com freqüência eles formam esferas bioplásmicas codificadas com informações para ajudar vocês de diversos modos. Alguns dos círculos simbólicos nas suas plantações são um desses modos. Eles são emitidos principalmente através de manifestações de pensamento-luz concentrado que se combinam com campos eletromagnéticos da Terra para formar símbolos geométricos programados. São de natureza altamente elétrica.

Qualquer sensitivo que tenha se sentado em um círculo de plantação recém formado pode testemunhar o zumbido tangível da energia que existe dentro deles.

FECHANDO:
Encerramos dizendo-lhes que toda a vida se origina da luz, e que a luz se origina da consciência. Do pensamento! Sua missão na Terra é experienciar a dualidade, crescer, aprender e buscar a luz. Seu propósito é experienciar a vida e buscar o entendimento.

Para fazer com que o mistério seja conhecido, vocês descobrirão que o amor é a vibração de toda a criatividade, e que a busca do conhecimento, do verdadeiro conhecimento, é o elemento chave do crescimento.

Agora, existem certos filtros na sua mente consciente, não só devido à sua construção genética, mas também ao seu propósito no seu espaço-tempo continuo.

Como vocês poderiam se focalizar verdadeiramente na experiência que escolheram de estar na ilusão da dualidade linear se, ao mesmo tempo, estivessem conscientes de estar em outras dimensões, de viver vidas paralelas no AGORA?

Vejam, este não seria o propósito do ego.

Mas estes filtros são superados entrando-se no cérebro posterior, o campo cristalino! Agora vocês têm o conhecimento para serem maiores. Mas saibam que o conhecimento maior é alcançado pela busca através da mente meditativa – o Cérebro Divino – e suprindo-se com este conhecimento o computador que vocês chamam de mente consciente. Aprendam a trabalhar com os dois!
Dissemos-lhes que o Amor é a chave. Na verdade, o Amor é a linguagem da luz, e ele existe em muitos formatos avançados.

O zênite máximo do amor existe na freqüência do raio gama, e é excessivamente potente para ser recebido no plano da Terra. Nós lhes dissemos que o Amor Incondicional é a forma mais elevada de Amor, e que ele não pode ser verdadeiramente entendido na terceira dimensão.

Pode ser imaginado mas não verdadeiramente compreendido na terceira dimensão. Isto não quer dizer que o Amor Incondicional não exista para vocês, ou que ele não seja acessível no plano da Terra.

Na verdade, ele é, mas se expressa na quinta dimensão e dimensões mais elevadas. Este conceito pode ser confuso para vocês, pois pensam que experienciaram o Amor Incondicional. Isto é exato, porque vocês o experienciaram, podem experienciá-lo e realmente o experienciam. Mas não o estão experienciando na dualidade da terceira dimensão.

A terceira dimensão é uma dimensão condicional, e é profundamente programada, intricadamente planejada na polaridade. O amor tem seu oposto polar na terceira dimensão, assim como o tem a luz e tudo que existe dentro do espectro eletromagnético. O Amor Incondicional é um efeito experienciado no campo de ponto zero, e portanto, não tem polaridade.

O campo de ponto zero não é um campo de dualidade nem de polaridade. O modelo dimensional mais “baixo” que permite a experiência de aspectos do Amor Incondicional é a quinta dimensão. E é nesta (e em dimensões acima desta) que vocês o têm experienciado. Entendem?

Queridos, enquanto vocês crescem, nós lhes dizemos que, na verdade, num nível mais elevado, vocês já estão totalmente conscientes das intricadas verdades de todas as expressões da sua alma expandida.

Isto se dá através daquilo que vocês chamam de subconsciente, que é a centelha de Deus, e que todos vocês podem acessar aquietando sua mente consciente.

Através do trabalho! 
Através do esforço! 
Através da impecabilidade. 
É um lindo sonho, e é tão complexo quanto o cubo de 12 dimensões de Metatron! 
Façam com que o mistério seja conhecido!


Eu Sou Metatron e Vocês são Amados!

E assim é.
Tradução: Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br